Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 Natal do Senhor


25 de dezembro de 2011



   

«No princípio era o Verbo; o Verbo estava em Deus; e o Verbo era Deus. No princípio Ele estava em Deus. Por Ele é que tudo começou a existir; e sem Ele nada veio à existência. Nele é que estava a Vida de tudo o que veio a existir. E a Vida era a Luz dos homens. A Luz brilhou nas trevas, mas as trevas não a receberam. Apareceu um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Este vinha como testemunha, para dar testemunho da Luz e todos crerem por meio dele. Ele não era a Luz, mas vinha para dar testemunho da Luz. O Verbo era a Luz verdadeira, que, ao vir ao mundo, a todo o homem ilumina. Ele estava no mundo e por Ele o mundo veio à existência, mas o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a quantos o receberam, aos que nele crêem, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus. Estes não nasceram de laços de sangue, nem de um impulso da carne, nem da vontade de um homem, mas sim de Deus. E o Verbo fez-se homem e veio habitar no meio de nós. E nós contemplamos a sua glória, a glória que possui como Filho Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. João deu testemunho dele ao clamar: «Este era aquele de quem eu disse: ‘O que vem depois de mim passou-me à frente, porque existia antes de mim.’» Sim, todos nós participamos da sua plenitude, recebendo graças sobre graças. É que a Lei foi dada por Moisés, mas a graça e a verdade vieram-nos por Jesus Cristo. A Deus jamais alguém o viu. O Filho Unigênito, que é Deus e está no seio do Pai, foi Ele quem o deu a conhecer.» (Jo. 1,1-18).

 


 

Enquanto as cidades se preparavam paro o novo dia, enquanto alguns ficavam acordados pensando naquilo que iriam fazer logo que amanhecesse o dia, enquanto os soldados protegiam seus presídios e os pobres procuravam como todo dia o abrigo melhor para passar aquela noite que parecia tão longa… «Vinha ao mundo a luz verdadeira, aquela que ilumina todo homem».

Discreta, silenciosa, definitivamente a porta que une céu e terra foi aberta por um grande “sim”. Um “sim” pronunciado eternamente pelo Filho de Deus ao qual se uniu o “sim” de um homem e de uma mulher capazes de acreditar naquilo em que ninguém acreditaria. Um “sim” à vida, àquela vida que Deus, desde o principio, oferecera à sua amada criatura. Um “sim” que derrotava definitivamente, em sua raiz tudo o que é “nao-vida” no mesmo instante em que dizia ao mundo: “…E’ possível !”. Era o fim do pecado “da origem”, da distância que pode nascer na raiz do homem, na sua própria essência quando ele opta para si mesmo; pecado origem de todos os pecados. Deus encurtou, eliminou para sempre esta distância fascinando o coração do homem com o coração do próprio Filho, que vinha ao mundo com as armas do amor sem medida. A partir deste dia Deus e o homem teriam um denominador comum que os unirá definitivamente: Jesus, o homem-Deus. Daí em diante tudo o que é humano é também divino. O Senhor ao morrer ressuscitará trazendo consigo esta mesma dimensão humana que aceitou por amor e que antecipa hoje o que será amanhã, como dirá São Paulo: «Nos fez sentar no céu com Cristo» (Ef. 2,6). Tratava-se do grande mistério que encantou o Evangelista o qual, com maravilhoso estupor escreveu noutro lugar: «Nós tocamos o verbo da vida»; “nós tocamos Deus!” (1Jo.1,1).  

 

Mais certo que o amanhecer, Deus realizava a sua promessa e, daquele dia em diante, a historia não seria mais a mesma.

 

O dia que celebramos hoje não é somente a lembrança do nascimento de Jesus, è reviver quanto os primeiros cristãos quiseram dizer ao substituir a festa pagã do “sol nascente” (que era realizada o dia 25 de dezembro) com a festa da certeza de que Deus realiza a sua promessa, certeza mais segura que o “surgir do sol”.

 

É fato notório que não se conhece a data de nascimento de Jesus, principalmente porque na época não se tinha o costume de anotar as datas de nascimento a não ser que se tratasse de reis ou personagens de famílias nobres; e Jesus não era nem um rei nem um nobre. Mesmo assim é um dos personagens da antiguidade sobre os quais temos o maior número de informações, mais do que Alexandre Magno, os Faraós etc. A informação segura sobre Jesus é quanto ao ano, mas não em relação ao dia. Como é que, então se chegou ao dia 25 de Dezembro? O significado é mais teológico e espiritual do que cronológico. O fato é que em Roma a grande parte dos soldados cultuavam o deus Mitra que representava o sol nascente; este deus era celebrado de uma forma especial no “solstício de inverno” -22 de Dezembro- (obviamente lá no hemisfério Norte é inverno quando no Brasil é verão). Nesse dia o sol parece “se esconder” por dois dias para depois “renascer” no dia 25 de Dezembro. Ora, sabemos com segurança que a grande parte dos primeiros cristãos era de origem militar; ao aderir a Jesus Cristo, a fé deles os levou a dizer que o “verdadeiro sol nascente”, Aquele que dá a verdadeira vida, a vida que não termina –como, ao contrário, termina a cada dia o percurso do sol que vai desaparecendo num carro de fogo- é Cristo. Testemunho disso é um maravilhoso mosaico descoberto numa necrópole em Roma –ao lado- e que representa Cristo no lugar do deus Mitra (que segundo a mitologia antiga era conduzido por dois cavalos brancos até o Ocidente).

 

Mas qual o significado mais profundo do Natal? São inúmeros os valores que esta solenidade nos apresenta, gostaria apenas salientar uma, aquela que tanto marcou o Apóstolo João.

 

Na época em que nasceu Jesus a convicção comum era que o homem pudesse de algum modo não perder-se nos braços da morte se, através de práticas de conhecimento, de contemplação, de austeridade, enfim, se fizesse uma série de esforços suficientes a elevar a sua alma para que esta pudesse ficar o mais possível perto de Deus. Sim, nada de errado, mas essa visão tem um grave problema de fundo: deixará sempre uma frustração, pois o homem, mesmo empreendendo tal caminho de “purificação”, de “elevação espiritual”, bem no fundo já sabe que a sua é uma causa perdida, pois nunca o que é humano pode alcançar o que é divino. Se assim fosse o homem seria divino... Logo, por esse percurso o caminho espiritual é uma infindável série de esforços da “mente” e da “moral” para tentar alcançar aquilo que já se sabe de não poder alcançar!  Mas eis que aqui acontece o paradoxal. Sim, o homem pode tornar-se “divino”, o seu relacionamento com Deus não será apenas um esforço de auto-aperfeiçoamento sem resultado final. Sim, o paradoxal se tornou real a partir do momento em que Deus inverteu o processo: não é o homem que tenta chegar a Deus, mas é Deus que escolhe o homem, qualquer homem, e vai a ele assim como ele é. Deus escolhe aquilo que os homens não gostariam de ver de si mesmos, ou seja, tudo aquilo que é frágil, incapaz, conturbado, contraditório... enfim, tudo aquilo que na antiguidade era chamado “carne” em oposição a “espírito” que indicava a parte “melhor” do homem, o homem livre das paixões, projetado no mundo “das idéias” onde tudo é perfeito... Pois é, Deus escolheu encontrar o homem lá aonde todo homem vê claramente a si mesmo: na sua fragilidade. É lá que descobrimos realmente quem somos... e, enquanto o sistema cultural do mundo nos pede de fugir, esconder, fingir que não exista o nosso “problema”, é bem lá, na nossa “carne” que Deus se faz encontrar.

 

 

A festa de hoje vem nos dizer mais uma vez que, não obstante tudo, no meio de um mundo em que o subjetivismo e o relativismo parecem ser a lei comum que rege as relações, Deus continua nascendo com a solidez de sua palavra dada. Deus continua nascendo nos corações, nas estruturas libertadoras e justas. Deus vem nos dizer que não è “tudo relativo”, que esta è a mentira que ilude e confunde o homem contemporâneo e o lança no mais profundo desespero da frustração. Ele nos recorda que há algo de absoluto. A «luz, ela resplandece nas trevas»! è a mensagem de coragem e de esperança de João para todos os que ainda acham que as trevas tenham poder: elas não existem, não tem consistência própria; quando aparece a luz, elas mostram o que são: nada. Ausência pura.

 

Hoje è a tua festa, não somente de Jesus. É a festa de quem ainda crê que o amor è mais forte do que a arrogância daqueles que, desafiam mais uma vez a vontade de Deus, propondo o conflito e a força de poderes solução dos problemas, pequenos e grandes que forem. Hoje è a tua festa, porque você ainda crê na harmonia que emana do presépio; crê no poder do “sim”, que ultrapassa toda expectativa e se transforma em delicada adesão a Deus. 

 

Hoje è a tua festa porque a você, que “acolheu a palavra”, é dada uma incrível possibilidade: ser filho de Deus. Mas o que isto significa? Significa que Deus escolheu ter contigo uma relação única, nova, diferente, como a relação de um pai com seu filho. Filho a todos os efeitos, como é filho alguém que escolhemos para adotar e fazer parte da nossa família mesmo que não tenha nascido do próprio sangue. Mas não se trata de uma filiação apenas de relação externa, mas que deriva da própria encarnação de Deus: Jesus é o denominador comum entre tudo o que é humano e tudo o que é divino, de tal modo que a minha humanidade, aquilo que eu sou, se une definitivamente com aquilo que Deus é. Diríamos, então, que se trata de uma união essencial que passa pela “essência” de Jesus (ou seja: o que Jesus é). Mas é também um “sentir-se” filho. O Evangelista usa a expressão «tornar-se filho». Ou seja nos é dada a possibilidade de experimentar agora o que significa ter uma relação na qual Deus se coloca diante do nós como alguém que nos quer bem, que não julga, que ampara como um Pai ampara e protege o seu filho. Esta segunda dimensão é uma dimensão dinâmica, ou seja, algo que acontece e podemos experimentar progressivamente, à medida com que aprendemos a ouvir, o que Deus nos diz pelo Espírito, a perceber seus pequenos grandes gestos com que nos fala. Esta dimensão dinâmica é a resposta que o homem dá à proposta de Deus. É como na Anunciação: Deus propõe, se lança, oferece, o homem diz o seu “sim” quotidiano… e o milagre acontece, acontece a felicidade, acontece o amor.

 

É um dom ser filho, não é uma conquista, é um dom da pura liberdade de Deus que o concede não a todos, não às trevas, mas a você que “acolheu a palavra”; a você Deus «deu o poder de se tornar filho», poder de se transformar naquilo que já è: filho de Deus, de sentir o que significa tudo isto.  E’ o presente de Deus, a sua resposta ao teu “sim”.

 

Como um grande artista que sabe misturar perfeitamente luz e sombra, o Evangelista nos coloca diante dum Evento, um fato que não permite meios termos, que se coloca como ponto de separação definitiva entre duas mentalidades, a mentalidade de quem acolhe e espera e a mentalidade de quem tenta resolver por si próprio a sua vida. Não posso não entrever, já nas primeiras palavras do Apostolo, (além dos ensinamentos teológicos), uma sutil ironia que è o espelho do comportamento humano e da ação de Deus. Naquele período também, como hoje (e como amanha ), entre as classes elevadas, cultas, era em grande relevo a filosofia, a mãe de todos os saberes, e como sempre o homem se perguntava sobre o porque das coisas, sobre o sentido de sua vida e buscava em sua mente as respostas, a “lógica” de tudo isso, do mundo em que vivia (e vive). Os “porquês” encontravam as mais geniais e intuitivas respostas as quais, no entanto, pareciam sempre serem insuficientes.

 

Os homens de cultura buscavam o “Logos” (que significa “a palavra” no sentido de “palavra chave”, que resolve o problema. Daqui deriva a palavra “lógica”). Buscavam o “sentido” que permeava todas as coisas e que lhes dava um significado… Enquanto isso, -diz o Evangelista- enquanto as pessoas buscavam em suas mentes a “lógica” de tudo… «… o Verbo se fez carne». Aquele “Logos” (“Verbo, palavra”) surpreendeu mais uma vez o homem, fazendo-se encontrar não em idéias, mas em “carne”, o que significa na “fragilidade” que é um denominador comum a todas as pessoas e do qual fazemos experiência nos momentos mais delicados da nossa vida.

 

Se para o mundo dos homens que fazem de sua cultura um poder e uma condição de supremacia o “Logos”, o “Verbo”, o sentido de tudo, permaneceu uma incógnita….não foi assim para os simples.

 

E’ isto que o Natal vem recordar a todos.

 

Com quão grande maravilha e gratidão João, em nome de cada um dos que crêem, dirá: «Nos vimos !» . São os votos que desejo a cada um de vocês, para que possam dizer ao mundo: “Eu vi !”.

 

 

Deus te abençoe !

Um Feliz Natal  

Pe. Carlo Battistoni    

 


Postado em: 21/12/2011 as 08:20:50





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil