Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 IX Domingo tempo comum


06 de março de 2011



   

"Nem todo o que me diz: “Senhor, Senhor!” entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: “Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expulsamos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?” Então, lhes direi explicitamente: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, vós os que praticais a iniqüidade”. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica pode ser comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque foi edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as põe em prática será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, e a sua ruína foi grande." (Mt. 7,21-27).

 

 

O trecho do Evangelho que acabamos de ler encerra em Mateus uma coletânea de ensinamentos sobre o conjunto da fé cristã, chamada “Discurso da montanha” (Mt. 5-7). Com grande probabilidade esta longa coleção de palavras, nasceu da necessidade dos primeiros pregadores itinerantes que precisavam de um compêndio que recolhesse num único livrinho os ensinamentos de Jesus. Com estes pressupostos podemos entender mais facilmente a expressão: «estas minhas palavras», pois não se trata de preceitos ou regras que devem ser cumpridas, mas sim do conjunto da visão que Jesus tem sobre o mundo, as relações dos homens com Deus e as relações destes entre si. Trata-se de um todo, descrito com incrível acuidade nos seus pormenores, que nos permite perceber qual seja a leitura do mundo e de sua história que Jesus tem e o Seu estilo de encarnar o homem novo.

 

O processo do pensamento religioso de Israel, como também o de muitas religiões da época, dificilmente era capaz de superar a idéia de que, para ser justo diante de Deus e conquistar a vida eterna, o essencial fosse seguir os preceitos e as regras que se encontravam depositadas em livros ou na sua interpretação (por exemplo, o Talmude). Com Jesus, porém, estamos diante de algo novo: se tentássemos organizar esquematicamente ou por assunto os ditos de Jesus, tentando extrair deles alguns princípios teríamos um trabalho muito pouco proveitoso e algumas surpresas, descobriríamos uma série de aparentes “incoerências”, de contradições etc. o que não acontece, por exemplo, com uma legislação. É bem aqui que está a novidade: a fé do discípulo de Jesus não se identifica com a obediência a normas, mas com a adesão a uma pessoa. Ora, uma pessoa é uma pessoa, não é um tratado! A pessoa age movida por um valor que está na base da sua vida e que orienta tudo, palavras, atos e atitudes que às vezes parecem ser contraditórias... Uma pessoa é sempre um mistério indefinível, que não pode ser enquadrado em esquemas (esta foi a tentação de Davi, dos fariseus e rabinos e muitos outros como Judas o Iscariotes ou como algumas visões contemporâneas de Jesus). Seguir a Jesus é, então, penetrar o Seu mundo, o Valor que rege o sentido do Seu existir no mundo dos homens, a Sua relação com o Pai… Mas isto é impossível somente apegando-se a uma ou outra frase, como pretendem alguns que constroem a sua fé sobre palavras de Jesus isoladas completamente do conjunto. «Estas minhas palavras» não são as normas que Jesus dá, mas sim o caminho para poder penetrar o Valor, a motivação… enfim a Sua «vontade» ou, como diria um hebreu, o Seu “coração”.

 

A passagem que lemos se abre imediatamente com o alerta sobre um possível mal-entendido no qual pode cair um discípulo. São colocadas, uma diante da outra, duas situações; a primeira significada por estas palavras: «Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus» e a segunda: «aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus». Entre uma e outra encontramos uma clara separação: «mas». Com a primeira Jesus não critica a dimensão da oração ou da vida interior, seria um grave engano interpretar assim o que Ele disse; não podemos encontrar aqui uma crítica ou uma oposição entre “espiritualidade” ou “prática” (como já aconteceu em certas épocas), mas sim um alerta contra a ilusão de que dizer «Senhor, Senhor» seja suficiente para «entrar» no “lugar”, ou seja, na “esfera” onde está o coração de Jesus, entrar no Seu mundo.

 

Ouvimos Jesus dizer: «nem todo aquele que diz “Senhor, Senhor”»; com isto Ele reafirma que é necessário também o tipo de relacionamento que as palavras “Senhor, Senhor” pressupõem, pois não é possível que sejamos capazes de construir uma relação madura com Deus se não formos capazes de estabelecer uma relação de intimidade e profunda afetividade. Todavia o alerta de Jesus é sobre o perigo de que a oração não seja mais para Deus, mas para nós mesmos, para ficarmos apaziguados com as sensações. Pior, quando estas não são mais capazes de satisfazer o nosso emocional pode-se correr o perigo de ir atrás de estímulos sempre mais diversos e esquisitos, que acabam alienando o discípulo do mundo real enquanto o projetam na busca de um Jesus imaginário.

 

O que resguarda o verdadeiro discípulo de Jesus deste risco?

 

A chave nos é oferecida pela segunda proposição: «Aquele que faz a vontade». Como primeiro ato, vamos nos livrar daquele preconceito materialista onde o “fazer” se reduz a um simples “aplicar”, “cumprir”; se assim fosse estaríamos novamente caindo na atitude de alguns judeus que Jesus tanto criticou para os quais o culto a Deus se resumia num “fazer”, fazer orações, fazer sacrifícios, fazer práticas de bem etc. O Evangelista poderia ter usado vários verbos para indicar em que consiste este “fazer”. Existem verbos que indicam o movimento das mãos (prassw), outros expressam o esforço de construir (ergazomai) etc., no entanto a opção de Mateus para tentar transmitir o que Jesus pensava se definiu na escolha de um verbo (poiew) que significa “dar forma”, “tornar visível”, “fazer com que exista, que possa ser apalpado”.

 

Evidentemente isto dá uma conotação diferente a quanto lemos; e ainda mais quando descobrimos que Mateus usa o mesmo verbo usado no livro de Gênese, quando Deus “dá forma”, “existência”, dá “ser” a o que não tinha forma, existência, ser. Eis, então que, com a expressão “fazer”, Jesus põe o discípulo em direta relação com a continuidade do projeto de salvação que Deus estabeleceu para o mundo, para o homem e suas relações. O discípulo “realiza”, no sentido de que torna visível, possível para o mundo, identificável para quem o queira, o grande desejo de Deus, sua «vontade». Isto será possível não porque ele “trabalha com as suas mãos” (verbo prassw), mas porque encarna em si mesmo o que Deus tem em si mesmo, o que Jesus tem em si mesmo.

 

Diríamos, usando uma expressão de S. Afonso: “Quem faz a vontade de Deus se torna um homem segundo o coração de Deus” (Com. in Ps. 29).

 

Tudo isto acontece não com o simples esforço humano nem com a autodeterminação do homem, mas sim com um lento, paciente, atento processo de assimilação entre o coração do discípulo que ama o Senhor e por isso O segue como pessoa, e o coração de Jesus que continuamente se comunica ao discípulo. Trata-se, então de um diálogo feito de profundo desejo, de fusão, não de mero pragmatismo nem sentimentalismo. É a busca constante de uma união existencial, onde o tudo de mim mesmo deseja o “tudo” da pessoa amada, de Jesus, não apenas reverenciado (“Senhor”), mas amado; como é possível não lembrar o maravilhoso trecho de Oséias onde ele descreve o amor com o qual Deus quer ser amado? Lendo o Profeta encontramos a respeito: «... ela me chamará “meu marido” e não “meu Senhor”» (Os. 2,7); é assim que Jesus quer ser chamado; ora, o amor que não consegue ficar sem a pessoa amada, o amor do marido, na Escritura é expresso com o verbo hebraico “dabaq” que significa “colar”, “unir”, talvez, mais apropriadamente, significa “aderir”. Deste modo se abre uma porta para o entendimento da oração que supera o «Senhor, Senhor» e se transforma no “intenso desejo de estar perto, não apenas interiormente, mas também fisicamente da pessoa pela qual somos atraídos; é o desejo de permanecer ligados a ela em todos os aspectos da vida” (G.Wallis).

 

No discípulo o desejo se torna possibilidade; ele pode demonstrar que é possível viver deste modo assim como Jesus continuamente é unido ao Pai e tem o seu coração no coração do Pai. É este o “fazer” que permite a qualquer pessoa de acreditar que é possível, é dizer ao mundo: “aqui é possível ver que o Reino não é uma fantasia”. É sonhar o sonho de Jesus, é ser missionário com todo o próprio ser, que diz, que deixa transparecer a cada momento o Valor que rege a própria existência, sem precisar de um excesso de palavras.

 

Creio que um verdadeiro discípulo só pode ser um grande “poeta” (a origem da palavra vem do mesmo verbo: “poieo” -poiew- do qual falamos acima), ou seja, alguém que é capaz de dar forma, visibilizar, traduzir para todos algo que existe, mas que é dificilmente percebido por todos. O discípulo é um anunciador que faz da sua existência uma poesia a Deus, que deixa transbordar a sintonia da própria vontade com a de Jesus. 

 

O texto afunda ainda mais o seu significado. Diz respeito à própria ação humana. Uma vez que o Reino é oferecido às pessoas, uma vez que a Palavra de Deus abre novas perspectivas para o homem, deste momento em diante nenhum ato humano é neutro diante de Deus. A Palavra coloca objetivamente o homem diante de si mesmo e da terrível possibilidade de escolher, sabendo que a sua opção não será insignificante diante de um projeto que supera o próprio indivíduo. Ouvindo ou não ouvindo, o homem define a si mesmo como «sábio» ou «insensato», isto porque a história tem um seu desfecho próprio, ela irá na direção que Deus deseja. Figuras desta realidade são os «ventos e enchentes»: estes vêm para todos, prescindindo daquilo que o homem possa pressupor, imaginar ou construir com a sua maneira de perceber a história. A história segue regras diferentes das que podemos imaginar (e disto tivemos muitas vezes experiência nos séculos: nenhum dos grandes sistemas com os quais se pretendia salvar o mundo funcionou, pois o homem de hoje não é mais feliz do que o homem de ontem). Jesus coloca a pessoa diante da sua responsabilidade para com a história. Seus atos não são indiferentes, ouvir ou não comportará um ou outro resultado para o inteiro gênero humano, para o seu “mundo”, a sua «casa».

 

Como são atuais estas palavras! Principalmente no contexto hodierno em que assistimos a uma progressiva aceitação da desresponsabilização como se fosse um dado de fato: ninguém é responsável, a culpa é do “sistema”, do “governo”, da “globalização”, da “sociedade” e assim por diante. A desresponsabilização é a regra comum que está se tornando sempre mais cômoda, fácil, que deixa tudo em paz. Mas não é este o homem como Deus o imaginou!

 

Nós, pessoas de fé, por quanto mínima que for, precisamos pedir diariamente a Deus que seja possível “fazer a Sua vontade” (como Jesus nos sugeriu no “Pai-nosso”), que seja possível ao homem ver que o Pai é pai e não um rival do homem. Precisamos pedir diariamente que as pessoas possam descobrir de serem amadas para amarem a Deus e, para que isto seja possível, o nosso inteiro ser está envolvido com todas as forças, o coração, a mente.

 

Permito-me encerrar com algumas simples, sábias palavras de S.Nilo Abade: “Não temos que rezar para que Deus faça o que desejamos, mas para que sejamos capazes de dar vida àquilo que Ele deseja”.

 

Um bom domingo no Senhor.

Pe. Carlo Batistoni

 


Postado em: 03/03/2011 as 12:06:13





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil