Artigos

 Apelo de um inocente (Nascituro)


   

Ó mamãe, quanta alegria!

Quando eu recebi o teu chamado

Pra entrar neste mundo materno

E crescer coladinho ao seu lado

Já faço parte da tua vida

De um grande amor fui gerado

Tão forte que não dá pra esquecer

No meio da emoção e do prazer

Fui chegando meio vexado.                                    Tão minúsculo! Indefeso e frágil,

                                                                                              Enfrento batalha pra sobreviver

                                                                                              Eu só posso contar minha mãe

                                                                                              Contigo pra me proteger.

                                                                                              Tenho pressa deste grande dia

                                                                                              Que esse mundo eu possa ver

                                                                                              Coraçãozinho batendo no peito

                                                                                              Já me diz que ninguém tem direito

                                                                                              De meu caminho interromper.

Mãezinha, eu já escuto a tua fala!

Deve ser lindo esse sorriso teu,

Desde a hora em que fui gerada

Com certeza teu amor só cresceu,

Será que vou conhecer o papai?

Aquele que a origem me deu

Meu nascimento será uma vitória

Tenho direito à minha história

E a este mundo que também é meu.         Ih! Mamãe, você está triste?

                                                                                              No teu pulsar posso perceber

                                                                       Será que é por minha causa?

                                                                       O! Meu Deus... Não pode ser!

                                                                       Mas não foi minha intenção

                                                                       Eu só queria te dar o prazer,

                                                                       Quero tanto conhecer o teu rosto

                                                                       Não permita este grande desgosto

                                                                       Por favor... Permita eu nascer!

Ainda bem que esta história

Mudou de rumo e de lugar

Porque essa mãe arrependida

Desistiu de este feto abortar

Essa criança trouxe alegria

Estampada no materno olhar

O nascimento por nada se veta

Ele é a peça que completa

O grande jogo familiar.                    A recompensa dessa mãe,

                                                           É ver sua filha formada

                                                           Fazendo-a companhia

                                                           Na sua idade avançada

Orientando aos medicamentos

Cada dose a ser tomada

Num relacionamento amoroso

O destino foi caprichoso

Ao concluir essa jornada.

 


Fonte: Lenir de Andrade
Postado em: 29/12/2014 às 12:10:40



Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil