Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 Festa da Sagrada Família


30 de dezembro de 2012



   

«Todos os anos seus pais iam a Jerusalém para a festa da Páscoa. Quando completou doze anos, subiram, como de costume, para a festa. Depois que passaram os dias da festa, ao voltarem, o menino Jesus ficou em Jerusalém sem que seus pais soubessem. Pensando que ele estava na caravana, viajaram um dia inteiro e, depois, começaram a procurá-lo entre parentes e conhecidos. Mas, como não o encontrassem, voltaram a Jerusalém à sua procura. Depois de três dias eles o encontraram no Templo, sentado no meio dos doutores, escutando-os e fazendo-lhes perguntas. Todos os que o ouviam estavam assombrados com sua sabedoria e suas respostas. Quando o viram, ficaram comovidos e sua mãe lhe disse: “Meu filho, porque agiste assim conosco? Teu pai e eu estávamos aflitos à tua procura!”. Jesus respondeu: “Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo estar com as coisas de meu Pai?”. Mas eles não compreenderam suas palavras. Então, desceu de lá em sua companhia, voltou para Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe fazia tesouro fielmente todas essas coisas no coração. E Jesus ia crescendo em sabedoria, tamanho e em graça diante de Deus e dos homens.» (Lc. 2,41-51)

 


 

 

Era inimaginável, fora de qualquer cogitação aquilo que estava acontecendo, algo compreensível somente por aqueles que não se dão o direito de fazer muitas perguntas: os "humildes", como os chama a Escritura. São aqueles que não colocam a si mesmos como centro do universo, são aqueles que, como dirá Jesus, “têm um coração puro” e, por isso, podem ver a Deus, presente e agindo. Sim, em Maria, Deus havia escolhido definitivamente estar com a sua criatura amada e partilhar daquilo que o homem sente na sua fragilidade.

 

O Deus infinito havia escolhido os limites do homem para falar ao coração do homem com a linguagem que qualquer homem compreende muito bem.

 

Não o fazia mais numa forma abstrata, nem por meio de fenômenos expressivos que o homem deveria interpretar, nem através de experiências emotivas ou pelos sentimentos de admiração e maravilha que a criação gera em nós quando nos detemos para contemplá-la. Dessa vez todos teriam a possibilidade de ver muito mais do que as manifestações da ação de Deus, poderiam ver Ele, o próprio Deus! Desta vez não haveria mais espaço para as interpretações particulares e individualistas, para artifícios mágicos ou adivinhatórios inventados pelas pessoas com a única finalidade de especular sobre a divindade ou o próprio futuro. Dessa vez Deus se fazia presente de forma objetiva sim, mas compreensível apenas por alguns, para os “humildes”, para aqueles que, conforme a linguagem bíblica, não colocam a si mesmo como centro de tudo, não têm as próprias razões como elemento base de tudo. Os humildes acolhem, creem; não obrigam qualquer coisa ou situação a passar pela peneira do próprio entendimento.

 

Contrariamente a quanto a presunção de muitos afirmava (e continua afirmando) estes “humildes” não são ingênuos, simplesmente têm uma lógica diferente. Aceitam porque acreditam na pessoa que fala. Antes de descartar qualquer coisa que não se encaixe com os próprios preconceitos, procuram intuir se a pessoa que fala merece ou não credito e, depois disso, não precisam de mais nada. Daquele momento em diante, só existe confiança. É nesta categoria de pessoas que Maria se enquadra, como imagem e antecipação de todos aqueles que creem e por isso aderem ao Outro.

 

O mistério do Natal, que estamos celebrando, é realmente um “julgamento” sobre nós mesmos e a nossa fé. Dizer “sim” ou “não” ao mistério é dizer “sim” ou “não” à pessoa do próprio Deus; é dizer abertamente se Ele merece ou não o nosso “credito”. Contemporaneamente dirá a nos mesmos quem somos realmente, se pertencemos ao mundo dos humildes ou ao mundo dos arrogantes.

 

Bem, a festa de hoje, da Sagrada Família, celebra exatamente este quadro. Maria e José, cada um na sua condição e conforme a própria sensibilidade, foram colocados na mesma situação, foram solicitados por Deus a dar a mesma resposta: dizer a si mesmos e a todos qual era o lugar que Deus ocupava em suas vidas. Deveriam dizer até que ponto teriam dado “credito” a esse Deus. È a mesma condição em que ainda hoje Deus nos coloca várias vezes ao longo de nossa vida para que aprendamos, de Maria e José, a dar uma resposta de confiança definitiva e total. Ambos, Maria e José, dando as suas respostas, encontraram a si mesmos e encontraram-se reciprocamente num modo muito mais profundo do que o modo gerado pelo desejo natural de formar uma família. O desejo natural é de grande parte das pessoas e se funda sobre a necessidade de que um “outro” entre a fazer parte da nossa vida para que possa ser gerado aquele amor que realiza as pessoas. Mas o encontro entre Maria e José estava superando o aspecto de um “desejo natural”; havia encontrado um vínculo bem mais forte. O desejo e direito natural foram superados por um outro vínculo, ou seja, o laço gerado pelo fato de ambos terem entregado toda a sua vida a Deus e ao Seu projeto, mesmo que por caminhos diferentes. Eram duas pessoas que, além de olhar uma para a outra com a intensidade do amor que une os corações, juntas olhavam para Outra Pessoa. tendo o olhar fixo em Deus o amor humano transformava-se, então em amor Divino, pois Deus estava no centro e na base das novas relações que haviam nascido depois do seu “sim”. E ali, naquele profundo mistério, ambos se encontravam porque tinham dado a mesma adesão incondicional, o mesmo “crédito” àquele Deus que os havia chamado em causa. Ambos foram interpelados no mais íntimo de si mesmos e, nesse lugar se encontraram de modo diferente do natural.

 

Cada um de nós sabe o que o outro sente, conhece o outro quando vive a mesma situação e, ainda mais, se esta situação toca o mais profundo do ser. Encontrar-se, então, no mais profundo do ser significa encontrar-se de modo definitivo e autêntico. Se este lugar de encontro é o próprio Deus e o Seu projeto, então muda a qualidade do próprio amor. O amor de duas pessoas é algo maravilhoso, vem de Deus, mas se transforma em “santo” quando o centro deste amor é o próprio Deus. Não importa quais sejam as condições que conduzem a tanto; Maria por um caminho, José por um outro... Ambos, renunciando a si mesmos e aos próprios pontos de vista (mesmo que justos e de direito) se encontravam ainda mais profundamente no mesmo momento em que haviam colocado o Altíssimo no centro de suas vidas. Então, por quanto estranho que pareça, por quanto a razão nos possa conduzir a dizer que, se colocarmos a Deus no centro e não uma pessoa estaremos nos distanciando desta, contrariamente a esta convicção, os laços que unem as duas pessoas são ainda mais estáveis, fortes, profundos. Deus não tira o lugar de ninguém, ao contrário, amplia o coração para que haja sempre um espaço maior. Colocar Deus no centro de uma família é fortalecer os laços de amor dando-lhes estabilidade eterna.

 

É este ambiente que Deus escolheu para seu Filho. Um ambiente onde a confiança é total, mesmo quando não se compreendem as coisas, os eventos, as atitudes das pessoas, assim como nos recorda o Evangelho de hoje, tirado de um episódio de vida quotidiana. « Meu filho, porque agiste assim conosco?» perguntaram Maria e José ao Filho e, ainda continua o Evangelho: «não haviam compreendido».

 

A confiança, todavia, não se limita a um consentimento dado uma vez, precisa ser continuamente alimentada para que possa gerar frutos de modo a alimentar o clima no qual o Espírito do amor pode orientar qualquer decisão, gesto, atitude. É, essa, uma confiança que cresce em comunhão e no dia dia, nas coisas mais comuns. É algo que necessita do suporte da outra pessoa com a qual laços profundos nos unem. Não se consegue crescer nesta confiança sozinhos, é uma ilusão. A fé, a confiança em Deus são alimentados na comunhão e na abertura recíproca, onde os medos são expressos, as indecisões são superadas juntos, as fragilidades são partilhadas...

 

É esse lugar, privilegiado, no qual Jesus pôde crescer. Nós o chamamos “família sagrada” porque se sustenta não somente sobre admiráveis valores naturais, mas se auto-constrói (“edifica” na linguagem de São Paulo) sobre o alicerce que é Deus.

 

A família cristã, reflexo da “família sagrada”, é bem mais do que a instituição básica das culturas da humanidade; não é um “contrato”, não é um acordo que pode ser rescindido quando aparecer aquele aspecto do amor que se chama sofrimento, dificuldade....

 

Se é verdade que a família natural já é de imenso valor e ninguém tem o direito de atentar à sua estrutura nem entrar com violência em sua intimidade, sem pedir permissão (hoje, infelizmente sofremos muito por esta agressão), por outro lado a família natural é só o pressuposto para algo ainda melhor, ao qual todos somos chamados, algo analogamente “sagrado”. Sim, quando nos referimos à Sagrada Família, por um lado recordamos Maria, José e Jesus, mas por outro lembramos dela como antecipação e visibilização de que, quando se coloca Deus no centro das relações, todos os relacionamentos mudam. Recordando a Sagrada Família recordamos que cada família na qual está viva esta presença de Deus é capaz de mostrar a todos, eficazmente, a lógica de Deus, a felicidade que brota de tal estilo de vida.

 

Os relacionamentos naturais, o amor entre o casal e deste para com os filhos, são transformados em algo “santo”, assim como acontece toda vez que apresentamos a Deus elementos naturais (como, por exemplo, o pão e o vinho) carregados de vida, amor, doação, alegrias e lágrimas: Deus os acolhe e transforma em algo sagrado. “Sacramento”, diziam desde o início da vida da Igreja.

 

Faço votos que a Sagrada Família de Nazaré abençoe todas as vossas famílias; que em todos vocês que souberam, apesar de todos os limites naturais, colocar a Deus em vosso lar, reine a verdadeira paz. Que reine a certeza do amor, o qual será de sustento também para os filhos em seus momentos de dificuldade ao longo da vida.

 

 

 

 


Postado em: 27/12/2012 as 16:46:05





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil