Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 VI Domingo de Páscoa


29 de maio de 2011



   

«Se me amais, guardareis os meus mandamentos, e eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor, para que permaneça sempre convosco: o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber porque não o percebe nem o reconhece. Vós o conheceis, porque ele vive convosco e estará dentro de vós. Não vos deixarei desamparados. Eu virei a vós. Pouco tempo ainda, e o mundo não mais me verá, mas vós me vereis, porque eu vivo e vós vivereis. Naquele dia fareis experiência de que eu estou no meu Pai e vós em mim e eu em vós. Quem faz seus os meus mandamentos e os observa, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele.» (Jo. 14,15-21).

 


 

Estamos vivendo no eco da Ressurreição, que a liturgia prolonga até à festa de Pentecostes. É o tempo em que refletimos e sentimos a estranha situação de “presença e ausência” do Senhor. Ao longo destes dias que estamos celebrando revivemos os sentimentos dos Apóstolos: Ele ressuscitou, se mostrou vivo, mas ainda não assumiu a sua posição definitiva ao lado do Pai, como Rei do Universo e da história. É um Jesus que está presente ainda com os seus, mas não permite a Madalena de “segurá-lo” nesta condição, porque Ele irá ao Pai. É neste contexto espiritual e psicológico que se tornam sempre mais claras as palavras que Jesus havia deixado como herança aos seus discípulos durante a última ceia e que, aqui, são recordadas pelo Evangelista João. Palavras que preparavam os discípulos a viver a nova condição que hoje nós vivemos: a condição da Igreja profunda e eternamente unida ao seu Senhor, mas não do mesmo modo como qual estava a comunidade primitiva. Paulo chamará “mistério” a nova condição com a qual Jesus e a sua comunidade permanecem unidos. Evidentemente a palavra não significa “arcano”, “escondido” “oculto”; a etimologia indica o gesto de fechar os olhos pela intensidade da luz.  

 

Neste trecho que acabamos de ler e que reflete o último diálogo de Jesus com os seus, recebemos do Senhor a mais evidente revelação quanto ao Espírito Santo dando assim cumprimento a toda a revelação de Deus. Se no Antigo Testamento o Espírito era percebido apenas como uma força desconhecida que provinha de Jahvé e que irrompia subitamente no homem para que este realizasse uma missão, aqui a revelação do Espírito de Jahvé alcança o seu auge: não é uma “força”, é uma “pessoa”. Podemos imaginar perfeitamente o espanto gerado e a força de afirmação de tudo isto: dizer que o Espírito é uma pessoa é bem diferente que dizer que é uma “força”, uma “energia” que vem de Deus, ou identifica-Lo com fenômenos estranhos.

 

O que mais escandalizava não era apenas o fato de que Jesus havia demonstrado a sua origem divina e, logo, de ser Ele Deus, mas aqui, ao apresentar o Espírito como uma pessoa colocava em crise toda a religiosidade dos judeus: afinal, como é possível que exista uma mesma divindade em três pessoas? No entanto as palavras de Jesus não deixavam dúvidas: «eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor ».

 

O que está implícito por detrás desta expressão: «outro Defensor»? É a primeira vez que o Senhor aplica ao Espírito de Deus o mesmo atributo que os cristãos aplicavam a Jesus; como deixa transparecer a carta de João: «Temos como defensor junto do Pai Jesus Cristo, o Justo» (1Jo. 2,1). A expressão vem do grego: “paraklhtoV” (paráclito) que significa literalmente “alguém que grita em favor de outro”, ou seja, um defensor acirrado, que não deixa por menos, que faz de tudo para salvar o acusado, que não o deixa sozinho diante do acusador. Ao falar deste modo do Espírito, Jesus o caracteriza especificamente como uma pessoa, uma pessoa que fará o mesmo que Ele fez, um “outro” defensor como Ele o foi. Afinal, quantas pessoas foram “defendidas” por Jesus? Defendidas da falta de respeito, da desconsideração dos potentes, da rigidez do moralismo que se esquece o valor da pessoa para revestir-se de uma falsa “justiça”? Não foi isto que Jesus fez com os leprosos, com os pecadores públicos, com as pessoas esquecidas, com os “pequenos” sem direito de palavra...? Não foi Jesus que derrotou o mal com o seu amor?

A mesma missão de Jesus, defensor, continuaria ainda na comunidade de fé, na Igreja que Ele deixou como lugar da Sua presença no meio do mundo.

 

 

Mas como e com quais meios o Espírito “defenderá”?

 

E contra as acusações de quem?

 

Jesus defendeu a verdade sobre o homem, defendeu a verdade sobre o mundo e as relações que irão permanecer para sempre, identificando com clareza o que é destinado a terminar e o que é destinado a permanecer. Jesus desmascarou a mentira da ilusão coma verdade do amor sem condições; mas como agirá o Espírito?

 

Evidentemente a primeira coisa que precisamos fazer é libertar-nos de alguns preconceitos ligados a formas espetaculares de fenômenos associados ao Espírito Santo. Se Jesus não escolheu de “descer da cruz” (como lhe propuseram) para que o mundo acreditasse, sem dúvida o Espírito não agiria de modo contrário suscitando espetáculo. Ninguém nega a possibilidade de eventos extraordinários, mas estes são apenas extraordinários, assim como a grande parte dos milagres de Jesus. O que mudou o mundo não foram os milagres, mas sim o amor dado sem medida.

 

Creio que o caminho para entender a missão do Espírito nos seja sugerido pela outra afirmação de Jesus sobre o Espírito: «ele vive convosco» (note-se o pronome pessoal!).

 

O que Jesus vê “vivo” ente os seus discípulos é o amor que Ele mesmo deixou plantado e que não morreu sufocado pelas razões privadas, pelo caráter de cada um, pelas visões de vida individualistas. No meio de doze pessoas completamente diferentes e naturalmente pouco compatíveis, Jesus havia deixado semeado o amor, o amor que sabe superar todas as diferenças; um amor que vive, que não pode morrer enquanto os olhares de todos estiverem fixos em Jesus. É um “espírito de amor” que é vivo e age numa comunidade de frágeis homens que se superam continuamente por amor a Jesus.

 

Contudo, enquanto Jesus estará presente visivelmente, de modo histórico e natural, não será possível aos discípulos darem-se conta da grande riqueza que carregam dentro de si, do mesmo modo que nós também percebemos o valor de determinadas coisas apenas quando nos damos contas da sua ausência. A presença e o valor do Espírito, segundo estas palavras, se descobrem a partir do sentimento de “ausência” do Senhor, quando o fiel começa a perceber-se “sozinho” e, no entanto, continua firmemente unido à sua comunidade. O Espírito, acabamos de ler, não é dado a um indivíduo, mas sim à comunidade, à Igreja e se faz «conhecer» através desta. Neste sentido, é claro, podemos aceitar a tradução de “Paráclito” com “Consolador”, ou seja: Ele é Quem se faz sentir quando começa o sentimento de solidão, Quem fica ao lado dos que se sentem “sozinhos”, “órfãos”, “desamparados”.

 

Mas de quem o Espírito defende o fiel e como o faz?

 

Sempre na Escritura o demônio é definido como o “acusador”; ele é o inimigo do homem enquanto o “afasta” de Deus (“afastar-se” de Deus corresponde à expressão: “pecado”; logo, mais que um ato, o pecado é uma atitude, uma posição que assumimos diante de Deus). A perversidade do maligno é paradoxal na Escritura: é acusador enquanto evidencia os erros e pecados que cometemos, exalta-os a ponto de dar-nos a impressão de que Deus nunca irá nos aceitar, perdoar, amar acima dos nossos erros. Veja-se neste sentido o pecado de Davi, a parábola do Filho pródigo, o episódio dos dois malfeitores crucificados com Cristo, etc. O acusador nos faz “esconder” de Deus, da sua Presença, como fez Adão. Dá-nos a ver os nossos erros como centro da nossa vida, exalta o negativo de nós mesmos. Ora, erro é apenas erro, fragilidade é apenas fragilidade... pecado, ao contrário, é exaltação do erro a ponto de tornar-se ponto de separação entre nós e Deus. É não acreditar que para Deus nós valemos mais que os erros que cometemos.

 

O Espírito, agindo numa comunidade que ama, que sabe acolher o erro e limite do irmão, dá a conhecer praticamente como Deus sabe amar, como Deus se importa mais conosco do que com os nossos problemas e limitações que carregamos. O Espírito é o Espírito do “amor de Deus”, não da condenação, da crítica, do julgamento superficial. É o Espírito que “defende” o valor do homem acima dos erros que, porventura, ele possa fazer. Deste modo, quando o fiel entende de ser para Deus mais importante do que qualquer outra coisa, ele pode fazer um ato de profunda liberdade entregando-se ao amor com humildade, sem a presunção de resolver sozinho o seu problema, o seu limite, o seu erro.   

 

Ora, para que haja liberdade e humildade é necessário conhecer a “verdade” sobre nós mesmos e sobre o mundo. Então o Espírito age sob dois aspectos: primeiro fazendo com que conheçamos realmente a nós mesmos com os nossos limites e aprendamos a amá-los com a mediação de uma comunidade que nos mostra a verdade sobre nós mesmos e como é possível amar os nossos limites. O segundo aspecto, creio, é o mais importante: o Espírito acusa o próprio acusador. É isto que nos quer dizer o Evangelista João (no capítulo 16,7ss, que não posso transcrever aqui) quando fala do Espírito da Verdade que convencerá o mundo quanto ao pecado e à justiça. Com a força do amor de uma comunidade reunida em nome de Jesus o Espírito declara abertamente a falsidade das perspectivas propostas pelo mal; se opõe à mentira que é a arma do demônio o qual assim confunde o homem oferecendo-lhe a perspectiva de uma realização fácil a baixo custo que não exige quase nada e coincide exatamente com os caprichos de cada um. A coesão no amor é fruto do Espírito, como sempre repetimos nas doxologias das nossas liturgias: “... na unidade do Espírito Santo”, ou seja, na unidade que o Espírito realiza. Ora, esta coesão, esta união é a mais evidente demonstração que a mentira é destinada inevitavelmente a cair deixando atrás de si um rastro de frustração e, como diz a Escritura com uma bela imagem: «ranger de dentes» (arrependimento sem possibilidade de volta). A mentira da auto-suficiência destina o homem à solidão, à destruição das relações e, com elas, também à destruição de si mesmo.

 

Além de dar ao fiel a força do amor, o Espírito de Jesus não trará “novas revelações”, mas uma compreensão maior da única revelação de Cristo: ele “recordará”.

 

A sua função é “recordar”, isto é “trazer ao coração” (conforme a etimologia latina); ou seja: diante de uma situação qualquer, a pessoa que vive a presença de Cristo numa comunidade de fé, saberá como agir sob a orientação do Espírito o qual “recordará” a ele “como” agiu Jesus, como Jesus escolheu, como Ele viveu uma situação análoga... isto para que o agir do fiel possa continuar a manifestar a mesma revelação de Jesus, apesar da mudança dos tempos e culturas. Para que Cristo possa continuar a viver e agir nele.   

 

 

«Não vos deixo... me vereis» é isto o que esperamos sentir, Senhor, é o que esperamos ver, Senhor, para que o mundo creia na Tua bondade e na força do amor que vence!

 

Pe. Carlo Batistoni


Postado em: 27/05/2011 as 15:49:04





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil