Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 VIII Domingo do Tempo Comum


27 de fevereiro de 2011



   

«“Ninguém pode servir a dois senhores; pois, ou será indiferente um e amará o outro, ou prestará atenção a um e menosprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e a o que dá segurança. Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com o vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros? Quem de vós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé? Portanto, não vos preocupeis, dizendo: ‘O que vamos comer? O que vamos beber? Como vamos nos vestir? Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. Pelo contrário, buscai por primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo. Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia bastam seus próprios problemas”.» (Mt. 6,24-34).

 

O discurso da montanha sobre o qual refletimos até agora nos conduziu à exigência de dar um passo: é preciso, para Jesus tomar uma decisão definitiva em relação a Deus, não mais conhecido como legislador ético ou moral do Antigo Testamento, mas como alguém que, acima de tudo é “pai”, pai daquele que escolhe para si a posição de filho. Ser filho de Deus é uma escolha, nos disse Jesus no capítulo 5 de Mateus, é uma escolha que implica em aderir à lógica de Deus, o qual «faz surgir o sol sobre os bons e sobre os maus, sobre os justos e injustos». Quando alguém descobre de ter em si esta lógica, que é a “perfeição de Deus” -como já refletimos-, descobre também de ser “filho desta lógica”, que é amor acima de tudo, que é Deus amando acima de tudo.

O passo que o Evangelho nos propõe hoje representa um salto qualitativo na nossa relação com Deus. É uso comum, infelizmente, dizer que “todos somos filhos de Deus”; com esta maneira tão superficial de tocar no assunto esvaziamos completamente um significado muito profundo que, por sinal, foi a força propulsora da evangelização na Igreja primitiva. Quando achamos “obvio” ser filhos de Deus contemporaneamente, desistimos de procurar entender o que significa “ser filho” e, consequentemente o que significa a revelação que Jesus nos fez de Deus como Pai. O único modo para entender o que significa ser filho é entender o que significa “ser pai”... e isto não é tão “obvio”! É bem a revelação do que significa para Deus “ser pai” que Jesus quer nos comunicar hoje. Disponhamo-nos a ouvir, com o coração atento e o espírito aberto, para que a Sua palavra penetre em nós e gere uma vida nova, mais alegre e mais cheia de esperança para um mundo que precisa de esperança.

As palavras de Jesus se abrem com uma séria afirmação: durante a sua vida, qualquer homem vai encontrar-se, antes ou depois, com duas grandes realidades e, diante destas, terá que tomar uma posição a qual decidirá sobre a sua vida. Não haverá como fugir e então será preciso tomar uma decisão a qual imprimirá um estilo de vida específico. «Ninguém pode servir a dois senhores » disse Jesus. De que se trata?

Antes de antecipar qualquer resposta que possa parecer “evidente” no trecho que acabamos de ler, é preciso esclarecer uma coisa: Jesus nos diz que estamos diante de algo que, num modo ou no outro, exerce sobre o homem um “senhorio”, ou seja, de qualquer modo absorve o homem o qual se colocará em relação a esta realidade servindo-a. São “dois senhores” que acabam tomando um lugar próprio na vida de qualquer pessoa sem que seja possível um “meio-termo”: «ou será indiferente um e amará o outro, ou prestará atenção a um e menosprezará o outro». Os verbos usados pelo Evangelista (misew e anqezetai) não indicam “ódio” e “amor” –como às vezes alguns traduzem- mas sim “indiferença” e “busca preferencial”. Logo, estamos falando de outra coisa diferente de um sentimento; este pode ser espontâneo, imediato, incontrolável... Se a questão fosse apenas de sentimentos, isto deixaria sempre um espaço aberto e duvidoso sobre a responsabilidade, pois aos sentimentos não se manda. A questão se coloca em outro plano, é mais séria e existencial: é uma decisão, ou seja, algo que envolve e chama em juízo a liberdade de resposta que somos capazes de dar diante de algo que acontece.

Aqui estão contrapostas as duas forças que exercem o senhorio: Deus, que é capaz de envolver totalmente a pessoa e “mamonas” (mamwnaV) que pode absorver completamente aquele que escolhe esta lógica. Mas que palavra estranha é esta, “mamonas”? Para facilitar a leitura, alguns tradutores escrevem: “dinheiro”, como é freqüente ler. Talvez porque hoje uma das fontes de segurança do homem seja o dinheiro, sim, talvez, mas aqui o sentido que Jesus dá é extremamente maior e, “dinheiro” é redutivo, pouco significante em relação ao grave problema diante do qual Jesus quer prevenir o discípulo. A palavra é muito estranha, não é própria do vocabulário da época, mas sim do dialeto aramaico que Jesus falava, próprio do norte da Galiléia. Com este indício sabemos com certeza de que não se trata de uma palavra usada por algum redator do Evangelho nem do próprio Mateus, mas vinda diretamente da boca de Jesus e que o Evangelista “copiou” em seu escrito por isso mesmo, bem como Ele a disse. Podemos perceber, daí, o “peso” que Mateus deu ao seu significado. Provavelmente deriva do hebr. “Aman” (do qual vem o nosso “amém”) que significa “o que é estável”, seguro, garantido; (prescinde de qualquer sentido monetário ou ligado à riqueza).  “Mamonas”, o que é “garantido” e “certo” é, então, o grande inimigo, que não permite ao homem de sentir Deus como Pai. É a busca desesperada de segurança, garantias, certezas, “coisas” das quais o «pagão» não pode fazer a menos: «Os pagãos é que procuram essas coisas». Note-se que a palavra “pagão” significa: “homem sem referência direta com a divindade”. Deus é insignificante para ele, não o nega, mas O reduz a uma imagem que ele construiu de Deus. É isto que significa ser pagão: construir dentro de nós uma imagem de Deus e adorar esta como se fosse verdadeira, esquecendo que Deus pode ser bem diferente de como O imaginamos. O pagão procura a magia, procura o que “prende a divindade”, busca e prefere (para usar verbo que vimos acima) a segurança, mesmo que esta seja fruto da figura de Deus que ele construiu. A atitude pagã pode perfeitamente infiltrar-se no discípulo o qual, de repente, devido a algumas questões que Jesus sugere em seguida, pode mudar de posição e atitude e isto, infelizmente, não lhe permitirá de ver mais Deus como Pai, pois ele precisa “preferir” suas certezas, às quais não quer renunciar, convencido de que não vai conseguir sem elas. «Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais»; Deus sabe que precisamos e do que precisamos. O medo desesperado de “precisar” age de tal forma no homem que o sujeita, o escraviza; manipula a pessoa com “a tirania de mamona” (São João Crisostomo, Homilias). Prende e faz aumentar exponencialmente a sensação de necessidade, fato pelo qual a pessoa torna-se escrava do próprio medo de precisar. É liberdade? Pode-se entender a Deus como “pai” nesta falta de liberdade? Deus pode revelar-se como Pai providente quando nos entregamos a “mamonas”? É muito difícil!

O medo faz procurar no lugar errado, não nos faz perceber que o que precisamos pode ser simplesmente ser “dado” a nós, por pura bondade, de alguém que nos quer bem e, mais ainda, de Deus. O “pagão”, que procura com esta atitude, fica angustiado porque nuca está satisfeito; tem medo de que aquilo que achou não seja suficiente e assim a vida se torna uma desgastante busca de nada que pode dar paz. O pagão “não sabe o que precisa” logo se aflige em procurar coisas que acha tão necessárias... com as conseqüentes falhas, erros e frustrações. Para dizer isto, Jesus usa uma simpática ironia: procuram «o que comer e beber» e esquecem a «vida»; procuram a «roupa» e esquecem «o corpo», procuram garantirem-se certezas na vida agindo do modo mais eficiente e lógico possível… e não podem «prolongar a vida de um dia»!

 

A preocupação nasce no confronto com a nossa pobreza diante das situações difíceis da vida. Qualquer um de nós antes ou depois fará experiência e sentirá o que significa sentir-se impotente. A reação do “pagão” é buscar suprir a esta “impotência” contando com os próprios meios, como fez o “filho pródigo” o qual, estultamente, invés de voltar humildemente ao pai, quis encontrar sozinho uma solução; resultado: piorou a sua situação, acabou sendo “servo de porcos”. Mas esta é a reação do homem pagão; a reação do “filho de Deus” é a entrega da própria pobreza.

Como as coisas seriam melhores para o nosso ânimo se lembrássemos, de vez em quando, as sábias palavras de Pedro: «Façam um gesto de humildade, na poderosa mão de Deus; depositai Nele as vossas preocupações, pois Ele cuida de vós!» (1Pt. 5,7)!

Deus é pai porque sabe já o que precisamos antes que sintamos a necessidade de tudo isto, com faz um pai com o filho que precisa de escola etc. enquanto ele apenas deseja brincar. O Pai sabe distinguir muito bem quando o que pedimos é algo «necessário»; sabe que é uma necessidade real e não um capricho, logo, o leva em consideração e dá exatamente o que precisamos.  

Para alguém que age com a atitude de “filho” a dificuldade não diminui, continua sendo o que é, tanto quanto para o “pagão”. Deus não tira as dificuldades, porém dá as condições para que estas se transformem em ocasião de fortalecimento do amor; o “filho intui isto e aprende a deixar-se conduzir na dificuldade, para que esta não tenha apenas o seu lado negativo, mas resulte numa relação mais íntima com Deus.

O resultado da preocupação é a aflição constante, que vê o problema quando ainda não existe (Para cada dia bastam seus próprios problemas); o seu contrário, a paz é descrita por Jesus

com um linda, bucólica imagem: lírios e pássaros.

O Evangelho ensina o silêncio da alma diante da providência de Deus. Ensina-nos o silêncio das inquietações, das tensões, para que o coração possa ficar em paz contemplando a presença de Deus que se faz ver neste exato momento em que o pássaro encontra o seu alimento e o lírio a sua beleza.

Voltou à minha mente uma linda frase de um homem que amava Deus: “O sinal que alguém está procurando realmente Deus e a sua justiça é justamente o silêncio diante das inquietações” (S.Kirekegaard: “Discursos”).

Quando Jesus pede que não nos entreguemos a “mamonas” não pede apenas uma atitude ética, não pede um comportamento; nos sugere qual seja a maneira de fazer experiência de que Deus é pai.

É uma questão espiritual e religiosa acima de tudo, vier como filho é um louvor a Deus dado com a vida e não com palavras desencarnadas. Apenas uma pessoa que crê no amanhã é capaz de não se entregar à angústia da preocupação. O homem se aflige quando tem medo de perder; este é um homem que vê principalmente o passado e, por isso, não consegue entregar-se totalmente a Deus o qual projeta sempre o homem fora e além de si mesmo. Dizer “sim” a “mamonas” é, então um dizer “não” implícito à certeza de que Deus nos ama de verdade e que cuida no nosso amanhã.

Uma última questão: como aprender e descobrir que Deus é pai?

Obviamente Jesus não está instigando ninguém à apatia, ao fatalismo. Providência não é isto, de modo algum (mas não cabe aqui delongar-se). O discípulo, em sua atitude de filho é ativo porque para descobrir que Deus é pai precisa agir, escolher, envolver-se: «buscai por primeiro o Reino de Deus e a sua justiça». Mas o que significa “primeiro”? Creio que bem aqui esteja o núcleo e a chave através da qual se pode descobrir que Deus é “pai” e que tipo de “pai” Ele é. Jesus não diz de não procurar, mas procurar antes o reino, porque o reino irá calar todas as queixas e ânsias que permeiam as escolhas que fazemos na nossa vida. Então poderemos descobrir que Deus é pai apenas se “por primeiro”, ou seja: “antes”, tivermos renunciado a buscar uma solução com as nossas próprias mãos: a segurança de “mamonas”. Somente a partir daí o discípulo poderá fazer experiência real de que Deus se preocupa também com aquilo que é objeto da nossa preocupação mas, quando conseguirmos fazer isto, já fizemos um grande salto qualitativo: aprendemos a entregar a Deus, por amor e confiança. Isto fortalece e cria continuamente a relação filial.  Valho-me ainda de outra expressão do mesmo Autor: “Quem não procura o reino de Deus por primeiro, não está sequer procurando-o” (“Discursos”) apenas procura um reino que não é “de” Deus.

 

Deus te abençoe,

Pe. Carlo


Postado em: 26/02/2011 as 08:16:17





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil