Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 III Domingo da Quaresma


11 de março de 2012



   

«Estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. Fez então como que um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!”. Seus discípulos se lembraram, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?”. Ele respondeu: “Destruí este Santuário, e em três dias eu o levantarei”. Os judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?”. Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra Dele. Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome. Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia a todos; Não precisava do testemunho de ninguém sobre um outro homem, porque ele conhecia o homem por dentro.» (Jo. 2,13-25).

 



 

Com certeza estamos diante de um dos fatos mais singulares e críticos da história de Jesus quanto à sua relação com o sistema religioso-político de Israel. É um episódio que, por sua amplidão, pode ser compreendido de muitos modos diferentes. Sem duvida a interpretação mais superficial é própria do leitor que simplesmente vê nisso um gesto de “impaciência” de Jesus ou, pior, vê um ato de raiva que demonstra a Sua instabilidade emocional. É obvio que tal leitura é própria de quem não conhece o Evangelho nem o mundo judaico. Se este fosse o sentido, não se vê porque os Evangelistas deveriam ter deixado escrito no Evangelho um texto denigratório em relação a Jesus. Logo, precisaremos percorrer outros caminhos para entrar na realidade que Jesus quis nos comunicar e o que os discípulos compreenderam em relação ao gesto (mesmo que isso tenha acontecido algum tempo depois).

 

Ao contrário desse tipo de aproximações citadas, o fato foi muito bem entendido pelas pessoas envolvidas; ninguém viu o que Jesus fez como um ato de raiva ou revolta contra o sistema religioso ou, que uma moralização simplória. Lê-se, no Evangelho, que nenhuma das autoridades chamou os guardas e os soldados do Templo para prender a Jesus; simplesmente perguntaram: «qual o sinal?». Quem sabe, usando esta mesma pergunta talvez possamos encontrar a porta do caminho que nos conduzirá para alguns aspectos do sentido profundo do episódio.

 

Procedamos cautelosamente e com respeito.

 

Não foi de escândalo nenhum o fato de Jesus ter entrelaçado tiras de couro e ter feito, com estas, algo «como que um chicote» (literalmente: “flagelo”). Jesus improvisou, não “preparou”; o que indica duas atitudes diferentes e a finalidade: não se trata de uma arma que agride, mas sim um instrumento simbólico. Ninguém se perguntou nem perguntou a Ele “por quê?”, mas simplesmente «qual o sinal?», fato que demonstra que todos sabiam o que isto significava. A questão era a abrangência do gesto, o seu alcance. Pois bem, o uso da linguagem simbólica era muito mais comum então do que agora; um símbolo é capaz de trazer à tona significados que as palavras nem sempre conseguem; com esta linguagem reiteradamente falavam os profetas (alguns gestos simbólicos podemos encontrá-los em Jer.13,1-11;19,1-5.1012;etc.). Jesus usou a mesma técnica de comunicação. O Messias esperado, aquele que iria instaurar o novo reino e promulgar a soberania de Jahwé era representado, pelos ensinamentos dos rabinos, tendo um “flagelo” nas mãos (o “flagelo” era “como um chicote”, não um chicote, feito de tiras de couro). Com este castigaria aqueles que eram tidos como pecadores e, por isso, estavam excluídos da comunidade dos homens piedosos os quais, frequentavam o Templo, faziam orações públicas, sacrifícios etc. O “flagelo” indicava tanto chicote quanto também as “dores” do parto de um novo dia. Quando Jesus entrelaçou o “flagelo” todos entenderam que se tratava de um gesto simbólico: Jesus estava se declarando publicamente, o Messias esperado e, com isto, indicava o início de novos tempos. Os Profetas vaticinavam que o Messias ter-se-ia manifestado no Templo, então os religiosos viram no gesto uma declaração religiosa de Jesus. Por outro lado os Zelotes (que no ano 6 haviam começado uma revolta contra Roma), interpretaram o gesto como o início de uma nova revolta, quista e abençoada por Deus. Para os líderes religiosos o início da era messiânica coincidiria com a “purificação de Israel” tanto esperada; ou seja, quando Deus através do seu Messias castigaria os ímpios afastados. Mas, espantosamente, Jesus, ao invés que “flagelar” os pecadores afastados do Templo e da religiosidade, investiu contra aqueles que estavam no Templo, os “comerciantes”. É isto que surpreendeu a todos, pois eles estavam fazendo o que era seu direito e, em certo sentido, um serviço aos peregrinos que precisavam comprar animais e trocar suas moedas.

 

O gesto surtiu o efeito desejado, bem como Jesus gostava de fazer!

 

Percorramos mais algumas indicações do texto.

 

O Evangelista diz que «no Templo, Jesus encontrou os vendedores»; o Senhor não encontrou pessoas que estivessem em atitude de oração, que quisessem realizar a “Páscoa de Deus”, mas sim a “páscoa dos Judeus”, ou seja a festa dos comerciantes. Nunca no Antigo Testamento se encontra a expressão “páscoa dos Judeus”, mas sim: “páscoa do Senhor” (Ex. 12,11.48; Dt. 16,1) isto porque é o Senhor que dá a festa. No entanto, a festa de Deus, que liberta e salva o seu povo, mostrando assim a sua gratuidade no amor e na predileção não merecida, aos poucos havia se transformado na “festa dos judeus”, a mais importante fonte de renda de Jerusalém, o sistema econômico financeiro mais lucrativo do Médio-oriente. Não vem o caso descrever aqui o volume das atividades e o giro de dinheiro ligado ao Templo; basta pensar que as licitações para as vendas de animais eram concorridas três semanas antes da Páscoa, vendidas ou cedidas em troca de favores; somente os cordeiros imolados passavam de 18.000, grande parte dos quais eram comprados num redil – no Monte das Oliveiras- de propriedade da família de Ananias, sumo Sacerdote. Era a “festa dos comerciantes” não dos homens de fé.

 

Jesus dirigiu a sua palavra de repreensão apenas contra o vendedores de pombas, isso não é estranho? Sabemos que o Evangelista João faz uso contínuo de imagens simbólicas, ora, nos Evangelhos a pomba era a imagem do Espírito, o mesmo Espírito que rege o relacionamento entre Jesus e o Pai; Espírito que fez ouvir a sua voz no Batismo. As pombas eram o único modo como qual os pobres poderiam oferecer a Deus a própria devoção o próprio culto. Jesus disse aos vendedores: «tirai isso daqui». O que o Evangelista quer nos sugerir com isso? Pois bem, é que o amor a Deus não se pode vender nem comprar, não pode ser classificado e sujeito a padrões econômicos. O amor é livre e é feito por um relacionamento de filiação, apenas isso agrada a Deus. Apenas assim Deus pode celebrar a “sua festa”.

 

O gesto de Jesus foi mal interpretado por muitos dos fariseus e pelos próprios discípulos; Nicodemos, que mais tarde irá falar com Jesus “durante a noite” também interpretou o gesto de Jesus como um gesto com o qual Ele começaria a “purificação” do Templo devolvendo a esse o mesmo esplendor de antigamente, a mesma função de ser ponto de encontro com Jahvé. Mas Jesus não defendeu o Templo, aliás, pediu que fosse destruido! Isso deixou todos em confusão.

 

Um preceito do Deuteronômio diz assim: «Ninguém se apresentará diante do Senhor de mãos vazias» (Dt.16,16); mas esse, que queria ser um princípio espiritual, bem cedo se transformou numa justificativa religiosa para outras finalidades bem menos religiosas: todos, a partir dos doze anos, eram obrigados a levar ao Templo parte de seus bens. Eis, então que se nos apresenta mais um significado do gesto de Jesus: não é preciso se apresentar diante de Deus com a atitude de “comerciante”, como alguém que barganha com Deus, contrata, mede, pesa. A Páscoa de Deus é pura gratuidade, não comércio. A Pàscoa é a celebração da ação livre e gratuita de Deus que sempre “vai ao homem” para libertá-lo da aflição que prova no lugar onde caiu. Deus não se deixa vincular às pretensões de quem se acha credor, apenas porque fez tudo o que era preciso fazer... Deus é pura gratuidade: não importa apresentar-se de “mãos vazias” dainte Dele; talvez isso seja até melhor do que se apresentar com os sacrifícios feitos, como manda a religiosidade. Ou, como poderíamos dizer nós: com um monte de boas obras...

 

Lendo o mesmo episódio narrado pelos outros Evangelistas, notamos um pequeno detalhe: Jesus «expulsou todos», tanto os que “vendiam” quanto os que “compravam”. Aqui, então superamos o ensinamento moralizante quanto à atividade econômica ligada ao Templo. Trata-se de algo mais; temos mais um ensinamento de Jesus: se por um lado existem pessoas que utilizam as coisas de Deus por finalidades próprias, por outro lado é pecador também quem quer “comprar” Deus com seus sacrifícios, com suas obras. São estas as atitudes contra as quais o Messias, inesperadamente, se ergue, e não contra as pessoas que, por inúmeras motivações, “não estão no Templo” - como dizia a Teologia clássica dos rabinos. A estes, o Messias não mostra o seu flagelo, mas sim o mostra a quem compra e vende a relação com o Pai. O novo tempo será inaugurado por outro estilo de vida espiritual, por outra relação com Deus. 

 

Qual, então a nova proposta de Jesus?

 

Lendo o Evangelho percebemos algo estranho: Jesus se dirigiu com particular veemência contra os vendedores de pombas: «E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!”», como se estes fossem os mais perigosos mercantes. Qual deve ter sido a motivação deste proceder de Jesus?

 

A pomba, como dissemos, era usada pelas pessoas da classe média-baixa, como oferta de expiação do pecado (cfr. Lev. 5,7ss.). A idéia que está por detrás da palavra “expiação” é: voltar a ser “pius”, isto é, em condição correta diante de Deus. Isto era possível uma vez que a pessoa “devolvesse” a Deus (com um símbolo como a pomba) o que havia “usurpado” desobedecendo à Sua lei. Como é possível que a relação com Deus se resuma nisso? Isto é comércio! Mas, então, qual é o culto que agrada a Deus?

 

Em nosso auxílio vem o episódio do Batismo de Jesus. Quando Jesus se dispõe a seguir sem limites, por amor ao Pai, o projeto de redenção do homem, o Pai envia o seu Espírito, a sua força de comunhão constante, o seu “respiro de vida”; Lhe fala e O reconhece como «Filho amado». Símbolo de todo este complexo momento é uma pomba. Uma pomba de reciprocidade infinita, sem medida, sem “se”, sem “porém”, sem “até que...”. Esta é a pomba agradável a Deus que realmente coloca o homem na condição correta com Deus, na relação que o Espírito gera. Não uma pombinha comprada e cedida a Deus. Ele não se contenta com pouco, deseja tudo para poder dar tudo! É esta relação que realmente tira o pecado do homem; aniquila progressivamente, passo a passo, as distâncias criadas pelo medo, egoísmo, auto-suficiência... A verdadeira pomba que une o homem a Deus é a atitude de disposição sem condições, é ter o mesmo Espírito de Jesus, de amor sem limites.

 

Eis então a nova proposta de Jesus: «Tenham coragem de destruir este Templo», ou seja, esta maneira de entender a relação com Deus; «E eu construirei um novo Templo», ou seja, um novo lugar onde todos poderão se encontrar com Deus do modo como Ele se deixa encontrar. Jesus (como entenderão mais tarde, os cristãos, principalmente por obra da reflexão Paulina) estava falando do Seu “corpo”, da Igreja, comunidade onde Ele viveria até o fim dos tempos para ser Sacerdote verdadeiro que une o Pai aos homens e, assim fazendo os purifica do pecado com aquela força que brota em nós quando nos sentimos amados, de amor gratuito.

 

«Vocês são o Templo de Deus!» dirá São Paulo aos cristãos de Corinto (1Cor. 3). A comunidade de fé, mais que uma sociedade, é o mistério da presença de Jesus no meio da humanidade, lugar de encontro e de perdão, lugar onde se aprende a não comercializar com Deus, mas sim a entregar-se a Ele sem pôr condições.

 

Deus te abençoe,

Pe. Carlo

centrobiblicord@yahoo.com.br 


Postado em: 08/03/2012 as 12:04:19





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil