Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 III Domingo de Quaresma


03 de março de 2013



   

«Nessa mesma ocasião algumas pessoas vieram lhe trazer a notícia dos galileus, cujo sangue Pilatos tinha misturado com o dos seus sacrifícios. Ele lhes disse em resposta: “Julgais que esses galileus eram mais pecadores que todos os outros galileus porque incorreram em tal sorte? Eu vos garanto que não. Mas, se não vos converterdes, morrereis todos do mesmo modo. Ou então pensais que aquelas dezoito pessoas que morreram no desabamento d atorre de Siloé eram mais culpadas do que todos os outros habitantes de Jerusalém? Eu vos garanto que não. Mas senão vos converterdes, morrereis todos do mesmo modo”. E contou também esta parábola: “Um homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi buscar os frutos e não os encontrou. Disse então ao viticultor: ‘Já faz três anos que venho buscar frutos nesta figueira e não encontro nada! Vai cortá-la! Para que ocupar o terreno inutilmente?’ Mas o outro respondeu: ‘Senhor, deixa-a também por este ano. Enquanto isso, eu vou cavar em sua volta e colocar adubo. Talvez ela dê fruto depois... Do contrário, a cortarás’» (Lc. 13,1-9)

 

 


 

Ao longo do nosso caminho de batizados, especialmente nos momentos fortes como a Quaresma, a liturgia volta a propor à nossa reflexão alguns aspectos da conversão, que é chamada também de “penitência” já que a origem da palavra é a mesma quanto à etimologia e quanto ao conceito. Também o centro do nosso Evangelho de hoje está no pedido cordial de Jesus de acolher com simplicidade e de alegrar-se toda vez que Deus nos dá a possibilidade de converter a nossa vida, o modo de considerar a nossa existência. A narração do episódio de hoje traz origem de algum fato de crônica que deve ter abalado a opinião pública naqueles dias em que Jesus estava falando. Como era costume do Senhor, Ele não ensinava à partir de princípios, mas a partir de experiências que os seus discípulos continuamente faziam permanecendo ao lado do seu Senhor. Também aqui, Jesus tenta ler através dos eventos o significado que eles carregam. Sim, é bem essa a visão cristã da vida, pois a nossa existência não se resume apenas num concatenação de ação-reação ou de fatos circunstanciais; atrás de cada situação, direta ou indiretamente, como causa prima ou segunda, de algum modo Deus se faz conhecer, se faz presente. Ora, a capacidade de ir além daquilo que o olhar percebe é que faz do batizado um discípulo de Jesus, pois era assim que Ele agia, entrevendo um significado, um sentido naquilo que aparentemente nem sempre tem sentido, como a morte “injustificada”, acidental, que subitamente precipita sobre uma família. Ao contrário da cultura em que Jesus vivia, quando as pessoas religiosas se procuravam de encontrar uma “culpa” para tudo o que acontecia (tentação essa que ainda nos atormenta o coração e que não ajuda minimamente a viver um drama) para Jesus era claro que não existe ligação alguma entre eventos desastrosos e castigos de Deus. Sem dúvida, essa era a mentalidade comum no Antigo Testamento, mas não coincidia minimamente com o pensamento de Jesus expresso em vários lugares do Evangelho. O desabamento da torre foi atribuído a um castigo de Deus pois, caso contrário, como se explicaria que apenas alguns sofreram e outros não? Certamente deviam ter feito alguma coisa errada ou que tivessem ofendido a Deus...! O mesmo podia se dizer com as violências absurdas contadas também nos escritos do historiador Josefo Flávio que contou os massacres realizados por Pilatos (provavelmente se trata de um episódio ocorrido durante a peregrinação dos judeus a Jerusalém enquanto estavam subindo a colina sobre a qual está a Cidade, para fazer os sacrifícios da festa).

 

Mas essa maneira de ver as coisas gera uma terrível distorção da nossa idéia sobre Deus. Uma distorção que frequentemente gera afastamento, raiva, sensação de ter sido vítima de um plano esmagador que não se importa com as perdas contanto que se chegue ao objetivo final... Não não é esse o Deus de Jesus. Uma leitura do Salmo 36,3revela um nosso modo de agir que não faz crescer na fé; ele diz assim: «o impio ilude a si mesmo procurando a sua culpa e odiando-a»; ou seja, é uma pessoa que não está na posição correta diante de Deus (ímpio) que se ilude (que penas que o problema seresolva) procurando uma culpa e descarregando sobre ela as raivas acumuladas. Não é assim que Jesus agia. Ele procurava com os discípulos descobrir se por detrás de um evento houvesse o «dedo» de Deus; entendendo-se por “dedo” o que a Escritura entendia:a mesma mão que fez o universo e que “escreveu a Lei”.

 

Seja o que for, o que Jesus indica aos discípulos que a surpresa diante da qual se encontrará quem não está disposto à “conversão” será maior e mais devastadora do que os fatos relatados. Mas porque isso? Obviamente Jesus não está ameaçando ninguém,está apenas dizendo o que sentirá um coração que nunca foi disposto a aceitar coisas diferentes daquelas das quais está convencido quando verá que Deus age de modo diferente. Uma pessoa incapaz de entrar na mentalidade da penitência, da conversão,ficará estarrecida diante do modo imprevisto e absolutamente livre com o qual Deus pronunciará o Seu julgamento sobre o homem a a sua história. Um julgamento que, nas pessoas que sempre foram dispostas a se abrirem será visto com harmonia, sem impacto,sem escândalo, pois ele sempre ficou “aberto” a o que é diferente ( e Deus é “diferente”por excelência, “totalmente outro”, como diziam alguns). Por outro lado, a pessoa incapaz durante a sua vida de se abrir, de se converter à possibilidade de outro modo de ver e de agir fará dentro de si uma experiência tão destruidora como a torre e o massacre de Pilatos. Essa situação totalmente nova, inesperada, poderá também conduzir a pessoa indisposta a escolher a “morte” da alma invés que a vida. Esse é o drama ligado à penitência e à conversão do coração.

 

Ora, pode caber um questionamento legitimo: a penitência será ainda uma proposta aceitável para o mundo contemporâneo? È possível ainda indicar a penitência como valor sem deixar nela um “cheiro de mofo”? Que sentido tem falar de penitência quando tudo quanto escolhemos deve possuir um cunho de liberdade para não ser tachado de “repressivo” e “obscurantista”?

 

Entende-se perfeitamente o mal-estar de muitos diante da palavra “penitência” e,consequentemente percebe-se uma recusa instintiva. Ao máximo, se tolera a penitência como uma opção de algumas pessoas que, afinal de contas, estão fora do contexto da vida comum...

 

Creio que, uma vez colocados corretamente os termos da questão, a dimensão da penitência se transformará em nós em fonte de vida e dinâmica sempre pronta à novidade, capaz de manter-nos vivos no espírito e na psique. A atitude da penitência corresponde melhor do qualquer outra coisa à raiz essencial da pessoa humana, sim,porque o homem é por si mesmo projetado além de si mesmo, sempre busca mais do que sabe, tem... Ora, a palavra penitência não significa submissão, repressão, mas sim “projeção além do próprio modo de ver” (meta nouV = além da mente, além do modo de entender). A conversão ou penitência é então o impulso que move a pessoa bem disposta a ir além de si mesma, embora sabendo que isso custa. Infelizmente na maioria dos casos foi dado peso preponderante apenas à última dimensão, o “custo” esquecendo o motivo e a dinâmica do inteiro processo de vida!

 

Apenas tal atitude de conversão constante é capaz de dar ao homem a realização que tanto espera; o contrario é uma “morte” lenta e inexorável.

 

Sem dúvida a capacidade de converter-se é a proposta que mais freqüentemente se encontra nas narrações evangélicas; é uma proposta expressa tanto diretamente pelas palavras de Jesus, quanto indiretamente pelo desafio de seus gestos.

 

Todavia, se era tão importante para Jesus, se era tão necessária para a Igreja primitiva, se a liturgia durante séculos não cansou de propor a penitência, creio que uma  atitude honesta seja pelo menos aquela de questionar o valor de uma cultura contemporânea que foge com horror as dificuldades, as renúncias, as contrariedades, o imprevisto...deve, pelo menos, questionar-nos; assim como o faz cada pessoa que não queira vender-se às modas e opiniões comuns. Talvez seja possível recuperar o seu valor livrando a verdadeira penitência do peso de associações psicológicas justificadas sim,mas hoje inoportunas que, em todo caso, transformam-se em preconceitos.

 

Em primeiro lugar, “penitência” não tem a ver com “penitências”, ou seja, atos que impomos a nos mesmos para, de alguma forma “sujeitar” o nosso mundo interior a uma disciplina, a uma ética comportamental, quase uma forma de controle dos instintos,pulsões etc. Esse é um dos temas da Encíclica de Paulo VI sobre a Penitência. È verdade que em muitos momentos da história religiosa tanto cristã quanto de outras religiões e crenças a sujeição dos instintos foi considerada uma atitude agradável a Deus ou aos deuses. Era tida também como uma maneira de sobrelevar-se ao resto da humanidade que vive à mercê de instintos. Para tanto, se recorria a formas sempre mais sofisticadas que iam desde uma simples negação de algum desejo até violências corporais. A origem disso, provavelmente, é ainda de se encontrar numa visão negativa do corpo humano, da vida que está nele, dos valore naturais que o homem tem... Considerações, estas, que nascem ou de uma filosofia de tipo platônico ou em circunstâncias históricas geralmente muito agressivas, desumanas, nas quais não se tem esperança (massacres, epidemias,peste, enfim tudo quanto mostra a precariedade e contingência da vida humana). Todavia,não parece ser esta a visão do Evangelho e, creio, seja injusto aplicar ao Evangelho algo que não diz.

 

De imediato percebemos que os escritos neo testamentários associam “jejum” e“ penitência”, mas não os identificam. Jejum indica a atitude de sentir a necessidade, fazer experiência do que sentem as pessoas que “precisam” de algo essencial para sua vida. É uma experiência importante para abrir o sentimento e compreender os necessitados,afinal como podemos dizer de partilhar a vida de alguém sem nunca ter sentido, ao menos analogamente se não diretamente, aquilo que o outro sente? Jejum, logo, é associado com algo de material. Não é assim pela penitência. No Antigo Testamento apalavra penitência indicava “atos” simbólicos de conformidade à Lei de Jahvé; daqui nasce a expressão “fazer” penitência. Não é assim no Novo Testamento onde a palavra indica uma “disposição da mente” que é capaz de mudar de opinião e, justamente por isto, torna o homem capaz de se renovar e renovar o mundo ao seu redor. João Batista,por exemplo, exorta a produzir os “frutos da penitência”, colocando o acento não tanto naquilo que se faz, mas numa certa atitude, a qual “produz frutos” nascidos da penitência.Não há em tudo isto vestígio algum de negativismo ou abafamento de algum valor da dimensão humana. Pelo contrário, creio (como disse pouco acima) que a capacidade de “mudar de ponto de vista”, indique no homem a sua dignidade, algo que o distingue essencialmente do resto da criação: a capacidade de deixar-se questionar por algo que vem de fora dele. Sua capacidade de escutar algo que vem fora de seu mundo particular onde, se seguirmos o que pensava Cartesius, fica complicado distinguir o que é resultado do meu pensamento e o que existe por si próprio.

 

Somente quando uma pessoa se deixa questionar pressupõe implicitamente que possa existir outra realidade, outro ponto de vista, um aspecto até então impensado. È um homem livre da escravidão do próprio limite imposto pelas condições naturais em que vive. Ora, quando Jesus propõe a realidade de Reino, a oferta de seguir a sua promessa,exerce no homem a sua maior dignidade, evoca a possibilidade de responder e ser,assim, mais homem, imagem mais adequada de seu Criador.

 

Livre é o homem disposto a ouvir. Este não precisa se agarrar em suas convicções tentando encontrar nelas a força que não tem; não precisa demonstrar nada a ninguém,reconhece o valor de sua existência por si própria.

 

A penitência, esta capacidade de responder a propostas que são novas e, porque novas, desinstalam das próprias posições, é vida. A penitência, que obviamente incomoda e pode fazer sofrer (pois é sempre mais fácil seguir o que nos propomos do que aquilo que outro nos diz) é vida, porque devolve a capacidade da aceitar os outros e o Deus verdadeiro. A penitência responde à essência mais profunda do homem, único ser capazde auto-transcender a si mesmo, sempre, movido só por um insaciável desejo de algo queseja infinito. A penitência, enquanto realiza a pessoa humana a partir da parte mais profunda de si mesma, contemporaneamente instaura relações mais humanas, justas,capazes de acolher, não julgar; relações que, afinal de contas, considera verdadeiramente o outro como um “valor-para-mim”. A penitência realiza o desejo de Jesus, que vivamos como irmãos que se escutam reciprocamente, que não morram no seu mundo interior,que se abram ao Infinito que é Relação, que é Amor.

 

Deus te abençoe.

 

Pe. Carlo


Postado em: 01/03/2013 as 09:46:07





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil