Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 X Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013



   

«Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!”. Aproximou-se, tocou o féretro, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!”. O que estava morto ficou ereto e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós Deus veio visitar o seu povo”. E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira, e por toda a redondeza.» (Lc. 7,11-17)

 


 

Naim, uma pequena cidade a 10 km de Nazaré à encosta do monte Moré não era na época de Jesus uma meta para um viandante. Só casualmente ou por motivos de força maior um viajante desviaria do seu caminho para entrar naquela pequena aldeia, cujo nome significa “graciosa”. Parece difícil pensar que Jesus tivesse como meta a aldeia de Naim, tratava-se, provavelmente de um desvio ocasional de caminho. Mas aquilo que poderia ter sido simplesmente um fato fortuito acabou transformando-se num dos principais gestos reveladores que Lucas colocou logo no início do ministério de Jesus, antes da viagem rumo a Jerusalém. Nota-se imediatamente que o Evangelista não escreve: “Jesus”, mas sim: «o Senhor». Isto não é uma acaso, em seu Evangelho, pela primeira vez Lucas deixa de referir-se a Jesus com o seu nome próprio e o substitui com a expressão «o Senhor». Esta expressão tinha sido usada em outras partes do Evangelho, mas sempre referida ao Deus do Antigo Testamento, nunca em sentido próprio como se fosse o nome de uma pessoa, o que vemos aqui.

 

Sabemos que a comunidade cristã primitiva dava um grandíssimo relevo à palavra “Senhor”; esta era usada no mundo greco-romano somente para indicar o vencedor de uma campanha militar ou, em última instância para indicar o Imperador. Entende-se então o valor, de forte pregnância alternativa e desafiadora, ínsito no fato de que os primeiros cristãos começaram a chamar “Senhor” o Cristo Ressuscitado. Assim fazendo eles confessavam que Jesus de Nazaré era o verdadeiro “Senhor”, em oposição aos falsos “senhores” do mundo que se impõem com os mais variados instrumentos de poder. Jesus, vencedor definitivo da “guerra” entre o mundo da morte e o mundo da vida; Senhor do conflito que é dolorosamente sentido em todos os níveis da existência humana... É isto que iremos encontrar no texto de hoje.

 

O trecho sobre o qual estamos refletindo se apresenta mais como uma confissão de fé, do que como a simples narração de um episódio; visa manifestar o que Jesus é para o homem e para o mundo. Esta será a nossa chave de leitura, pois, de outra forma, a interpretação não passaria de um episódio que esgota seu significado atribuindo a Jesus um poder de curas e milagres... e nada mais. Vejamos o que o Evangelista nos diz.

 

Como parece, o desvio para Naim é aparentemente casual, no entanto, sugere a maneira com a qual Jesus entra em nossa vida: às vezes por fatores inesperados, circunstanciais... não importa, o que importa é que acontece um encontro, e este se torna decisivo. Em favor desta leitura, a do caráter definitivo do encontro, está o fato de que, intencionalmente, Lucas indica qual é o lugar do encontro: a porta da cidade. Quando se fala de “porta da cidade” vem à nossa mente a imagem de uma cidade cercada por muros com uma ou mais portas de entrada. Contudo, nenhuma escavação arqueológica realizada até agora trouxe à luz algum vestígio de que a cidade tivesse muros perimetrais; isto significa que precisamos ler a indicação de Lucas sob outro prisma. Vem em nosso auxilio o Antigo Testamento. A “porta da cidade” era o lugar onde eram realizados os julgamentos (veja, por exemplo, Dt. 22,15; Jo. 5,4 etc.). À porta da cidade decidia-se se o homem imputado fosse culpado ou não e, com isto, se tivesse ou não o direito de participar da vida da cidade. O sentido definitivo da “porta” era tão evidente que se imaginava que o julgamento final de Deus sobre a história e a vida dos homens, aconteceria à “Porta de Ouro” que de Jerusalém dá para o Vale do Cédron. Assim sendo, para o Evangelista o encontro com Jesus é o julgamento definitivo, o momento em que se decide a sorte de um conflito entre o que atormenta o homem e o que o salva. É um encontro que acontece inesperadamente, a qualquer momento de nossa vida, sem pré-aviso e que pode modificar completamente a nossa existência.

 

Ali, para “a porta a cidade”, avançava um cortejo de morte, carregado de toda a sua desolação, figura da vida humana que inexoravelmente vai em direção da “porta da cidade” com todo o seu fardo de sofrimento. É a humanidade carregada de um peso que sozinha não consegue suportar e para o qual não encontra sentido. O cortejo fúnebre é a figura de uma vida que carrega em si, como por um macabro jogo, a sua própria morte. Esta contradição, a vida que em si carrega a morte, tem sido objeto dos principais questionamentos desde as primeiras formas religiosas que conhecemos na história da humanidade. Inúmeras têm sido as tentativas de resposta, na maioria dos casos não passam de vagas maneiras de eternizar aquilo que gostaríamos que não terminasse. Mas esta atitude nada mais é do que fuga do drama da morte! É preciso recordar a nós mesmos que a morte existe, que convivemos com ela e que ela não condiz com a dignidade do homem. A morte, se percebida como “fim” é um trauma, um trauma que toca as convicções mais profundas de qualquer pessoa. Por outro lado, paradoxalmente, somente sabendo e tendo consciência de que há um “ultimo momento” (!) é que levamos à sério cada fato e situação da nossa vida, pois o “último momento” nos diz que “este” é o último e que não existe a possibilidade de adiar indefinidamente decisões, atitudes, relações... A morte nos recorda a seriedade da vida, a responsabilidade de viver e a consistência da existência: «Ensina-nos, Senhor, a contar os nossos dias, e alcançaremos um coração sábio» dizia o Salmista (Sal. 90,12).

 

A leitura nos coloca diante de uma procissão que carrega a morte até o limite da cidade, um cortejo de pessoas convencidas que este é o destino das coisas (na época não se pensava em ressurreição e não era comum pensar que houvesse uma vida após a morte). Era um cortejo de quem não espera mais nada, onde o limite da cidade corresponde ao limite das expectativas. “Terra de esquecimento” (Sal. 88,12) era chamada a terra do sepultamento: após o último gesto piedoso do enterro nada mais restaria do que a lembrança e o paradoxo da não-vida.

 

Além do sofrimento devido ao sentimento de perca da pessoa amada, o Evangelista faz questão ressaltar: «filho único de mãe viúva»; a motivação é clara: ele queria indicar que uma cultura incapaz de ver a morte por aquilo que é (ou seja: um momento de uma história de vida que continua), gera injustiças, solidão, incompreensão. Era assim em Israel na época de Jesus; embora existissem leis que teoricamente deveriam proteger as viúvas, isto de fato não ocorria, principalmente se a viúva não tivesse um filho que assumisse as defesas dos seus direitos públicos. Esta seria a sina daquela mulher. À dor acrescentava-se a injustiça.

 

Na época, o falecimento de uma pessoa era um fato social: «Grande multidão da cidade a acompanhava», diz o Evangelista. Toda a cidade se sentia envolvida no evento e participava como que numa liturgia onde cada grupo de pessoas assumia uma função: algumas mulheres choravam gesticulando e produzindo um som agudo característico ao tocar os lábios com a mão e movimentando a língua com uma frequência regular; alguns homens cantavam e outros tocavam instrumentos musicais. O defunto era carregado sobre uma tábua (não “caixão” – como alguns traduzem) e envolvido com uma mortalha branca, como ainda hoje se faz entre os Palestinenses. Os sentimentos de um cortejo fúnebre são bem representados por estas palavras do Salmo: «... Os meus olhos desfalecem de aflição; venho clamando a ti, Senhor, a ti levanto as minhas mãos. Mostrarás tu prodígios aos mortos ou os finados se levantarão para te louvar? Será referida a tua bondade na sepultura? A tua fidelidade, nos abismos?» (Sal. 88,9). Perguntas e perguntas com um vazio diante de si. Ao menos não se fingia diante da morte, hoje, infelizmente temos medo de olhar para ela, temos medo de que as nossas crianças vejam um defunto –e damos inúmeras justificativas para não levá-la a um enterro (quando, bem no fundo, a criança sabe como superar o impacto, mas não é o mesmo para o adulto); exorcizamos a morte tornando-a um fato banal através de filmes e noticiários sempre mais propagandísticos, através de super-heróis que nunca morrem. Mas o fato é que temos medo de tocar a morte porque, caso contrário, perdemos o sentido da vida.

 

            No limite da porta, este cortejo se encontra com outro cortejo: Jesus e os seus. Não é difícil ver aqui a intenção de Lucas de indicar Cristo com a sua Igreja, feita de discípulos e de multidão indefinida. É no encontro com este segundo cortejo que as coisas mudam. Imediatamente o Evangelista apresenta Jesus com os traços que O caracterizam: «O Senhor teve compaixão». Compaixão é sentir os sentimentos do outro e vivê-los “junto” com o outro. É não julgar de fora as situações, mas “de dentro”, colocando-se no lugar de quem as está vivendo. Assim, Lucas nos apresenta Jesus como aquele que dá o primeiro passo em direção de quem está chorando. Chorar é a última manifestação do desespero, da impossibilidade de acreditar ainda em algo que possa porventura acontecer. O Senhor sente o que significa o sofrimento para o homem que desacredita na possibilidade de uma saída, do homem que vê a sua vida completamente à mercê da derrota final. Assim, quando o que resta é somente o peso da desilusão, “o Senhor” não deixa que isto triunfe, Ele é o Senhor! Jesus foi ao encontro da viúva e, tocando o esquife, deu um fim a toda aquela procissão, não permitindo assim que a tristeza pudesse transpor a porta, a porta do julgamento definitivo.

 

A procissão parou.

 

Antes que a nossa última resposta seja a derrota sempre existe a resposta de Jesus.

 

A narração do episódio é exposta intencionalmente como anteposição ao Salmo que mencionamos acima. O encontro com Jesus é uma resposta real àquelas perguntas que, sem Ele, teriam o vazio como perspectiva. «Mostrarás tu prodígios aos mortos ou os finados se levantarão para te louvar? » perguntava retoricamente o Salmo; o Evangelista respondeu: «o que estava morto levantou» (o verbo anecomai indica “ficar ereto”, “estar em condição de se suster”); e ainda o Evangelista prossegue: «e começou a falar». Via no jovem o testemunho pessoal, o louvor feito de palavras carregadas de um sentido que somente o pode entender quem já experimentou de algum modo o que significa se encontrar à beira do abismo da existência e, de repente, gratuitamente, encontrou Deus em seu trajeto. Ao seu louvor, toda a multidão do cortejo se associou como por um contagiante reconhecimento de que a última palavra não é, nunca, aquela que acreditamos que possa ser, sempre existe uma palavra alternativa,aquela definitiva que Jesus dirá.


Postado em: 08/06/2013 as 12:18:41





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil