Artigos

 Os nomes e significados dos templos católicos


   

Os templos católicos subdividem-se em subcategorias distintas e, conforme as suas características e peculiaridades, podemos determinar a categoria em que cada um deles está enquadrado, conforme veremos a seguir:

 

Paróquia: é a divisão territorial ou pessoal de uma Diocese. É a comunidade de fiéis que se reúne em volta de um pároco, um sacerdote, cujo trabalho pastoral lhe é confiado pelo bispo de uma diocese e que ali exerce sob sua autoridade de pastor as instruções episcopais da sua jurisdição eclesiástica. Pode ser pessoal, agregando preferencialmente pessoas ligadas a alguma cultura, língua específica etc, ou territorial, agregando as pessoas mais fisicamente próximas ao templo. A paróquia não é uma igreja, não é um templo, mas uma organização diocesana, uma pessoa jurídica de Direito Canônico. A sede da paróquia é uma igreja (a matriz), e, em seu território, podem funcionar outras igrejas (sob a responsabilidade do pároco ou de outro sacerdote, chamado reitor), oratórios, capelas e mesmo outros locais provisórios de culto (que alguns chamam "comunidade", porém, inexistindo esse termo como designação de uma estrutura paroquial).

 

Igreja: é o templo católico mais comum, e que se caracteriza por ser de acesso público: todos podem nele ingressar. Pode ser sede de uma paróquia ou não. Assim, em uma paróquia podem existir várias igrejas. O sacerdote responsável por uma igreja paroquial chama-se pároco, e o responsável por uma igreja não-paroquial chama-se reitor.

 

Matriz: é a igreja que é sede de uma paróquia.

 

Oratório: é o templo católico que se caracteriza pelo acesso restrito dos fiéis, pois é ligada, geralmente, a um colégio, um hospital, um instituto de vida consagrada ou sociedade de vida apostólica. É erigido em favor de uma determinada comunidade ou grupo (as pessoas dos tais colégio, hospital etc), sendo que os demais fiéis só podem ser admitidos nele com o consentimento do superior. Na linguagem popular, chama-se de capela, o que, na verdade é outra coisa.

 

Capela: canonicamente falando, é o lugar sagrado autorizado pela autoridade eclesiástica em favor de uma ou mais pessoas físicas, i.e., um pequeno templo ou altar em alguma residência particular, para a celebração de atos de culto.

 

Catedral: é a igreja principal da Diocese. Significa "sede do bispo" (sé) e sua origem vem da palavra cátedra, cadeira, que é o símbolo da missão de ensino e de governo do pastor da diocese, o senhor bispo. É dela que ecoa a palavra do episcopado. É o centro da vida diocesana.  graças a esse status que encontraremos na Catedral de uma diocese as principais festas litúrgicas sob a presidência do bispo pela sua cátedra. É também na catedral que são sepultados os bispos de cada diocese.

 

Basílica: é um título concedido pelo Vaticano a algumas igrejas que se destacam pela sua importância em antiguidade, por serem centros de peregrinação, por possuírem alguma relíquia de um ou mais santos, por possuir grande influência na vida espiritual de uma jurisdição eclesiástica etc. O nome basílica provém aproximadamente do séc. IV d.C. como uma apropriação de edifícios públicos romanos para realização dos serviços de culto cristão. Normalmente tem um grande porte que ressalta suas qualidades de centro espiritual.



Santuário: é um lugar sagrado, templo ou não, que possui acentuada característica de piedade e que se torna para a vida da comunidade uma fonte de peregrinação e de santificação. Pode possuir uma relíquia de algum santo, pode ser consagrado à alguma devoção particular da fé católica etc. Normalmente é objeto de grande apreço para os fiéis devotos que dele fazem um local de constante meio de santificação através do uso constante dos sacramentos.

 

 


Fonte: Silvio L. Medeiros e Rafael Vitola Brodbeck
Postado em: 23/05/2011 às 22:08:31



Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil