Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 Festa de Todos os Santos


03 de novembro de 2013



   

«E vi um outro anjo que subia do lado onde nasce o sol, levando o selo do Deus vivo. Ele gritou em alta voz aos quatro anjos que tinham recebido poder para danificar a terra e o mar, dizendo: “Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, enquanto não marcarmos a fronte dos servos de nosso Deus”. Então, ouvi o número dos que foram marcados: cento e quarenta e quatro mil marcados de toda a tribo dos filhos de Israel.

Depois disso, vi uma grande multidão, de pessoas de todas as nações, tribos, povos e línguas. Ninguém conseguia contá-la. Todos estavam em pé diante do trono e diante do Cordeiro. Trajavam roupas brancas e levavam palmas na mão. E eles gritavam bem alto: “A salvação é de nosso Deus, que está sentado no trono, e do Cordeiro!”. E todos os anjos estavam de pé, rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres vivos. Prostravam-se de face em terra diante do trono e adoravam a Deus dizendo: “Amém! Louvor, glória, sabedoria, ações de graças, honra, poder e força ao nosso Deus para sempre. Amém”. Então um dos anciãos falou comigo, perguntando: “Quem são estes que estão vestidos com vestes brancas? De onde vêm?”. Respondi: “Meu Senhor, tu o sabes”. E ele me disse: “Esses são os que saíram da grande tribulação. Eles lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro.”» (Ap. 7,2-4.9.14). 

 


 

            Acolhida com um abraço, marcada com o sinal da cruz, disposta a seguir a nova lógica que Deus propõe em alternativa às lógicas da mentalidade comum, a pessoa que está sendo batizada sente imediatamente que na caminhada que está empreendendo não está sozinha. O sacerdote, a comunidade cristã na qual o batizando é inserido, conscientes de que a vida nova da fé não começa e encerra no âmbito das vicissitudes terrenas, invoca pela primeira vez a comunidade dos Santos, a comunidade na condição de quem já alcançou a plena realização, a sua vocação essencial. Como por uma liturgia que antecipa a festa definitiva, como por um pedido que os Santos acolham desde já aquele que ingressa na nova vida, a assembleia canta as ladainhas dos santos. É uma oração contemplativa, repetitiva, que aos poucos nos faz sentir tão viva a ligação entre todos os filhos de Deus, os que estão a caminho e os que já realizaram sua vocação. São as mesmas ladainhas que a comunidade de fé repetirá no dia em que o batizado é entregue totalmente à vida que supera o tempo. É a oração da acolhida no povo de Deus, isto é, na comunidade daqueles que colocam Deus no centro de sua vida porque sabem que Deus os chamou com uma voz única. É a comunidade de todos os santos cuja festa hoje celebramos.

 

            Já que em outras circunstâncias a liturgia nos oferece a leitura das “bem-aventuranças, desta vez gostaria deixar que o texto do Apocalipse nos ajude um pouco a compreender algo a mais em relação à nossa vida de fé.

 

Todos conhecemos o tipo de linguagem usada pelo Autor do Apocalipse, creio desnecessárias ulteriores explicações, basta lembrar que através de imagens e símbolos, apresentados sob a forma de uma “visão”, o livro quer manifestar realidades que já estão presentes na vida cristã, mas ainda não em modo pleno. Assim sendo, projeta a vida que aqui vivemos no resultado definitivo, quase uma antecipação daquilo que é eternamente. É um “já, mas não ainda”, é a dimensão que toda a Igreja vive na sua peregrinação rumo a Deus.

 

            Em sua visão, quando João dirige o olhar sobre o homem, a primeira coisa que vê é «uma multidão inumerável». Não vê um individuo nem uma soma de indivíduos, mas uma única multidão; é assim que Deus nos vê. Ninguém é santo sozinho. É uma multidão, especifica o texto, «que ninguém podia contar». Esta expressão não indica somente a “quantia” de pessoas; de fato, não é o número que interessa a João pois este não é um parâmetro válido para a Igreja, nem para as coisas de Deus. A Igreja não é uma estrutura que se afirma em base à pressão que pode exercer pelo número de “aderentes”; isto o fazem outras organizações que precisam mostrar seu poder. Essa expressão se encontra em outras partes do mesmo livro (como quando o Autor vê um “livro selado” que ninguém pode abrir; cfr. Ap. 5,3)  e indica o fato de que é uma multidão sobre a qual ninguém “tem o direito” (pode) de contar, pois pertence a Deus e a nenhum homem. Contar a multidão seria como recair no pecado de Davi quando ele quis “computar” o número dos seus súditos, quando quis saber sobre quantos homens podia contar (1Cron. 21,1s); “contar” é uma atitude não admitida para quem se entrega a Deus, é isso, por exemplo que podemos ler no episódio de Gedeão (Jz. 7,1ss).

 

            O que faz a comunidade dos santos, a Igreja, é outra coisa: é a relação específica que Deus quer instaurar com as pessoas e a resposta que estas dão, uma resposta que implica em deixar-se conduzir numa vida nova. É uma relação simbolicamente apresentada por um «selo» (em grego: “caráter”, palavra que nos lembra um dos pontos fundamentais do Batismo). É um “selo” que marca na testa «os servos», isto é aqueles que decidiram trilhar o mesmo caminho do “servo de Jahvé”: Jesus. Eles, os que têm o mesmo “espírito”, a mesma lógica, o mesmo objetivo do Senhor, são os Santos. Não é dado a outros, não é dado a quem não opta, na sua vida, para o serviço, para a humildade. 

 

            A santidade não é apenas uma atribuição ético-moral, pois se assim fosse precisaria continuamente ser modificado o conceito de santidade já que também a cultura muda. A santidade não decorre do agir do homem, não é uma conquista que ele pode alcançar; afinal, ninguém pode dar a si mesmo aquilo que não possui, logo, não pode dar a si mesmo a santidade que pertence a Deus. São Paulo escreve aos cristãos de Corinto dirigindo-se «aos que já são santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo» (1Cor. 1,1). Logo, estamos diante de uma realidade que já existe em cada pessoa que se une a Cristo, mas que está em processo de amadurecimento até a plenitude, e isso acontece «junto com todos os que invocam o nome do Senhor», num dimensão comunitária.

 

            O início do caminho da Aliança estabelecida foi marcado com palavras que todo Hebreu repetia continuamente a si mesmo: «... portanto, vós sereis santos, porque eu sou santo» (cfr. Lev. 11,44); com isso nós temos nas mãos a chave de leitura para compreender em que consiste a santidade como Deus a deseja (e que não pode ser confundida com um caminho de tipo estóico ou gnóstico de auto – superação); a santidade é permanecer ao lado de Deus. Ora, para que pudéssemos ver e aprender realmente “como” Deus é, “quem Ele é”, o Eterno se fez homem. Assim sendo, vivendo lado a lado de Jesus, uma pessoa e não uma ideia, a vida do Mestre e do discípulo se fundem progressivamente.

 

            Um trecho de Oseias pode nos ajudar a entender o que significa ser “Santo” : «Não executarei o furor da minha ira; não tornarei para destruir a Efraim, porque eu sou Deus e não homem, o Santo no meio de ti; não voltarei em ira» (11,9); o princípio implícito aqui é simples: Deus tem critérios que não são os mesmos que o homem tem, logo, aprender a ser santo significa aprender na vida a viver como Jesus viveu, respirar o Seu respiro, sentir o Seu modo de sentir os dramas das pessoas... Enfim, ter uma atitude de contínua disposição a deixar-se moldar pelo Espírito do Senhor e pela contemplação da Sua presença na nossa vida pessoal e comunitária.

 

O número, 144.000 é um número simbólico. Obviamente é muito simplória a leitura de alguns que limitam os “salvos” a esta quantia de pessoas, colocando-se, naturalmente, entre os eleitos... O Autor é um pouco mais aberto! O significado se entende a partir de sua estrutura: 12x12x1000 onde 12 são as tribos de Israel, 12 são os Apóstolos e 1000 é a multidão. Traduzindo em miúdos: a mesma promessa que Deus fez a Israel, continua viva nos Apóstolos e por eles se espalha para a multidão incontável; é uma confissão sobre o valor da Igreja e sua vocação! Nada a ver com enumeração de privilegiados.

 

            Esses são marcados com o “selo do Cordeiro”; podemos nos perguntar: em que consiste este selo, esta relação por ele significada? O selo, imagem belíssima, nos recorda dois aspectos da relação que Deus oferece ao batizado.

 

O primeiro: o selo é sinal de pertença. Não se trata de “posse”, Deus não possui ninguém, a posse é maligna, demoníaca; a pertença, pelo contrário, é entrega amorosa. Quando não são mais suficientes as palavras entre duas pessoas que se amam profundamente, quando não são mais suficientes sentimentos e suas expressões, então nasce a atitude de entrega. É um consignar-se nas mãos de outro. Do outro, pelo qual sentimo-nos amados a tal ponto que nenhuma palavra, sentimento, gesto é adequado para mostrar a intensidade. Somente a entrega de si mesmo, incondicionalmente, pode apagar o desejo de manifestar a gratidão de alguém que se sente amado acima de suas expectativas. À entrega de um lado, corresponde a pertença do outro. É um ulterior aprofundamento da relação; aqui a pessoa que se entregou é sentida pelo outro como “pertencente” ao próprio “eu” mais profundo. É uma fusão de liberdade amorosa, pela qual nenhum dos dois consegue ser si mesmo sem o outro. É a maravilhosa experiência de muitos matrimônios, de muitas comunidades religiosas, etc... É uma experiência que não se improvisa mas se constrói ao longo do tempo. Quando Deus “marca com seu selo”, reconhece o nosso ato de entrega amorosa ao longo de nossa vida e responde com o sentimento de pertença; desde o momento da celebração do Batismo, até o encontro pleno com Ele.

 

O outro significado do “selo” é compreensível a partir do primeiro. O selo, frequentemente realizado ao centro de um anel real, funcionava como um molde: uma vez pressionado sobre um material dúctil deixava neste a fisionomia do rei, quase sempre o perfil, como nas moedas. Ao “colocar seu selo”, Deus se envolve, se compromete de um modo realmente fascinante com a pessoa que a Ele se entregou: aos poucos, com o decorrer dos anos, com delicada e cuidadosa atenção, Ele imprime a sua fisionomia no coração da pessoa que, dúctil, se deixa envolver, se deixa guiar, transformar. Realidade misteriosamente deslumbrante que Paulo recordava aos Corintos:  «Deus nos marcou com seu selo e deu o penhor do Espírito Santo em nossos corações» (2Cor. 1,22). Ao reconhecer a nossa disposição, Deus se compromete em levar a cumprimento o desejo de uma vida nova. Não só, nos dá também os instrumentos e as condições para que isto aconteça: é o Espírito, o Espírito que animava o Filho, Jesus, o qual se fez servo para que fosse possível para todos os homens o encontro pleno com o Pai. Este Espírito age, age sempre, e nesta ação feita de propostas e respostas, o batizado vai assumindo aos poucos a fisionomia Daquele que lhe imprimiu o seu selo. É transformado “à imagem” do próprio Jesus; é transformado para que resplandeça em seu rosto o verdadeiro rosto de Deus; é transformado para que possa refletir a “glória”, o destino, a realização plena da pessoa humana. «Todos nós» - dizia mais adiante Paulo - «somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, conforme a ação do Espírito do Senhor»  (2Cor. 3,18).

 

Ser santo, então, não é uma atribuição ética, não corresponde a nenhum “ser bonzinho”, mas é o resultado de uma decisão forte e corajosa: a de se entregar como resposta a um amor, percebido e acolhido. É, em consequência, ser dúctil no decorrer da própria vida a fim de que Deus possa marcar seu rosto de bondade, de esperança, de terna compreensão, no rosto daquele que se dispõe de assim serví-Lo. A santidade não é uma conquista do homem realizada com seus meios; é, antes, deixar a Deus o livre espaço na alma, para que possa viver e agir. É a vocação de cada um de nós, é o desejo de Deus que: «nos escolheu antes da criação do mundo para sermos santos e imaculados diante Dele na caridade» (Ef. 1,4). Deixemo-nos «revestir do homem novo, criado conforme Deus» (Ef. 4,24), o mundo precisa de santos, precisa ver o rosto de Deus. Precisa vê-lo não em ideias, mas em pessoas, reais, concretas, profundamente humanas porque profundamente envolvidas pelo divino que age nelas.

 

Deus te abençoe e santifique para o bem da humanidade e a glória do Senhor!

 

Pe. Carlo

 

 

 


Postado em: 01/11/2013 as 12:26:45





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil