Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 XXVIII Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012



   

«Jesus estava pondo-se a caminho; veio alguém correndo, ajoelhou-se diante dele e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?”. Jesus disse: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. Tu conheces os mandamentos: não matarás; não cometerás adultério; não roubarás; não levantarás falso testemunho; não tirará proveito de ninguém; honra teu pai e tua mãe!”. Ele respondeu: “Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude”. Jesus olhou para ele com amor, e disse: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”. Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico. Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!”. Os discípulos se admiravam com estas palavras, mas ele disse de novo: “Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”. Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso, e perguntavam uns aos outros: “Então, quem pode ser salvo?”. Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”. Pedro então começou a dizer-lhe: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, receberá cem vezes mais agora, durante esta vida  -casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições- e, no mundo futuro, a vida eterna.»  (Mc. 10,17-30).

 


 

Um breve quadro da leitura do Evangelho de Marcos que fizemos até hoje, creio que possa nos ajudar a esclarecer o significado deste texto que a liturgia nos oferece.

 

Num primeiro momento vimos a atividade de Jesus em Nazaré e seus resultados; em seguida o Evangelista nos mostrou o envio dos discípulos, para colaborar com Jesus no anuncio da vinda do Reino. Pudemos refletir sobre algumas curas e milagres após os quais Jesus se retirou junto com os Apóstolos para refletir junto com eles sobre o significado do período vivido até então. Nessa primeira fase vimos prevalecer o interesse de Jesus em educar os seus e formar uma comunidade de fé. Às vezes afastava-se de qualquer tipo de atividade e das multidões, que continuamente O procuravam, e se dedicava aos Apóstolos em lugares discretos e privados, como a própria casa de Pedro onde costumava se alojar quando estava em Cafarnaum.

 

Com o trecho do Evangelho de hoje  está começando uma segunda fase, um período qualitativamente diferente da vida entre Jesus e os seus. Assim começa o nosso trecho: «Jesus estava pondo-se a caminho» isto é, estava começando a sua viagem definitiva rumo a Jerusalém onde os seus discípulos teriam aprendido, na convivência com o Senhor, o sentido das palavras que até então só haviam escutado dos lábios de Jesus, sem ainda terem visto na prática a sua abrangência. Apenas em Jerusalém eles poderiam entender de fato o sentido pleno das palavras ouvidas até então. Sim, porque em Jerusalém sem dúvida iria explodir o conflito entre o mundo que Jesus oferecia e o mundo dos interesses religiosos e políticos das pessoas acomodadas em seus privilégios. Para Jesus sempre foi de suma importância o equilíbrio entre o que alguém diz e o que de fato faz; quando assim não for, a fé é distorcida, não é um estilo de vida –como deveria ser-, e, assim sendo, não tem credibilidade e não passa de um qualquer ideologismo ou sentimentalismo. Era necessário, então, que as palavras ouvidas sobre “primazia”, “serviço”, “acolhida”, “fidelidade” etc. penetrassem como um todo no coração dos Apóstolos. Lamentavelmente, algumas traduções do nosso trecho do Evangelho tais como: “quando Jesus saiu a caminhar” são infelizes e não ajudam na compreensão do texto, pois reduzem o episódio de hoje a um fato ocasional que se deu durante um “passeio” de Jesus. Isso não corresponde ao conjunto do Evangelho o qual, ao contrário, quer sugerir a partir deste trecho qual é a nova Lei que deve reger toda experiência com Jesus para que esta seja autêntica.

 

Esclarecido o contexto, vamos começar com a leitura do texto para ver a “lei” que nos sugere o Evangelista.

 

Um individuo não identificado correu ao encontro de Jesus quase querendo capturar um último momento antes de sua partida. O ímpeto com o qual o homem «se lançou» aos pés de Jesus parece quase sugerir a sua intuição de que o Senhor não voltaria para lá (como de fato aconteceu). O gesto descrito era próprio de alguém que escolhia o seu rabi -mestre- para ser guiado no caminho que conduz à “vida”. Ajoelhar-se aos pés de alguém significava simbolicamente estar disposto a seguir todas as indicações que o rabi daria daquele momento em diante quanto à interpretação da Lei, da Escritura e da maneira de viver as indicações e normas nelas contidas. Isso porque seguir e interpretar corretamente a Lei significava entender o que Deus queria, uma vez que a Lei era a expressão da vontade de Deus. Seguir do melhor modo possível a Lei e tê-la sempre diante dos olhos, era a maior expressão da religiosidade de um judeu, assim como está escrito: «A Lei... será como sinal na tua mão e por memorial entre teus olhos» (Ex. 13,9). Quem o fizesse era considerado “justo” diante de Deus e dos homens.

 

A frase que, por uso tradicional, acompanhava o gesto era: “Rabi, o que devo fazer para entrar na vida?”. Tratava-se de uma frase estereotipa, quase fixa. Isto explica a curiosidade de Jesus quando ouviu dos lábios do homem o adjetivo «bom», o que não era um simples atributo ético. Afinal, o que aquele homem queria dizer com isso? Um indivíduo como ele, que conhecia e seguia a Escritura «desde a infância» não poderia aplicar a Jesus um termo como aquele, reservado exclusivamente a Deus e ao Seu projeto. Todos bem sabiam que a expressão “bom” era um era um atributo próprio de Jahvé. Não se tratava de uma característica moral ou ética. “Bom” (ou “bem”) não indicam, na Escritura, uma qualidade de Deus, mas sim tudo o que Deus é e faz. Tudo o que Deus realiza a fim de que chegue a cumprimento o projeto de felicidade desejado para o homem. Logo, o sentido da expressão “Bom”, corresponde à “vontade salvadora de Deus”.

 

Com suas palavras: “Dai graças ao Senhor, porque ele é bom“ (Sal. 118,1; ou também Sal. 145;147 etc.) o Salmista exorta as pessoas para que agradeçam a Deus porque Ele realmente quer que o homem seja feliz e, para isso faz tudo.

 

Tudo quanto vem de Deus é “bom”: a Sua palavra: “Boa é a palavra de Jahvé” (Is. 39,8); “Boa” é a Lei (Dt. 30,15). “Boa” é a criação: «Viu que tudo era bom» comenta o Gênese, para dizer que tudo quanto Deus fez corresponde e contribui para que o homem possa ser feliz, possa ter a “vida”. Para a Escritura não existe aquele princípio -Maniqueu- de dois elementos contrapostos: o bem e mal que lutam entre si e se contendem o homem puxando-o ora aqui ora ali. Esse princípio não corresponde à dignidade e à liberdade da pessoa humana que são axiomas indiscutíveis da Escritura.

 

O “não-bom”, na religiosidade Bíblica, é o “não-caminho”, o “não-projeto”. O homem pode escolher de não-caminhar com Deus, é livre até para tanto; pode até criar para si um outro caminho, desacreditando naquele que Deus propõe. Faz parte da sua liberdade que sequer Deus viola. Contudo, o que Deus garante é que o caminho com Ele conduz à vida. O outro pode conduzir à “não vida”...

 

Interrompendo o entusiasmo daquela pessoa, Jesus lhe perguntou se soubesse o que estava dizendo, pelo fato de ter dado a Ele o atributo reservado somente a Deus e à sua ação salvadora.

 

Com certeza, algo daquele homem tocou profundamente Jesus, o qual continuou o diálogo na posição que o Salmo atribui a Deus: «Bom e reto é Jahvé, por isso aponta o caminho aos pecadores» (Sal.25,8) e indicou-lhe o caminho. Colocando-se no mesmo terreno daquele homem Jesus lhe expôs a Lei que era, até então, o parâmetro referencial dele. Lhe recordou a Lei deixando que transparecesse um desafio: “Para você isto não é suficiente? O que você quer a mais? Você já sabe de ser justo diante de Deus e dos homens, você se sente assim”.  É como se lhe dissesse: “se para você isso é suficiente, então fique com isso, o que você está querendo a mais?” .

 

Como sempre acontece quando desejamos nos colocar numa relação mais profunda com Jesus, a primeira coisa que Ele faz é desmontar as seguranças sobre as quais construímos a nossa via particular. Sim, porque quando se deseja viver com Jesus ou se deixa a Ele tomar a rédeas da nossa vida ou não é possível segui-lo. Às vezes acontece que o nosso entusiasmo mova o desejo do nosso encontro com Ele e isso é ótimo, contudo o amor exige também que não nos detenhamos nessa fase, o amor exige escolhas que nem sempre correspondem a o que nos agrada mais, a o que nós achamos certo, especialmente se o caminho é um caminho divino, um caminho do espírito que não é “apenas” humano.

 

A resposta de Jesus não se limitou em indicar normas e preceitos já conhecidos por aquele sujeito, pois “indicar o caminho” –com diz o Salmo- implica também ajudar a pessoa a conhecer a si mesma, a ter uma visão crítica e objetiva de si, sempre tendo Jesus como interlocutor. Assim sendo, Jesus citou uma parte daquela Lei sempre respeitada, os “mandamentos” de Deus, mas incluiu entre os mandamentos algo que não está mencionado naquele texto da Escritura, Jesus acrescentou: «não tirará proveito de ninguém». O que o Senhor quisesse dizer-lhe com isto não o podemos saber, certo é que a inclusão feita não foi casual, principalmente sabendo que aquela pessoa «possuía muitos bens». A reação do sujeito foi positiva, ele entendeu o acréscimo entre os mandamentos, aceitou a crítica de Jesus e continuou chamando-o de “mestre”.

 

Que bom se aceitássemos sempre quando Deus nos mostra realmente quem somos!  Seria um autêntico gesto de amor! O primeiro movimento do Espírito de amor, o Espírito que gera e faz unidade, é sempre orientado a livrar o nosso mundo interior das imagens; sim, das imagens que criamos de nós mesmos, dos outros e do próprio Deus. Criar “imagens” sem “saber”, seguir as imagens não possibilita uma unidade fundamentada no amor; por isso que podemos considerar ainda por certo o impulso dos Profetas do Antigo Testamento que apontavam como fonte de pecado a dependência das imagens... para eles eram talvez eram imagens de madeira, ouro, prata... para nós podem se imagens de outro tipo, imagens que estão dentro de nós... a diferença afinal não é tão grande.

 

Nesse ponto do diálogo entre Jesus e aquele homem, o olhar do Senhor se iluminou vendo a disposição dele em deixar-se conduzir e criticar!

 

Deixar que alguém nos veja com um olhar diferente daquele que nós temos de nós mesmos é o primeiro grande passo para uma verdadeira comunhão; por isso, diz o Evangelista, Jesus o «fitou o homem com amor». Esta disposição positiva permitiu a Jesus de oferecer-lhe a nova lei, aquela que poderia reger a sua vida dando-lhe aquilo que estava buscando. Porém, Jesus não ofereceu uma “lei” que é imediatamente compreensível para que depois ele pudesse fazer a escolha. Se assim fosse, Jesus teria oferecido uma “ideologia” de vida. Ele lhe ofereceu aquela “lei” que se descobre apenas “enquanto se caminha com Jesus”, nem antes, em depois: «Vem, segue-me»!

 

Que maravilha sentir-se digno de ser chamado! Ninguém de nós ofereceria a uma pessoa de viver junto se não tivesse uma profunda confiança nele! O que significa então quando Jesus chama alguém a segui-Lo mais de perto? Não significa talvez essa profunda confiança que Ele deposita na pessoa convocada? E quanto mais encantador se torna esse convite quando nós mesmos temos a certeza dos nossos limites, das nossas fraquezas, quando não nos sentimos em condição...! Ah sim, isso é um ato de amor confiante em Jesus e não na imagem que temos de nós mesmos. É um ato de amor que tem um nome: confiança e entrega. É um pacto de recíproca entrega na liberdade de se dar. 

 

 

Àquele homem, como aos seus discípulos, Jesus estava começando a ensinar de fato o que significa “seguir”, era essa a nova Lei que estava oferecendo-lhe; uma lei que se descobre dinamicamente e de modo sempre surpreendente. É uma “lei” que não tem pontos de referências cristalizados em normas ou comportamentos predefinidos. É a “lei” de aprender a seguir até o fim o fim do percurso, apenas confiando Naquele que é “Bom”, exatamente como Jesus fez junto com o Pai. É um caminhar-com-Deus.

 

Para aquele homem, com aquela proposta, Deus tinha agora um rosto, um estilo de vida, um olhar dentro do qual espelhar-se; não era mais uma intimista interpretação da fé.

 

O homem sabia que podia incluir a si mesmo entre os “justos” diante de Deus, pois era isto que a Lei à qual obedecia lhe dizia. Mas isto é bem diferente da fé como Jesus lhe estava propondo; pois a fé é feita antes de tudo de adesão continua, feita da disposição em tornar o desejo de Deus o próprio desejo.

 

É uma lei que funde duas pessoas a ponto de que desejem a mesma coisa.

 

Porém, esta fusão não se dá sem percas. Não é uma adequação feita de meios-termos na qual se tenta perder o menos possível. Não é assim, pois “fusão” é “perca por amor”...

 

...E para cada um é Deus quem sugere o que precisa perder, e nem sempre corresponde àquilo que nós achamos que precisamos perder. Às vezes, como no caso do Evangelho, Deus sugere de perder aquilo pelo qual se lutou durante uma vida inteira...

 

...E Deus cava, cava, cava profundamente e incansavelmente em nosso espírito descobrindo o que ainda nos prende, de modo que a cada descoberta nova possamos dizer: “sim, eu deixo isto também”. E ainda, dia após dia, fato após fato, sem desistir, para que possamos sempre dizer a Deus: “Você é o meu tesouro, a minha riqueza”.

 

É a nova Lei própria de quem não sabe, de antemão, o que deve deixar, mas que se deixa dizer o que deva deixar de vez em vez, conforme o que Deus sugere e com o tempo que Deus escolhe para nos mostrar o que ainda nos prende.

 

Ora, isso somente é possível por um profundo ato de confiança, pois ninguém deixa algo se não tiver a certeza de fazê-lo por um bem maior. Se Deus nos ajuda, indicando-nos o que é conveniente deixar, é porque Ele mesmo garante, com sua palavra e com a Sua vida, que este é o caminho para a “Vida”, para a realização.

 

            É sempre possível escolher um outro caminho, aquele que nós construímos com nossas próprias mãos, Deus não força nem violenta ninguém.

 

            O único comentário -lacônico- do Evangelista, é que a opção feita por aquela pessoa, a opção de não deixar o que naquele momento lhe foi proposto de deixar, o deixou «com tristeza». De fato, a atitude de “deixar” é sempre proporcional à perspectiva que temos no coração, quanto maior, quanto mais ampla, quanto mais ilimitada esta for, tanto maior será a capacidade de deixar uma coisa por algo maior. Mas vale também o contrário, infelizmente. Uma pessoa sem perspectivas se agarra desesperadamente a o que possui porque, além daquilo, não tem nada.

 

            Quanta alegria existe no olhar de quem não fica preocupado com o que deixa! Nele já existe o Tudo.


Postado em: 10/10/2012 as 13:33:55





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil