Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 III DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011



   

«Tendo Jesus ouvido falar que João tinha sido preso, retirou-se para a Galiléia. Deixando Nazaré, foi morar em Cafarnaum, à beira do lago, nos territórios de Zabulon e Neftali. Fez isto para que se cumprisse o que havia sido dito pelo profeta Isaías: Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do Mar, região da Transjordânia, Galiléia das Nações! O povo que jazia nas trevas viu uma grande luz; ela surgiu para os que jaziam na sombria mansão da morte. Desde então começou Jesus a proclamar: “Convertei-vos, porque o reino dos céus já está perto”. Caminhando ao longo do lago da Galiléia, ele viu dois irmãos: Simão, a quem chamam de Pedro, e André, seu irmão, que lançavam a rede às águas, pois eram pescadores. Disse-lhes então: “Segui-me, e farei de vós pescadores de homens”. E eles, largando as redes, o seguiram imediatamente. Mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão. Estavam na barca com o pai Zebedeu e aprontavam as redes. Ele os chamou. Abandonando a barca e o pai, o seguiram imediatamente. Jesus circulava por toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, proclamando a Boa Nova do Reino, e curando toda espécie de doença e enfermidade que havia no povo». (Mt. 4,12-23)

 

 

As leituras do domingo passado nos ajudaram a refletir sobre a identidade de Jesus, sua missão como servo-cordeiro que, aderindo a Deus sem condições se faz conhecer como “filho”. Ele, o Filho, faz de sua vida um serviço a Deus e ao homem tirando e destruindo, em sua raiz, a condição de egoísmo que afeta o homem e que produz divisão, solidão, tristeza. Ele é o servo-cordeiro que tira o pecado, como lembramos a cada Eucaristia que celebramos com a comunidade que se reúne em torno de Jesus. 

 

 

Em Jesus a força do amor estava presente no mundo. A única força capaz de projetar o homem além de seus interesses particulares estava ali, pronta a se evidenciar em todos os seus aspectos quotidianos, no meio das vicissitudes humanas, das suas contradições ou anseios de felicidade. O Evangelho de hoje nos faz presenciar os primórdios da irrupção da força do amor, que modificará substancialmente o mundo dos homens. Pousando a atenção sobre alguns elementos, deixemos que Espírito nos conduza, para sentir os sentimentos de Jesus e transformar estes sentimentos em vida.

 

O trecho do Evangelho começa: «Tendo Jesus ouvido falar que João tinha sido preso, retirou-se para a Galiléia». A prisão de João dava início a uma nova fase da vida de Jesus. Até então Jesus participava do movimento de João Batista, o qual visava preparar um terreno favorável, um “povo bem disposto” para o Senhor. Jesus mergulhou completamente com aquele povo, se fez batizar junto com eles, indicando assim sua plena participação à história daqueles “pobres de espírito” que haviam decidido purificar seu coração para acolher a proposta de Deus. Naquele tempo existiam comunidades e grupos religiosos com rígidos programas de ética, moral, estudo, orações, enfim, um itinerário bem claro para agradar a Deus e sentirem-se perto Dele; mas Jesus não escolheu nenhum destes movimentos ou grupos, para eles tudo estava bem claro e, justamente isto era o problema deles. Jesus, ao contrário escolheu estar junto com aquele grupo de pessoas que perguntavam: «O que devemos fazer?». Sim, esta é a posição correta diante de Deus e do caminho que Ele propõe. Ouvir e perguntar-se continuamente; saber colocar si mesmo sempre em discussão tendo como ponto de referência não apenas o nosso modo de ver as coisas, mas a pessoa de Jesus. Como ele mesmo dirá aos filhos de Zebedeu: «Sigam-me»; ou melhor, é como se dissesse: “sigam... a Mim, não outras coisas, idéias, fantasias, raciocínios... Sigam a Mim, como Eu sigo o Pai e estou sempre disposto a escutar”. Seguir idéias é fácil, bem menos é seguir uma pessoa, mas é aqui que o amor é posto continuamente diante de si, é aqui que se descobre se ele existe e quanto profundamente existe. Jesus, vimos nestes domingos passados, interpreta a sua vida como o servo-cordeiro, que escuta porque vive como Filho. É por isso que Jesus escolheu seguir a comunidade do Batista e nenhuma outra, formada por pessoas que já possuíam um programa de vida bem definido.

 

De repente algo mudou as perspectivas dos que seguiam o Batista, sua a prisão punha fim a muitas expectativas. Embora saibamos que o movimento iniciado por João Batista continuou firmemente por muitos anos (At.19,1-4), todavia a condição de prisão e a morte do Batista impuseram perspectivas bem diferentes. A motivação imediata, pela qual Jesus se “retirou na Galiléia” foi conseqüência da modificação destas expectativas. O Batista estava preso, as coisas não teriam continuado do jeito esperado, quase vislumbrado, parecia que a esperança de Israel num novo Profeta estava encerrada.

 

Quais dramas, quais perguntas devem ter penetrado o coração de Jesus! Sem mais nem menos, também Ele sentiu “em sua pele” o modo tão estranho com o qual Deus às vezes age. Sem mais nem menos, sem pedir licença nem dar motivações, (como diz o ditado) Deus “fecha uma porta”... “para abrir outra”. Jesus, que interpretava a si mesmo como o “servo”, como aquele que “ouve” (conforme a acepção de “servo” como a entende Isaías), intuiu, leu por detrás do fato concreto da prisão de João, uma indicação do Pai, um ato ligado a toda a história da salvação, da qual Ele seria o fulcro. O fato de que o Evangelista Mateus associou a decisão de Jesus ao trecho de Isaias 8,23ss., nos dá um fundamento para crer que foi justamente este o sentimento que Jesus sentiu: a percepção de que aquele fato estava ligado com toda uma história preparada há séculos. Deus não improvisa, apenas prepara com discrição. Já este primeiro fato, creio, possa nos ajudar muito a configurar a nossa vida à de Jesus, pois nós também freqüentemente nos encontramos diante de situações absolutamente imprevistas que mudam de fato o decorrer das coisas. Quando isto acontece temos sempre duas opções: continuar teimando em realizar o que nos achamos que deva ser realizado e do jeito que nos achamos que tenha que acontecer, ou perguntar-nos se isto de fato seja uma indicação de Deus para que sigamos concretamente sua palavra que nos conduzirá para novas praias. Jesus, o servo que ouve, Maria a mulher que “guardava” os eventos em seu coração, ambos haviam aprendido a enxergar além daquilo que dá para ver e, nisto, a entrar em contato com a ação de Deus e a Sua presença na história dos homens.  Para que sejamos capazes de intuir (que em latim significa “ir por dentro”) a realidade, é preciso saber colocar-se em sintonia com Deus. Isto não se improvisa, não cai do alto; se constrói lentamente em pequenos passos, assim como se constrói uma vida de amor entre duas pessoas.

 

Compreende-se que uma atitude desta somente se dá como resultado de um longo processo no qual o eixo é progressivamente deslocado do próprio “eu” para um outro “Alguém”. Sem isto, nada é possível para o homem, nem a liberdade, nem a felicidade propostas por Jesus as quais, na linguagem da época, eram ligadas à expressão “Reino de Deus”: Deus é o centro, por isso que o homem é feliz. Logo, não poderíamos esperar outro apaixonado apelo de Jesus: «convertei-vos», “saiam de si mesmos e Deus fará de vocês pessoas realizadas, felizes”. Reino e conversão, isto é: oferta de Deus e resposta generosa do homem, foram o centro de Sua pregação. Somente nesta dúplice dimensão de diálogo se dá o homem novo, livre do pecado e de seus resultados carregados de dor e sofrimento inúteis. Sim, porque há um sofrimento que salva e um que é inútil...

 

A proposta de Jesus não é um mero idealismo desencarnado; o chamado dos primeiros apóstolos nos mergulha na pratica da dinâmica oferta-resposta que liberta o homem O chamado e a resposta são a visibilização deste processo de diálogo que salva, pois nada acontece apenas em nível de idéias ou sentimentalismos desencarnados.

 

O bom senso comum levaria Jesus a chamar inicialmente as pessoas com as quais havia começado um caminho no grupo do Batista, mas não, Jesus partiu por um caminho novo, bem no estilo do Pai. De fato, a Escritura está repleta de pessoas que, sem o esperar e sem preparo algum, são de repente envolvidas na história da salvação. O caminho de Jesus não é mais caracterizado como um caminho de purificação à maneira da proposta de João. O caminho de Jesus parte com um apelo, subitâneo, imediato, ao qual somente uma resposta generosa e incondicional -que não se concede tempo para pensar e avaliar- pode dar seqüência. È um caminho feito de respostas carregadas de amor, o que é próprio de quem escuta porque confia no amor do outro. Não é o caminho de quem decide para si e já “sabe o que deve fazer”. «Venham». Parece que Ele diga: “Não tenham medo de romper os vossos limites, o vosso pequeno mundo feito de justas e santas preocupações, mas que não consegue valorizar tudo quanto está dentro de vós. Eu posso”, «Eu farei de vocês pescadores de homens».

 

De fato, muitas vezes o medo de enfrentar situações novas que Deus nos propõe se dá porque olhamos mais para os nossos limites do que para a capacidade que Deus tem de levar à cumprimento o que nos propõe. «Eu farei de vocês», o trabalho é de Deus. Ele sabe o que nós somos, sabe o que não somos e o que “não somos ainda”. Deus nos vê em perspectiva, enquanto nós nos olhamos no momentâneo de nossa experiência a qual, embora real e válida, é limitada. Deus vê em nós o que nós não vemos. Através do tempo no-lo revela e nos dá as condições para encarnar em nossa vida uma fisionomia nova, livre. Como não lembrar a resposta de Jesus a Pedro, que ficou escandalizado de que o Mestre lhe lavasse os pés: «Seu eu não lavar...»?

 

Responder com generosidade a Deus é o primeiro ato com o qual se rompe o poder amarradoir do pecado o qual, revestindo-se de falsa segurança, nos detêm nas malhas do egoísmo. Pedro e os outros encontraram nesta generosidade um ponto de união com Jesus. Não foram belas palavras nem satisfações emocionais que os uniam, mas sim o único desejo de servir a Deus como Ele quer ser servido. Este denominador comum entre Jesus e os seus, fez deles Apóstolos ou seja pessoas que, com todas as suas dificuldades, incoerências e problemas pessoais romperam, o poder do egoísmo uma vez que o seu amor e a sua generosidade foram mais fortes.

 

Tenhamos em nós confiança e força de amar! Se ficarmos presos ao nosso “peixinho” muitos homens terão bem mais dificuldade em se encontrar com Quem pode dar-lhes paz e felicidade da qual tanto precisam. Fiquem tranqüilos, Deus, depois, saberá cuidar de nós e daquilo que para nós é importante, dará a cada um o “peixinho” de que precisa. 

 

Pe. Carlo


Postado em: 19/01/2011 as 16:50:37





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil