Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 IX Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013



   

«Tendo Jesus concluído todas as suas palavras dirigidas ao povo, entrou em Cafarnaum. E o servo de um centurião, a quem este muito estimava, estava doente, quase à morte. Tendo ouvido falar a respeito de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos dos judeus, pedindo-lhe que viesse curar o seu servo. Estes, chegando-se a Jesus, com instância lhe suplicaram, dizendo: “Ele é digno de que lhe faças isto; porque é amigo do nosso povo, e ele mesmo nos edificou a sinagoga”. Então, Jesus foi com eles. E, já perto da casa, o centurião enviou-lhe amigos para lhe dizer: “Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres em minha casa. Por isso, eu mesmo não me julguei digno de ir ter contigo; porém manda com uma palavra, e o meu rapaz será curado. Porque também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados às minhas ordens, e digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto, e ele o faz.”. Ouvidas estas palavras, admirou-se Jesus dele e, voltando-se para o povo que o acompanhava, disse: “Eu vos digo que nem mesmo em Israel achei fé como esta.” E, voltando para casa os que foram enviados, encontraram o servo curado.» (Lc. 7,1-10).

 


 

 

A leitura que acabamos de fazer nos reconduz à atividade de Jesus narrada alguns versículos anteriormente e se apresenta como uma exaltação da força da palavra que Jesus havia apenas pronunciado aos seus discípulos diante de um número indeterminado de pessoas que se sentiam envolvidas na proposta alternativa de Jesus. Poucos versículos acima Jesus é apresentado declarando a força das “bem-aventuranças”, do “amor aos inimigos”, da firmeza de uma vida “construída” sobre a palavra de Deus. Mas é aqui, com o episódio do Centurião que podemos alcançar a convicção do Evangelista quanto à força da Palavra que Jesus pronuncia.

 

O episódio aconteceu em Cafarnaum, uma cidade de fronteira no reino de Erodes Antipas, na Galileia à beira do Lago de Genesaré. Sabemos que Lucas, que escreveu o nosso trecho, foi companheiro assíduo de Paulo durante toda a sua missão; esteve ao seu lado acompanhando todo o caminho durante o qual os pagãos se abriram à fé em Jesus; viu a disposição de inúmeras pessoas (como diríamos nós) “de bom coração” mas quer não conheciam Jesus. Eis, então, que o episódio do Centurião tornou-se para o nosso Evangelista, um protótipo da expansão do Evangelho, da recepção da Palavra e dos resultados que ela produz. São esses três elementos que dominam a narração do fato; o milagre é absolutamente secundário e serve apenas como termo de encerramento de um discurso mais profundo que transparece da narração sobre a qual procuraremos nos debruçar.  

 

Tudo nasce de uma consideração: existe um homem doente, tão doente que pode chegar a morrer se a Palavra de Deus não conseguir alcançá-lo; é o homem à mercê de si mesmo, é o homem diante do mal e do sofrimento, realidades essas que o colocam diante de si mesmo, diante do seu limite intransponível. Por quanto se procure respostas, remédios, explicações, por quanto se procure fugir do sofrimento, ele sempre reaparece com toda a sua carga de questionamentos que nos desvestem de todas as certezas acumuladas, de todos os ídolos construidos (fama, beleza, prestígio...) para que possamos ver a verdade sobre nós mesmos. Ora, diante da experiência da própria limitação ou da impotência perante o sofrimento de outros, existem inúmeras possibilidades de reação que são geradas na nossa alma, prostração, autocomiseração, raiva, docilidade, esperança, passividade... enfim, um leque de sentimentos entre os quais precisamos escolher, pois será a nossa escolha que determinará o significado ou o não-significado do sofrimento. No nosso caso o servo não tem a possibilidade de ser conduzido até Jesus, como foi feito em outras circunstâncias. Ele pode apenas eperar que aconteça alguma coisa.

 

Logo em seguida nos é apresentada a figura do Centurião. Provavelmente se tratava de um homem influente além de ser um militar de grau elevado; devia estar por dentro da vida civil da Cidade que lhe tinha sido entregue para o presídio. É bem possível que não fosse Romano, mas sim Sírio, pois na Galileia não havia destacamentos de soldados Romanos mas sim do “Exército Romano” que se compunha também de soldados de outros Países.  Era um homem que não conhecia Jesus e que, como veremos, nunca O conhecerá! Para Lucas ele é a imagem do cristão que começa a sua caminhada logo em seguida da primeira geração formada por aqueles que conheceram Jesus pessoalmente. É o protótipo de todos nós, que não conhecemos Jesus mas que, mesmo assim, sentimos e vemos os resultados da Sua ação que salva, cura, entende os sentimentos de qualquer homem.

 

O Centurião, mesmo não tendo feito alguma experiência direta sobre Jesus, «ouviu falar» Dele; é assim que nasce o primeiro momento da fé a qual pode brotar com toda a sua força e beleza até de uma situação por si própria negativa, assim como é o sofrimento. O Militar, homem sempre acostumado a ver, calcular, considerar em todos os detalhes os próprios gestos (pois um erro em combate seria a catástrofe para si e para os próprios soldados) dessa vez renunciava ao próprio modo de ver, julgar, decidir. Renunciava àquilo que foi o modo comum de enfrentar a vida e as dificuldades. Ele renunciava à própria maneira de ver, e isso, na Escritura, se chama “conversão”, que é a superação do próprio modo de considerar, avaliar etc. É um puro ato de liberdade na entrega.

 

A palavra que o Centurião havia escutado sobre Jesus, o tênue conhecimento do Senhor mediado por alguns «anciãos», fez dele um “mediador” para a salvação de um servo.  Parece ver aqui realizado quanto um dia Jesus disse à Samaritana: «esta água se tornará nele fonte de água viva» (Jo 4,14). É a continuação do lógica de Abrão o qual, pela sua adesão a Deus, tornou-se «fonte de bênção» para todas as nações . Como não ver aqui a declaração da nossa estrita relação com o bem da humanidade inteira? O cristão não é apenas alguém que segue a Jesus para “se salvar” (como pregam algumas ideologias teológicas) mas é alguém que é transformado por Jesus em instrumento de salvação para os que não podem sequer ser conduzidos a Ele. O Centurião, com a sua adesão sem conhecer do modo como estava acostumado a conhecer, tornou-se mediador de salvação, de vida, de grato louvor; isso apenas porque soube fazer a escolha certa entre inúmeras outras. Diante do mal que aflige, não ficou inerte, respondeu com um ato de confiança em alguém que não conhecia pessoalmente. O mal conduz o homem até o seu limite, lhe faz experimentar a sua impotência; ora, é preciso saber reconhecer a própria impotência para dar o primeiro passo em direção a Jesus, e isso não se dá apenas uma vez na nossa vida, se dá e se repete a cada passo dado, aliás, quanto mais Deus se faz perto de nós, tanto mais o Espírito Santo nos revela a nossa inadequação, para que possamos manter sempre viva a atitude de recorrer a Jesus. Caso contrário a autossuficiência, até religiosa, pode contaminar o brilho da fé. 

 

Um outro elemento de destaque na figura do Centurião é sem dúvida a sua atitude humilde. Embora sendo uma autoridade, ele não se apresenta como autoridade, tampouco ostenta a sua condição; são os anciãos que reconhecem e apresentam a Jesus a dignidade do Centurião: «ele é digno...». Sim, porque há uma profunda diferença entre autoridade e poder; a autoridade é uma qualidade moral antes que jurídica e é reconhecida pelos outros, ao contrário do poder que é de origem jurídica e pode ser tomado, dado, imposto, assumido... Em todo caso uma verdadeira “autoridade” nunca apresenta a si mesma como “autoridade”; é bem esse o dinamismo que podemos ver na relação entre os “anciãos” e o Centurião. A pessoa que possui “autoridade” sabe qual é a própria posição independentemente do contexto e do espaço em que a exerce; «eu também tenho subalternos...». Quando alguém transforma a autoridade em poder, para ele qualquer espaço, por menor que seja, é administrado com despotismo, como se fosse absoluto. Quem usa do poder não leva em consideração a própria posição que, em todo caso, também é subalterna. Como é fácil confundir uma coisa com outra! Mas esse sentimento não estava presente no coração do Centurião. Na linguagem da Escritura, o fato de saber colocar-se no próprio lugar em relação a Deus e aos outros é chamado “temor” (o que não tem nada a ver com o “medo”; ao contrário); é o respeitoso modo de colocar-se diante de Deus e do outro com aquela humildade que Santa Teresa de Ávila definia “verdade”. O temor de Deus é uma atitude essencial para poder “conhecer” o Senhor, assim como é mencionado em várias partes da Escritura com palavras análogas a estas: «O temor do Senhor é o princípio da sabedoria» (Sal. 111,10). Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu com o Centurião, aquele que não conheceu o Senhor pessoalmente se encontrou com Ele, viu a Sua ação, entendeu a “Senhoria” de Jesus sobre o mal e a morte... Isso aconteceu apenas porque ele se colocou na condição certa, a única que permite um autêntico conhecimento de Jesus, o Centurião “sabia” quem era Jesus! E Jesus viu “quem era ele” a ponto de reconhecer naquele pagão uma fé maior do que a fé que via em Israel.

 

A tradição litúrgica nos recorda a cada celebração Eucarística que é preciso ter a atitude humilde do Centurião, e o faz quando nos convida a repetir: «Senhor eu não sou digno de que entres na minha casa», isso porque o encontro com Jesus é sempre um dom gratuito, não é o resultado de uma busca humana alcançada com meios humanos. Ao homem cabe colocar-se na atitude certa e, quando isso acontecer, então será o próprio Senhor a «encaminhar-se» em direção a quem Dele precisa. A narração vê no fato de Jesus ir ao encontro do Centurião junto com os “anciãos” a figura da Igreja que caminha com Jesus ao encontro de qualquer homem de boa disposição que se entrega confiantemente a Deus. Os “anciãos” que foram mediadores entre Jesus e o Centurião, agora conduziam o próprio Jesus em pessoa ao Militar. 

 

Ao longo do caminho Jesus foi alcançado pelos emissários do Centurião, ele mesmo não saiu da sua casa, evidentemente a condição do servo era tão grave que o Centurião não queria deixá-lo privo da sua presença; a relação entre os dois fica bem claramente expressa pelo fato de que o Evangelista no versículo 7 não usa a palavra “servo” (douloV) mas sim “filho” (paiV) [1]. Um breve comunicado revela a Jesus toda a profundeza da fé à qual tinha chegado o Centurião, uma fé que se embasava sobre a eficácia da Palavra.  A Palavra de Jesus tem a força de um “comando” sobre a vida e a morte, sobre aquilo que ninguém pode administrar porque está acima de qualquer homem. Não é necessário nada mais do que isso, porque o Centurião sabe perfeitamente que se se obedece as coisas se realizam «se digo a um “vai” ele vai», ele sabe que a obediência é fundamental quando se confia em alguém. Um Centurião dava a sua vida para os próprios soldados, assim como eles estavam dispostos a fazer o mesmo; este era um princípio fundamental da educação do exercito romano. A obediência à autoridade é bem diferente da obediência o poder. Essa última desconsidera o subalterno, se impõe, não vê sentimentos nem considera as circunstâncias, simplesmente “manda”. A obediência a uma autoridade é um ato de confiança feito com humildade e certeza de que a “autoridade” é “autora” de um projeto maior; ora, a obediência à autoridade se conquista não se impõe; é um ato livre, é um ato de confiança: é fé! É a fé que Jesus tinha no Pai e que suscita em nós com a sua disposição a entrar sempre na nossa casa.

 



[1]           Por questões de entendimento do texto, geralmente as nossas traduções mantêm a palavra “servo.


Postado em: 31/05/2013 as 08:26:08





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil