Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 II Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012



   

«Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: "A paz esteja convosco".  Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: "A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio". E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: "Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos". Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe depois: "Vimos o Senhor!" Mas Tomé disse-lhes: "Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei". Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: "A paz esteja convosco". Depois disse a Tomé: "Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel". Tomé respondeu: "Meu Senhor e meu Deus!". Jesus lhe disse: "Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!". Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e, para que, crendo, tenhais a vida em seu nome» (Jo. 20,19-31).

 


 

Tinha sido um dia como nenhum outro. Pasmos pela sequência dos acontecimentos maiores do que as suas mentes poderiam alcançar, os discípulos tentavam reencontrar a si mesmos olhando um para o outro como se alguém dentre eles tivesse uma explicação plausível... Quando os eventos nos ultrapassam a tendência é sempre aquela de encontrar segurança naquilo que sempre tem sido o nosso mundo, o mundo que podemos controlar, o menor possível, para não nos perdermos mais ainda. Era assim que os discípulos buscavam de novo sua segurança recolhendo-se num lugar à parte. Uma mistura de sentimentos permeava seus corações; o medo dos judeus era sem dúvida o que tinha primazia, mas também aquele sentimento que na nossa tradição chamamos “temor de Deus”; que é a belíssima virtude, fruto do Espírito Santo, que se manifesta quando sabemos de estar diante de uma ação misteriosa e tocante de Deus. Até a frenética corrida ao sepulcro havia deixado mais perguntas que respostas. Nada mais seria igual, em poucas horas toda uma vida estava adquirindo um sentido deferente para todos eles; o que podia ser um sonho, sonho não era mais. Uma inquietante pergunta pairava sobre todos: “ ... e agora ?”. Mas antes de responder a isto, já que tudo estava mudado, antes de saber “o que fazer” era preciso saber “quem” eles eram. De fato, é somente quando sabemos “quem somos” que “o que fazemos” nos dá alegria e satisfação, pois nossos atos são a manifestação do nosso “eu” mais autêntico. Ora,  apenas quando há consequência e coerência entre o que somos e o que fazemos é que estamos em harmonia e, esta, se torna testemunho Daquele Deus que fez o homem à sua imagem.

 

Hoje estamos diante da primeira de várias manifestações de Jesus após a Ressurreição; tais aparições, perpassam a dimensão comprobatória, ou seja, não são apenas sinais demonstrativos. Jesus não queria nem precisaria demonstrar nada para ninguém. Se assim fosse, então Jesus teria que ter aparecido primeiro a seus antagonistas, mas não foi assim. A finalidade é completamente outra. As aparições têm essencialmente uma função educativa; em cada uma delas Jesus ajuda sua comunidade, a sua Igreja aos alvores de uma nova maneira de existir, a descobrir a própria identidade e a missão nos vários aspectos e circunstâncias em que a Igreja se encontraria a operar no decorrer da história da humanidade. A comunidade de Jesus precisava aprender a viver com a nova maneira de Jesus estar presente com ela. Essa comunidade, frágil, pequena, insegura de si mesma será para sempre o lugar que Jesus escolheu para estar com os homens de todos os tempos. É por isso que o Concílio Vaticano II chama a Igreja de “sacramento”; sacramento fonte de todos os gestos salvífico de Jesus que celebramos na nossa história: eucaristia, penitência, batismo etc. Esta comunidade é o lugar de encontro com Jesus. Jesus ressuscitou, por isso não permaneceu vinculado ao espaço e ao tempo e, bem por isso o Senhor pôde levar a cumprimento a Sua promessa de permanecer junto aos “seus”. A leitura de hoje evidencia justamente essa nova condição de presença-ausência de Jesus com a sua comunidade que é a Igreja reunida, reunida em torno a Pedro, a Maria.  Sim, Jesus se colocou além das condições físicas que nós conhecemos, está presente numa outra dimensão sim, mas é ele mesmo! Esta é a ideia de fundo que permeia todas as aparições: «Sou eu mesmo!» dirá Jesus aos discípulos.

 

Que realidade fantástica saber que somos depositários de um tesouro tão grande, saber que nesta, nesta mesma Igreja em que vivemos, cheia de contradições e fragilidades, Jesus decidiu permanecer! No mesmo lugar de onde alguns preferem se afastar... Quão grande honra saber que Ele, o Senhor, confia tanto em nós, a ponto de que São Paulo, inúmeras vezes recordará aos cristãos: «vocês são o templo de Cristo!». Jesus vive e age em nós, comunidade unida em seu nome.

 

A leitura do Evangelho de hoje é extremamente rica de vários elementos sobre os quais não temos agora condições de determo-nos. No entanto gostaria de pousar a atenção sobre um deles, que nos ajuda a compreender toda esta ação educativa de Jesus para com a sua comunidade.

 

O episódio narrado se dá «no lugar onde eles estavam»; eles, os discípulos. O fato de não ser especificado que se trate dos “doze” (como comumente João chama os Apóstolos) indica que tudo quanto acontece é para toda a comunidade, a inteira comunidade dos que seguem Jesus, os discípulos, isto é aqueles que estão dispostos a aprender, ou seja um grupo mais amplo que os Apóstolos e que inclui os Apóstolos.

 

É para estes que Jesus «entrou estando as portas fechadas»; não para outros, “de fora”! É um ato restrito, íntimo, específico para a sua comunidade!

 

Ao presenciar o fato de entrar «estando as portas fechadas» podemos imaginar a obvia reação dos presentes: imaginaram de ter tido uma visão, um “fantasma” como o chamavam antigamente, ou, como hoje diríamos mais “sabiamente” uma “materialização”, um “ectoplasma”... (enfim, a fantasia pode criar inúmeros vocábulos). Como resposta a uma tal suposição Jesus fará questão –aqui e nas outras aparições- de mostrar que é Ele mesmo em carne e osso, não um espírito vago e indefinido. Por que? Em primeiro lugar para dizer aos seus que o evento da Ressurreição não se limita ao fato de Ele ter vencido a morte. É algo maior, ou seja, o mesmo Espírito que modificou seu corpo em um corpo capaz de ultrapassar os limites da física que hoje conhecemos (e que não é definitiva) a ponto de Jesus entrar «estando as portas fechadas», este mesmo Espírito envolveu a inteira criação e todos os homens, passados presentes e futuros.

 

A partir da Páscoa a natureza inteira e com ela o homem, foram libertados de seus limites estruturais. Com a Páscoa o homem se tornou realmente uma criatura nova, como neste período litúrgico nos recordam as várias orações e prefácios da Missa.

 

Se hoje podemos realmente comungar o Corpo de Cristo, isto se dá porque tanto Ele, quanto nós fomos colocados por este evento numa dimensão que ultrapassa a condição natural. Jesus ressuscitado e o homem inserido com o Batismo em Cristo, possuem um denominador comum. Esta nova situação permite realmente que o homem possa fazer comunhão com o Senhor Deus, de se encontrar de fato (e não sentimentalmente ou emocionalmente) com Ele. O que estamos comungando é realmente o mesmo Jesus que apareceu aos discípulos, pois tempo e espaço, daquele dia em diante, não constituem mais um limite que nos impeça de “tocar Jesus como o tocou Tomé. Fazer comunhão não é um fato “figurativo que relembra o dia da ultima ceia....” como dizem alguns: é a realidade do encontro com Jesus ressuscitado, através daquele mesmo corpo que viram os discípulos; por um lado, ligado à matéria que conhecemos, por outro, ligado à “matéria” que supera nossa natureza. É “pão” mas não é só “pão”.

 

Naquela noite, Jesus quis deixar clara também a missão da comunidade cristã: essa será para a humanidade dos séculos vindouros, aquilo que Jesus de Nazaré foi para seus contemporâneos. «Como o Pai me enviou, eu envio vocês». Desse modo, Jesus estabelecia uma direta relação entre Ele e a comunidade de fé e, com esta relação, também a sua missão ou seja: a comunidade de fé deveria ser para os homens e para Deus aquilo que Ele foi para os homens e para o Pai. Eis então o núcleo da missão da Igreja: viver com a maior coerência possível o grande mistério que ela carrega, isto é, o de ser lugar da presença de Cristo e, contemporaneamente, lugar de encontro, assim como Jesus o foi. Nele toda a divindade estava presente e Nele todo homem podia encontrar-se com Deus. Ora, o que o homem precisa para a sua realização, a única realidade que pode satisfazer o anseio de infinito que queima em seu coração, é o encontro com Deus, encontro verdadeiro, autêntico e singelo.

 

O encontro é “vida”, o não-encontro, a distância, é “morte” na linguagem bíblica.

 

Nesse sentido se compreendem em toda a sua riqueza as palavras com as quais Jesus entrega à comunidade o ministério do encontro: «A quem perdoardes os pecados serão perdoados, a quem não os perdoarem, não serão perdoados». Longe de restringir-se a uma pura jurisdição, as palavras de Jesus contêm um mais profundo mistério. A expressão “pecado”, significa: “erro de alvo” (segundo uma linguagem militar retomada no cristianismo primitivo); o pecado é, então, a distância entre o objetivo da minha vida, o seu sentido último e aquilo que de fato faço ou na condição em que estou. Sendo assim, as palavras de Jesus podem ser lidas como um pedido nestes termos:  já que o mundo está distante de Deus, está no “pecado” pois seus interesses são outros, aonde estes homens poderão diminuir ou até mesmo eliminar a distância (seu pecado) com o meu Pai se não isto não for através de vocês ? Se vocês não o fizerem, quem o fará? Se vocês não “perdoarem” ou seja se não forem vocês os que desejam “extinguir a distância”, quem o fará? Esta permanecerá....

 

A comunidade dos discípulos é para Jesus o instrumento para que o pecado do mundo seja eliminado e assim todos possam se encontrar e comungar com Jesus. A Igreja é, para Jesus o lugar e instrumento onde poderá ainda oferecer aos homens o movimento mais profundo de um coração (ou, “das entranhas” para usar a linguagem bíblica) que é chamado “misericórdia”, qual não é um simples gesto de compactuação com o erro, nem passar por cima desse. É ir além do erro e recordar-se que a pessoa vale bem mais do que o erro que porventura possa ter cometido; é um deixar-se levar pelo amor que conduz ao encontro mais do que pelo julgamento que pode criar distâncias. É a reconciliação!

 

O mistério do reencontro, da reconciliação é entregue a toda a comunidade dos discípulos. É na vida deles, em suas relações sinceras, abertas e fraternas que aqueles que estão distantes podem se encontrar com o rosto autêntico de Deus. A reconciliação, o reencontro, se realizam então, não como um ato mágico, mas como patrimônio de uma inteira comunidade que gera as condições favoráveis através das quais Jesus salva, chega perto, acolhe, mostra o Pai. Nesta comunidade de fé, que traz um profundo mistério, cada um tem seu lugar, os discípulos e os Apóstolos; isto é o conjunto dos fiéis e as pessoas prepostas a dar continuidade à comunidade que Jesus criou: os Apóstolos e, evidentemente, seus legítimos descendentes. Assim, o encontro assume um caráter de “sacramento”, isto é um gesto de Jesus que continua operando através da comunidade que  Ele quis, um gesto realizado em conjunto entre a pessoa que busca um encontro, a comunidade que oferece as condições necessárias para tanto e os sacerdotes enquanto descendentes -em segundo grau- dos próprios Apóstolos de Jesus.  

 

            Ao sentir-nos envolvidos por tão grandes realidades, não pode não surgir um sentimento de profunda comoção ao considerar quanto Jesus confia em cada um de nos; quanto Ele confia na força de conversão que a comunidade carrega em si, uma comunidade cheia de limites, diferenças, mas que age em sintonia para dizer a todos quem é como é possível se encontrar com Deus.


Postado em: 10/04/2012 as 16:01:28





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil