Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 I Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013



   

«Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito. Ali foi tentadopelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada naqueles dias e, depois disso, sentiu fome. O diabo disse, então, aJesus: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se mude em pão”. Jesus respondeu: “A Escritura diz: ‘Não só de pãovive o homem’”. O diabo levou Jesus para o alto, mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo e lhe disse:“Eu te darei todo este poder e toda a sua glória, porque tudo isto foi entregue a mim e posso dá-lo a quem quiser.Portanto, se te prostrares diante de mim em adoração, tudo isso será teu”. Jesus respondeu: “A Escritura diz:‘Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás’”. Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém, colocou-o sobre a parte maisalta do Templo e lhe disse: “Se és Filho de Deus, atira-te daqui abaixo! Porque a Escritura diz: ‘Deus ordenará aosseus anjos a teu respeito, que te guardem com cuidado!’ E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos, para que não tropecesem alguma pedra’”. Jesus, porém, respondeu: “A Escritura diz: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’”. Terminada toda atentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno.» (Lc. 4,1-13).

 


 

O caminhar da fé é um longo itinerário, como um crescendo que, em círculos concêntrico, nosfaz progredir em direção a Deus. É como uma espiral, que parece voltar continuamente no seu ponto departida, aparentemente apresentando-se como cíclica, repetitiva mas que, na verdade, se assemelha aum parafuso que afunda no mistério de Deus e, neste mistério firma o coração do fiel. Eis então quesomos convidados a viver continuamente e com maior maturidade o tempo da conversão do coraçãoque é um contínuo processo de assimilação ao Senhor.

 

O Evangelista coloca o episódio de hoje em continuidade com a narração do Batismo de Jesus.E isso não sem lógica, como veremos; Jesus foi abertamente declarado “filho” e manifestado comoAquele que possui o Espírito em plenitude. O trecho de hoje indica a todo discípulo “o que significa”ser filho de Deus, qual é o percurso e como reage aquele que quiser seguir Jesus galgando as suasmesmas pegadas. A liturgia cristã associa o episódio das tentações à grande aventura da conversão,aventura que começa justamente com o Batismo, através do qual se dá um encontro entre a vontade deDeus de estabelecer conosco uma relação análoga àquela quie há com Jesus e um encontro com a nossavontade de aderir e envolver-se nessa relação para o bem da humanidade. Isso é o processo deconversão. Quem dá o primeiro passo no caminho da fé ou está disposto a renová-lo com a mesmaintensidade do primeiro momento compreenderá muito bem o sentido do Evangelho de hoje. Ele indicao reinício, a redescoberta do entusiasmo que nos fez dar o primeiro passo em direção Àquele quesempre nos atrai. É contemporaneamente o momento em que olhamos a verdade sobre nos mesmos, emque podemos re-escolher o que é mais singelo, autêntico: o que verdadeiramente queremos da nossavida. É o tempo da tomada de consciência e aceitação dos nossos limites e, com estes, vem a força derenovar a certeza de que Deus ama também os nosso limites.

 

Isso é o que chamamos de conversão. Esta palavra traduz uma expressão grega que indica“mudança de ponto de vista” (metanoia= literalmente: “ir além do próprio pensamento”), mas nãodeixa de ser sugestivo o significado a ela aplicado mais tarde, pela linguagem cristã latina, segundo aqual a “mudança de ponto de vista” coincide exatamente com o fato de redirecionar tudo para o centrode nossa vida: “con-vertere”, (“convergir”, diríamos nós). A atitude de contínua conversão é, então, aocasião propícia que Deus continua nos oferecendo para mergulhar no mais profundo do nosso “eu” eperguntar a nós mesmos sobre o que, realmente, move as nossas opções, energias, desejos...

 

É também o momento da reação à força centrifuga proposta por alguns mitos de uma culturaque aliena o homem de si mesmo e o projeta num mundo fictício. É voltar a ser o “homem-diante-de-Deus” -para usar uma expressão Bíblica. O agir de Jesus nos sugere a conversão como retorno àverdade, como liberdade diante da verdade, como resposta corajosa e generosa à verdade. A imagemque ressalta imediatamente na leitura é como a de um conflito entre Jesus e o demônio, um conflito quese dá em três situações e das quais Jesus, assim como cada cristão, tem condições de se sair vitorioso.

 

Aparentemente, a narração parece apenas a apologia da vitória de Jesus sobre as forças do malque tentam desviá-lo do caminho. Parece apenas uma exortação para mantermo-nos firme diante dasinvestidas do mal, tendo Ele como exemplo. Evidentemente tal ótica tem seu valor em vista de umafinalidade de tipo moral, mas a nossa preocupação é de tipo existencial, mais profunda, ou seja, é tentardescobrir, pela Palavra, o que acontece na existência de uma pessoa que deseja aderir a Deus “como”Jesus o fez. Não podemos parara apenas numa visão de tipo moralista, porque o mundo da fé é mais doque uma dinâmica -de tipo Maniqueísta- segundo a qual o homem é como um joguete, um dia puxadopelo bem e outro pelo mal, um dia empurrado pelo diabo que “tenta” e outro pelo Espírito de Deus queatrai a si. Essa é uma visão que a Igreja recusou desde o terceiro século da sua existência.

 

Sabemos que o texto é uma síntese catequética das tentações que Jesus viveu no decorrer detoda a sua vida e que os Evangelistas concentraram num evento único, o qual adquiriu valor de símbolopara todos os fieis. Este fato aborda o questionamento mais radical que o homem tem quando começa acaminhar com Deus: ou seja, o “irracional” comportamento de Deus.

 

Ao longo do nosso caminho na fé, todo questionamento a Deus é positivo, é justo e mais, é sinalde amor. Existe, todavia um momento em que o questionamento pode se transformar num ato que“separa” o ponto de vista mais lógico como qual qualquer homem agiria e o comportamento“incompreensível” de Deus (a palavra “diabo” -do grego, dia ballw,- significa: “que separa”). Ora, adificuldade no caminho de fé pode transformar-se em separação quando se colocam restrições a Deus,quando desejamos reduzir Ele ao nosso modo de ver; geralmente torna-se evidente tal atitude quandopercebemos algo semelhante a o que o demônio fez com Jesus; por três vezes Lhe disse: «se...».

 

É isso que separa. Não é o fato de não entender o modo de agir de Deus, mas pretender que... ouseja, quando colocamos condições a Deus, quando exigimos que Ele restrinja o seu proceder à nossalógica. No momento em que dizemos «se...» a Deus, renunciamos a segui-Lo e pretendemos que Elenos siga. Mas Deus possui uma sua lógica então a consequência é que nós nos “separamos” Dele. Porisso é que o «se...», como bem é evidenciado neste trecho do Evangelho, procede dos lábios dodemônio pois, enquanto a pessoa se ilude, tendo a sensação de ter o poder e de colocar condições aDeus, na verdade está realizando o primeiro passo que a isola em si mesma. Quantos mais “se...”colocarmos na nossa vida, tanto mais estaremos sozinhos. E isto é o inferno.

 

O “se...” pretende que a vida seja como nós a imaginamos, mas ela é o que é, existe antes de nóse continua depois de nós. Dizer “se...” a Deus é colocar-se no lugar que compete a Ele, é “sentar notrono de Deus”, como dirá São Paulo aos Tessalonicenses; é o sinal do “inimigo”, do anti-Cristo;enquanto, em Jesus, houve «somente o sim» (2Cor. 1,19).

 

A situação de vida, na qual o fiel pode escolher entre seguir a Deus ou querer de ser seguido porDeus, na Escritura é chamada “tentação” ou “prova”. Mas o que significa que Deus “prova o homem?”Obviamente, mais do que ser um sórdido atentado à integridade do caminho de fé, a tentação é umasituação existencial que faz viver ao discípulo um profundo ato da liberdade. É o momento em que eleestá face a face consigo mesmo, se coloca sozinho (deserto) diante do seu coração. E ali, naquelaprofunda liberdade, ele pode decidir. Na condição de “deserto”, quando tudo parece desaparecer e onosso mundo está rodeado apenas de silêncio, de não-respostas, de um horizonte sempre igual... ali,quando não devemos mais “prestar contas a ninguém” a não ser à nossa consciência e a Deus, alimesmo é que se pode fazer a escolha mais livre da nossa vida. Uma escolha que poderá determinar parasempre o futuro.

 

Contrariamente a um certo moralismo que vê a tentação como uma fraqueza do nosso caminho,ela não é um acidente do percurso: é o próprio percurso. Veja-se, por exemplo, quando Deus chamouAbrão; o próprio ato de chamar foi indicado pelo Escritor do Gênese como uma “tentação”: «Deusprovou Abrão dizendo: “Abrão, Abrão”. Ele respondeu: “Eis-me aqui”» (Gen. 22,1) e foi desse diálogo quenasceu a nossa fé. Na grande maioria dos casos a Escritura tem uma visão positiva e vê neste modo deagir de Deus um momento em que Ele se faz sentir mais perto. Às vezes a tentação é sentida como umato de atenção por parte de Deus, como no caso de Judite: «Irmãos, além do mais, agradeçamos a Deus quenos tenta assim como já o fez com os nossos pais.» (Jdt. 8,25) ou do Salmista da qual sente falta: «Examina-me,Senhor e prova-me; sonda-me o coração e os pensamentos.» (Sal. 26,2) para conhecer a verdade sobe a salrelação com Deus.

 

Todo dia pedimos a Deus que Ele nos ajude a não “cair na tentação”, a não renunciar, a nãoexigir que o Senhor use os caminhos que nós desejamos, mas que sejamos sempre capazes de seguir osseus caminhos, mesmo que aparentemente “irracionais”.

 

Também aqui, no nosso texto, a tentação é associada diretamente ao Espírito, não é um“teste” do Pai para conhecer a fidelidade do Filho (Jesus não precisava disto e nem o Pai, seria absurdopensar o contrário). É o caminho do Espírito. E isto é tanto mais evidente se considerarmos que otrecho de hoje é colocado logo após o batismo de Jesus, quando Ele é declarado “Filho amado”. Ora,São Paulo vem em nossa ajuda dizendo-nos que: «Todos os que são guiados pelo Espírito são filhos» (Rm.8,14) o que, em outras palavras, significa que quem Deus reconhece como filho é movido pelo Espírito.Se o Batismo foi a declaração de Jesus como Filho, o ato com o qual Deus O reconhece é a tentação: olongo caminho do Espírito que continuamente e eternamente gera a comunhão.

 

Então, assim como aconteceu com Jesus, todo fiel que adere a Deus, recebe a mesmaproposta: ser conduzido pelo Espírito.

 

Ora, aonde conduz o Espírito de Deus? Por quais caminhos Ele gera comunhão com o Pai?Aqui o texto nos indica explicitamente quais caminhos Ele percorre.

 

O primeiro ensinamento que nos é sugerido, é que essa ação que conduz para um encontrosempre mais profundo com Deus, é acima de tudo o resultado da ação do Espírito Santo e é o primeiropasso para cada batizado. Lucas diz que Jesus está «Cheio do Espírito Santo»; o evangelista Mateus éainda mais incisivo: «Movido pelo Espírito Santo», seja como for é clara a convicção que em cada pessoao movimento que leva a amadurecer o encontro com Deus vem do Espírito e é imediatamenteconsequente ao Batismo e acontece no deserto. Ali na ausência de respostas claras e satisfatórias, oEspírito nos encaminha na sua mesma direção de Jesus, imprime em cada batizado «os sentimentos queforam em Cristo Jesus» (Fil. 2,9) Cada um de nós é questionado no mais intimo de si mesmo, naquelelugar onde está realmente sozinho, aonde parece que todas as certezas tenham evanescido, quando nãose têm ninguém a quem apresentar uma fachada... no deserto de sua alma.

 

O Espírito Santo revolve o nosso mais íntimo assim com o arado faz com a terra, para queaflore realmente todo o nosso ser, aquilo que está debaixo do que se vê! É uma ação penetrante queacontece onde ninguém teve coragem de colocar o dedo, naquele lugar que somente nós e a nossaconsciência sente. Paradoxalmente, bem ali, quando não temos mais nada a demonstrar a ninguém,somos livres. Sim, livres de fazer as escolhas mais autênticas de nossa vida. Quando o que realmentenos importa é o significado de nossa existência e nada mais. Não interessa mais o que faremos, o quepode acontecer, o que os outros vão pensar.... quando existem coisas maiores em jogo. È isto que oEspírito faz: conduz no deserto a fim de que nós nos conheçamos realmente, vejamos livremente onosso rosto como num espelho não distorcido. Isto às vezes dói, em muitos casos algumas pessoaschegam a este profundo momento de liberdade após lágrimas, erros, histórias conturbadas... para cadaum Deus tem um caminho. Então, como julgar as estradas que as pessoas percorrem? Seus tropeços,suas curvas tortuosas...? Para todos Deus garante que tocará o mais íntimo a fim de que cada um possadar sua resposta de liberdade.

 

O Espírito não camufla, não esconde, não ilude com sensações e emoções, Ele «conduz», isto é,passo a passo, pacientemente, faz encontrar o fiel consigo mesmo, com o mais profundo do seu “eu”onde pode convergir com todas as suas forças, amar-se assim com é e ser livre para doar-se. Estacaracterística do Espírito de Santidade é descrita por João Paulo II com estas palavras: «È exatamenteem relação a esta profundidade abissal do homem, da consciência humana, que se cumpre a missão doEspírito Santo» (Dom. Viv. 45).

 

O Espírito nos conduz, sozinhos, para que possamos ver somente a nós mesmos, sem desculpasou justificativas, quase que num “deserto” onde conflitam a divergência entre o nosso agir e o estilo deDeus agir. E ali encontramos o que Jesus encontrou: a fome, símbolo de tudo quanto nos faz conhecer anossa verdadeira natureza, que nos coloca no lugar que nos pertence, que é capaz de por fim a qualquerresistência e força... A “fome” nos diz que não somos deuses mas pessoas humanas. Encontramos gostodo poder, gosto maior do que o da riqueza, pois a riqueza é privilégio de alguns, o poder está nas mãosde todos; todos têm o seu poqueno-grande poder. O poder sempre nos diz quem somos,independentemente da dimensão que este tenha. Quando procuramos ou servimos o poder sabemos queestamos dando início ao culto do nosso “eu”.

 

No Evangelho Jesus aparece como aquele que permanecerá fiel a Deus sem alguma vantagempessoal, sem nenhuma ambição (pois esses são os elementos que dificultam a realização do projeto deSalvação). Jesus não usa o poder que de fato possui e que pode usar como e quando quiser... Ele age aocontrário da lógica humana, segundo a qual o princípio é fácil: se posso, porque não usar? Eis que serenova assim o conflito que está na base do drama do pecado original. Não há aqui como descrever oconteúdo das três tentações, basta apenas dizer que são os pontos comuns a todas as circunstâncias danossa vida em que somos chamados,com no dia do Batismo, a manifestar a nossa posição diante deDeus e do Seu projeto. Uma única certeza nos é dada pelo Evangelista: sempre quem aparece comoderrotado é o demônio; ele é absolutamente impotente quando o homem responde não com suas armas,mas com a força da Palavra que Deus dá.

 

Pe. Carlo Battistoni

centrobiblicord@yahoo.com.br


Postado em: 15/02/2013 as 16:13:04





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil