Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 I Domingo de Quaresma


26 de fevereiro de 2012



   

«E, logo o Espírito impeliu Jesus para o deserto, onde permaneceu quarenta dias, sendo tentado por Satanás; estava com as feras, mas os anjos o serviam. Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galileia, pregando o evangelho de Deus, dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.» (Mc. 1, 12-15)

 


 

Hoje é o primeiro domingo em que nos reunimos para meditarmos juntos sobre o grande dom que a liturgia nos oferece: a Quaresma. É comum refletir sobre a Quaresma considerando-a como momento passageiro, transitório, como preparação para a Páscoa, o que não deixa de ser verdade. No entanto, creio que possamos ver neste período litúrgico como que o espelho de grande parte da nossa vida: essa não tem valor somente em função de um futuro, a vida vale pelo que é e no momento em que se dá. É o futuro que não existe sem a vida! Jesus se deu a nós como «Vida», ou seja como Sentido  Valor da existência humana que, com Ele, não é apenas “duração” como nos animais e nas plantas, mas “Vida” no sentido mais amplo e profundo que possamos entender.  Como a Páscoa de Jesus é o desfecho do conjunto de toda a Sua vida assim também a nossa Páscoa será o resultado das passagens necessárias que percorremos para trilhar o caminho de Jesus.

 

Com certeza podemos encontrar, nos concisos eventos narrados por Marcos, aquela profunda analogia que existe entre a vida do Senhor e a nossa existência cristã. O trecho que antecede o nosso, encerra com estas palavras: «Tu és meu Filho amado, em ti encontro a minha complacência»; se trata de palavras que Jesus ouviu na ocasião de seu batismo, palavras que não foram apenas para Ele, mas que foram ouvidas por todos, quase a indicar a meta para a qual aponta o sentido da existência de todo homem, ou seja, já que o homem é filho de Deus, precisa se tornar aquilo que já é no mais profundo de si mesmo. É um reencontrar a própria essência para ser plenamente o homem como Deus o havia imaginado. Ora, isto exige um caminho, a inteira vida de Jesus será interpretada pelo Evangelista como o caminho através do qual o homem alcança o mais profundo de si mesmo, e faz isso encontrando-se com Deus.

 

Não podemos deixar de perceber no trecho de hoje uma afinidade com o início da História Sagrada através da qual Deus se faz conhecer: Ele pediu a Abrão para seguir as indicações que lhe daria, mas estas indicações o conduziriam ao deserto, desconhecido para ele e a sua tribo. Analogamente podemos ler que é o Espírito a conduzir Jesus no mesmo “deserto”.  É o caminho de todos nós para conhecermos a Deus do jeito que Ele quer se deixar conhecer. Esta experiência que Marcos quer nos comunicar se desenvolve no cenário típico dos grandes dramas de Israel, o lugar das decisões definitivas, que poderiam conduzir aquele povo tanto para a liberdade quanto para a escravidão: o deserto. Foi no deserto, logo após a saída do Egito que Israel teve que fazer a primeira e decisiva opção em favor da liberdade. Escolher para seguir a Moisés no deserto era uma opção que traria consigo, como consequência, a insegurança de um percurso desconhecido. Por outro lado seria impossível atravessar aquele deserto se não houvesse já implantada, na alma daquele povo, uma confiança extrema em Deus, confiança que, dia após dia, deveria ser renovada. É nesse mesmo caminho de opção renovada que se reconhece a primeira e mais profunda ação do Espírito Santo. Ao re-escolher continuamente entre a liberdade que exige confiança e a escravidão que nos oferece em contrapartida a segurança, o Espírito fortalece em nós o amor, que nos faz escolher entre o que nós desejamos e o que Deus deseja para nós. É o limite entre a fé e o egocentrismo, o hedonismo.

 

O livro do Êxodo narra nestes termos a primeira grande tentação de Israel: «Quem nos dera tivéssemos morrido pela mão do Senhor, na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne e comíamos pão a fartar! Pois nos trouxestes a este deserto, para matardes de fome toda esta multidão» (Ex. 16,3). Israel, mesmo tendo saído do Egito, poderia ainda escolher de voltar para lá, onde teria garantidas as «panelas cheias de carne» e as«melancias», mesmo que isso poderia significar a continuação da escravidão e o fato de permanecer na condição de «não-povo» (cfr. Os. 9,1).

 

O deserto é também o lugar em que Deus fala mais intensamente ao coração das pessoas e, nesses momentos de extrema solidão, frequentemente acontecem os milagres da alma. Nesse sentido é maravilhoso o poema que lemos no cap. 2 do profeta Oseias: quando ele escolhe de conduzir a esposa infiel ao deserto, aonde ela teria perdido tudo o que era fonte da sua aparente felicidade mas assim, apenas ali, ele poderia «falar ao seu coração» de modo que a esposa pudesse realizar aquele salto qualitativo através do qual não «chamará mais o seu marido de “senhor”, mas de “esposo”».  É, logo, o desejo de amor incondicional e mais autêntico que conduz as pessoas da Bíblia para o deserto. É, logo, o Espírito, de amor de Deus para conosco que nos conduz, como Jesus, para aquele deserto que surge de improviso na nossa vida quando menos o esperamos, quando menos estamos prontos. É um lugar de conflito da alma, de situações extremas, de solidão... um lugar em que a dúvida não pode ser partilhada com ninguém e estamos sozinhos para tomar aquela decisão que pode definir de um modo ou outro o restante de nossa vida.

 

«O Espírito impeliu Jesus no deserto» como todos os homens que queriam se reconhecer como os “filhos amados em que Deus se compraz”.

 

O Evangelista nos sugere, através de uma técnica figurativa, exatamente as sensações que todos nós sentimos em determinadas circunstâncias. Quando estamos neste “lugar” parece que nos sentimos abandonados por Deus, no entanto, paradoxalmente, nesse momento, nesse “Lugar” onde não podemos mais ser conduzidos pelos nossos critérios, pela razão, pela certeza que sempre tivemos... bem nesse momento é “o Espírito que nos conduz! Quando tudo não nos conduz mais, é o Espírito que conduz. Então isto significa não somente que Deus não nos abandonou, mas que Ele quer nos enriquecer com algo a mais, bem quando sentimos que estamos em condições de extrema precariedade.

 

Mais uma consideração que surge à mente lendo o nosso trecho. O início do Evangelho, o início da história de liberdade e felicidade de cada um, nasce em território do demônio. Sabemos que era convicção comum que o demônio habitasse esses lugares de morte. O bom anúncio (é isto que significa a palavra “Evangelho”) de que Deus está próximo, se compreende principalmente no lugar do sofrimento. É aqui que a esperança, a certeza da proximidade de Deus, derrota o mal no seu próprio território.

 

 As imagens das “feras e dos “anjos indicam os dois mundos em conflito: Jesus é o ponto de divisão entre os dois mundos, os que servem ao mal e os que servem a Deus; a vida de Jesus será capaz de declarar definitivamente o limite entre os dois mundos.   

 

 Para que a vitória de Jesus se torne também a nossa vitória, Jesus nos pede que aprendamos a arte de crer e de convertermo-nos continuamente.

 

“Crer” é algo mais do que uma simples aceitação de um conceito, de uma ideia ou de algo que nos é contado. Quando nós falamos em “crer” em alguém, o último elemento sobre o qual nos baseamos para dizer “sim” ou “não”, é a nossa razão. Quando realmente precisamos tomar uma decisão total, o que fala mais alto é a intuição, o sentimento, a abertura ou fechamento instintivo que cultivamos em nossa vida e assim por diante. Crer em alguém é dizer um “sim” à pessoa inteira e, a partir daí, ao valor da sua palavra. Ora, para poder conhecer uma pessoa é preciso absolutamente conviver com ela, saber como ela reage, o que para ela é importante, “sentir” seus sentimentos, etc. Então Jesus vem dizer-nos: “caminhem comigo, se arrisquem, sejamos amigos, vejam se mereço o vosso crédito...” É isto que significa para Jesus “crer”.

 

A fé não é crendice nem ideologia, é vida ao lado de alguém; para conhecê-lo e deixar-se conhecer. No momento em que somos capazes de dar um crédito exercemos um maravilhoso ato de liberdade, dizemos a nós mesmos que somos capazes de quebrar as barreiras naturais do medo que nos impõem aqueles limites nos quais atola a nossa vida.

 

Aquele que sabe “dar um crédito”, não tem medo da vida, não tem medo do outro, é capaz de arriscar e ver o mundo não como um inimigo do qual defender-se. Quem “sabe dar um crédito” está convencido de que o amor é ainda possível!

 

Contudo, “crer” implica um longo processo no qual também nós nos deixamos interrogar pela presença do outro. A pessoa que está ao nosso lado passa a ser, após um período de convivência, o espelho de quem somos nós; é ela que nos diz, implicitamente, o que desconhecíamos de nós mesmos. Na verdade será ela quem nos revelará os melhores e piores aspectos da nossa personalidade oferecendo-nos, assim, a autêntica possibilidade de sermos livres, livres de nos ver por aquilo que realmente somos, aceitar-nos até nos aspectos que gostaríamos de esconder a nós mesmos e ao mundo.

 

Aqui entra o segundo pedido de Jesus: “Converte-te.

 

A conversão é o processo que nos mantém constantemente projetados para frente; é a dinâmica que permite de ver o dia de amanhã como algo novo, capaz de não deixar-nos envelhecer e morrer de tédio interior. A conversão é o apelo de Jesus para renovar dia após dia as nossas forças, para fazer-nos arriscar de novo, assim como o jovem que considera a sua vida como um desafio e, neste desafio, encontra a sua vitalidade.

 

Quando percebemos que está na hora de nos converter, redespertamos em nós a capacidade de superarmo-nos, de projetarmo-nos num infinito que tem o próprio Deus como limite. Creio que seja oportuno não considerar a conversão como um único ato através do qual, por uma graça específica de Deus e pela sua generosa resposta o homem “muda” de vida de repente, como por um ato mágico. Trata-se, antes de um longo, interminável processo rumo ao Infinito de Deus, no qual cada um de nós pode ver-se como imagem deste Deus, que é sempre igual a si mesmo e continuamente novo, vivo. A palavra, originariamente significa “mudar de ponto de vista”. Aqui, creio, a conversão encontra toda a sua força.

 

A nossa maneira de avaliar e compreender toda a realidade que nos cerca, passa através de alguns filtros que nós mesmos colocamos. Isto é necessário e natural, no entanto estes mesmos filtros fazem com que nem sempre a realidade vem à nossa consciência pelo que ela é, mas por como nós lhe permitimos de entrar após ter ultrapassado os filtros da nossa cultura pessoal, convicções, experiências, etc.

 

E se a realidade fosse diferente daquilo que vemos? Pois bem, a conversão implica na capacidade de permitir a Jesus de mostrar-nos o que de nós mesmos não conhecemos. Paulo pedia com insistência aos cristãos de Corinto: ”Deixai-vos reconciliar, permitam a Deus de dizer-vos quem vocês são, para que sejam verdadeiramente livres.

 

Jesus tem um mundo a revelar-nos, tem uma boa notícia a comunicar-nos: não é preciso procurar longe o que está tão perto, basta permitir-Lhe de mostrar-nos o outro ponto de vista, a outra realidade que não conseguimos ver.

 

Deus te abençoe!

Pe. Carlo


Postado em: 24/02/2012 as 09:19:15





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil