Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 XXXII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013



   

«Aproximaram-se de Jesus alguns saduceus, que negam a ressurreição, e lhe perguntaram: “Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver um irmão casado e este morrer sem filhos, deve casar-se com a viúva, a fim de garantir a descendência para o seu irmão. Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos. Também o segundo e o terceiro se casaram com a viúva. E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos. Por fim, morreu também a mulher. Na ressurreição, ela se tornará esposa de quem? Todos os sete a tiveram como esposa com ela”. Jesus respondeu aos saduceus: “Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se e se dão em casamento, mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento; e já não poderão morrer, pois são iguais aos anjos, filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição. Que os mortos ressuscitam, Moisés também o indicou na passagem da sarça, quando chama o Senhor de ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele”.» (Lc. 20,27-38).

 


 

O trecho do Evangelho do hoje é colocado idealmente por Lucas como parte de um único discurso. Neste discurso o Autor destaca as duas realidades e seus respectivos critérios, são realidades diferentes nas quais o homem vive a sua vida continuamente em tensão entre dois “mundos”. O antecedente que nos permite criar um quadro no qual o Evangelista emoldura esse episódio, está no início do mesmo capítulo; ali encontramos a dificuldade das autoridades religiosas de admitir que o “mundo” das realidades do céu possa realmente entrar a fazer parte do “mundo dos homens”. Logo em seguida o Autor mostra a incapacidade das pessoas que estão embrenhadas no mundo do lucro de se desvincular do mesmo, já que esse último é tido como mais importante do que a vida de uma pessoa. Mais uma vez estamos diante de dois mundos em conflito: o mundo de “César”, isto é, do poder em todos os seus níveis e o “mundo” de Deus. No nosso texto encontramos a mesma oposição que toca outros aspectos da eterna tensão entre o mundo que “vemos” e controlamos e o mundo que não vemos.

 

A questão de hoje surge durante uma diatribe sobre temas religiosos. Jesus estava em Jerusalém, bem no coração do judaísmo, com seus princípios e seus valores, mas também com as suas regras e obtusidades que são próprias das pessoas que estão sempre convencidas de si mesmas. Saber de que lado estava Jesus era fundamental para que se pudesse definir quem ele fosse; afinal, seria impensável que aquele Galileu tivesse algo a propor diferente daquilo que já diziam os doutos e letrados sacerdotes, escribas e fariseus. Definir de que lado está uma pessoa é o primeiro passo para torná-la inofensiva, pois logo que conseguimos dar-lhe uma definição sabemos também como neutralizá-la. É como se faz com um vírus, com uma doença ou…. com uma ideia que incomoda. De fato Jesus não se encaixava com nenhuma das propostas religiosas e sociais daquele momento histórico e com nenhuma figura conhecida.

 

Nessa ocasião narrada no Evangelho, quem foi a Jesus era um grupo de Saduceus. A classe dos Saduceus era uma parte da alta aristocracia. Eles deviam sua riqueza a patrimônios obtidos através de posições políticas, de favores, de heranças vindas de famílias que haviam conseguido fortunas com privilégios acordados…. O principal interesse deles não era realmente religioso, mesmo que fizessem parte do Sinédrio e tivessem vários direitos no Templo. Pelo Evangelho conhecemos uma posição religiosa deles: «negam a ressurreição». Esta posição é o elemento que explica a origem do questionamento proposto sobre a ressurreição. O que podemos notar de antemão que de ato não é uma busca sincera da verdade que está na base do questionamento, mas sim o desejo de justificar as próprias posições que serviam para justificar o apego a tudo quanto está ligado ao “mundo”. Não podemos esquecer que uma interpretação forçada do “Shalom” hebraico conduzia a pensar que os bens materiais fossem a indicação clara da bênção de Deus, pois a promessa de Jahvé era associada aos bens da terra e tudo o que desse um bem-estar. Dessa forma não precisaria esperar “depois da morte” para receber a promessa, mas a promessa estaria justamente na posse dos bens! Obviamente uma posição dessa implicava também uma certa presunção de já ter alcançado a recompensa dos justos!

 

A forma com a qual foi colocada a questão segue os padrões da casuística judaica; no mais característico estilo dos exageros. O objeto do questionamento é uma lei, chamada “Levirado” (“levir” significa “cunhado”); esta Lei, descrita em Dt. 25,5s previa o seguinte: em caso de morte de alguém que não tivesse filhos homens, o irmão deste poderia (ou melhor, deveria) desposar a mulher do irmão. A lei tem uma razão de ser, que é positiva, pois se trata de uma tentativa de proteção da família, uma vez que uma viúva não tinha vida fácil no Oriente. De fato porém, o intuito com o qual era aplicada, era bem outro, o interesse primário era garantir a sobrevivência da dinastia à qual estava ligado um patrimônio, a mulher passava em segundo plano; quase como por um elo misterioso, a mulher era ligada ao patrimônio e fazia parte do mesmo. Sabemos que por um Judeu era considerada uma abominação desfazer-se de um patrimônio de família; temos como exemplo o caso de Nabote ao qual Acab havia proposto de comprar uma vinha: «Nabote disse a Acab: “Guarde-me o Senhor de que eu dê a herança de meus pais”» (1Rs.21,3). Acreditava-se que o patrimônio fosse a demonstração objetiva da benção de Deus, de seu favor como reconhecimento. Perder o patrimônio, conforme o que dissemos sobre o “shalom” significava interromper a continuidade da bênção prometida através de Abrão. Note-se que, bem por causa desta distorção, os Evangelhos nos trazem a expressão de Jesus: «Eu vos dou a minha paz (o meu Shalom) não como a dá o mundo» (Jo.14,27).

 

Ao propor esta questão para argumentar contra a ressurreição, os Saduceus acabavam desvelando as distorções mais profundas de seu pensamento, exatamente aquelas que não lhes permitiam acreditar na ressurreição. Tudo era considerado em termos de posse: se o “prêmio” que Deus dá é o bem-estar, então o patrimônio é possível somente aqui, e mais, como uma mulher pode “se tornar esposa” de alguém lá no outro mundo? Cabe destacar que grifei a expressão “tornar-se esposa” (o verbo grego expressa o ato de “tornar-se esposa” mais do que “ser” esposa, como às vezes se traduz) uma vez que a esposa era considerada também “posse” de alguém. Esta ideia de posse é bem clara na expressão: «a “tiveram” como mulher» (o que é diferente de “a desposaram”). Nessa lógica, supondo que uma mulher ressuscitasse, como poderia ainda ser “patrimônio” de alguém? Era esta a argumentação dos Saduceus, mas ela já continha em si mesma aquela raiz que torna impossível a convivência da mentalidade dos «filhos deste mundo» com os «filhos da ressurreição» ou seja: tudo é considerado como conquista, posse, patrimônio…. até as pessoas, e pior, tudo isto é tido como axioma e princípio indiscutível, sinal da benevolência divina.

 

É, em todo caso, um bom motivo para também nos questionar sobre a qualidade das relações que temos com as coisas e as pessoas; é facílimo se “apoderar” de situações, objetos, papéis…. pessoas! Às vezes até sem querer, em boa fé, para fazer o bem, para demonstrar amor etc., acabamos nos envolvendo de tal modo que passamos o limite de uma correta e equilibrada relação, apoderando-nos da situação com exclusividade. Personalizamos a nossa ação de tal modo que se torne exclusiva, incapaz de aceitar maneiras diferentes de conduzir a mesma situação. Enfim, acabamos apoderando-nos daquilo que começou como um “serviço” a Deus e aos outros.

 

Ao argumentar, os Saduceus nos induzem também a uma tríplice pergunta: por que negavam a ressurreição? Quem é aquele que nega a ressurreição? O que entendiam por ressurreição antes que isto acontecesse de verdade com Jesus? Talvez possamos compreender melhor o que Jesus entendia focalizando melhor a expressão de Jesus: «filhos da ressurreição», o que parece um pouco estranho uma vez que Ele não tinha ressuscitado ainda.

 

É claro que a ressurreição é um fator dirimente: o que pensamos em relação a ela evidencia claramente a maneira de como enfrentamos a nossa vida, já que estamos diante de algo que supera a experiência, o controle e, de algum modo, todo o nosso mundo feito de convicções. Sintomática foi, por exemplo, a reação dos cidadãos de Atenas quando Paulo apresentou a sua visão sobre o mundo: enquanto ele se mantinha dentro dos limites das opiniões sobre vários elementos da vida recebeu o encômio de todos os ouvintes mas, ao falar da ressurreição recebeu esta resposta: «A respeito disso te ouviremos noutra ocasião» (At. 17,32).

 

A possibilidade de ressurreição, antes que o fato acontecesse realmente com Jesus, não passava de uma expectativa possível e nem chegava a ser uma convicção. É muito difícil encontrar na Escritura elementos que digam claramente que o hebreu esperava a vida após a morte, -alguma expectativa a respeito disso aparece no livro de Jó- por outro lado ele estava convencido de que Deus é «Deus da vida»; uma vida que se estende desde os elementos do cosmo, até as relações entre pessoas e também dentro do próprio homem. «Deus não criou a morte!» declara o Livro da Sabedoria (Sab. 1,13). Em muitos Salmos, por exemplo, o autor pede a Deus que não o deixe cair nas mãos da morte; ora, isto não significa pedir a duração continuada da existência, mas que a “morte” entendida como “contra-vida”, “contra-Deus” não chegue a dominar a existência de alguém. É difícil afirmar que se encontre alguém na Escritura que peça a Deus de intervir após a morte física. Contudo, para o homem de fé hebreu, a morte não poderia ter sua palavra definitiva; em seu coração permanecia como esperança última, a vida. Obviamente essa esperança não era descabida e sem fundamento. Sua origem provinha da própria experiência histórica, ou seja: como Jahvé fora capaz de derrotar os deuses Egípcios e com eles também o povo do Farão, como Jhavé fora capaz de derrotar os deuses dos Amorreus e Filisteus, como fora capaz de reverter situações que pareciam becos sem saída, assim também Jahvé será capaz, de algum modo, de reverter a situação-limite que questiona em sua raiz o sentido da existência e do agir humano: o demônio da morte (entendida, obviamente não somente como “duração” cronológica).

 

Esperar, acreditar na ressurreição é sinônimo, logo, de dar um crédito à fidelidade de Deus, confiar que, além de tudo quanto se possa pensar, Deus é fiel em seu projeto de vida para o homem. Eis, então o que Jesus quis indicar com a expressão “filhos da ressurreição”, são as pessoas que, não obstante tudo continuam confiando que Deus não permitirá ao que é negativo de ter a última palavra.

 

Creio que não possamos permanecer indiferentes diante da força com a qual o Salmista expõe a Deus os seus sentimentos, a sua certeza de que o Senhor será fiel, uma vez que o próprio autor “consagrou” a sua vida a Deus, uma vez que Deus esteve sempre no centro de sua existência: «Alegra-se o meu coração, e o meu espírito exulta; até o meu corpo repousará seguro. Pois não deixarás a minha vida na morte, nem permitirás que o teu consagrado veja a corrupção»  (Sal. 16,9). Traços desta expectativa embasada sobre uma experiência constante de fidelidade de Deus são muito comuns tanto nas orações do hebreu quanto na pregação dos profetas: Deus é capaz de dar vida até a ossos secos (segundo Ezequiel), ou de levantar os mortos (para Daniel). Assim, crer na ressurreição somente é possível após uma história onde se fez experiência da fidelidade de Deus, e isto não é algo teórico, opinável, não se improvisa, mas se constrói.

 

É claro que somente pode acreditar na fidelidade de Deus, além do compreensível, somente aquela pessoa que já fez em sua vida a experiência de que Deus é capaz de ser fiel até o impossível.

 

É claro também que, a pessoa que teve as posses, o materialismo prático como ídolo de sua vida, a pessoa que nunca precisou acreditar que Deus seria capaz de tirá-lo da “cova” (para usar uma expressão típica dos Salmos), ele não terá como acreditar que é possível aquilo que é impossível.

 

Eis então que são os «filhos da ressurreição»: aqueles cujo coração foi moldado, educado por Deus como um pai educa o filho; pessoas que aceitaram se deixar conduzir pela mão de modo a aprender a acreditar, esperar, aguardar a ressurreição. Esses não veem a vida como um “ter” e isso porque aprenderam a conviver com Deus e O conhecem. Ter sempre diante dos nossos olhos a ressurreição confere uma incrível verdade às nossas ações e uma mais firme raiz em tudo o que fazemos, sim, porque uma coisa é agir, escolher, relacionar-se com uma pessoa pressupondo que isto seja transitório e outra coisa é fazer o mesmo sabendo que isto não será transitório mas terá um futuro de eternidade, com consequências que são para sempre.

 

O Evangelista usa uma estranha expressão para definir o homem que aprendeu na vida a ter Deus como centro, e para o qual a ressurreição é uma consequência (peço desculpas pela força de linguagem) “obvia” do agir de Deus. Ainda, ele escreve « são iguais aos anjos, filhos de Deus», indicando desse modo que o futuro já aconteceu em suas vidas. Alguns traduzem “serão”, mas isto além de não corresponder ao texto, projeta num futuro algo que Jesus declara já acontecido no coração. A expressão se encontra uma só vez em toda a Escritura: “como-anjos” (isaggeloi) e é literalmente intraduzível; seu significado se inspira à figura dos anjos na Escritura: a característica principal dessas pessoas é que têm Deus como centro e significado último da sua essência. Os anjos servem a Deus, louvam a Deus, cercam o Seu trono, mediam o diálogo com o homem ajudando-o a fazer as escolhas que Deus propõe, colaboram com o projeto de salvação, levam a Deus as orações dos homens, participam do julgamento…. Tudo neles é de Deus e para Deus. Assim também, o homem que aprende a confiar em Deus sempre terá o Senhor como centro e motivo dominante da sua existência.

 

Deus te abençoe,

Pe. Carlo


Postado em: 08/11/2013 as 08:26:21





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil