Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 IV Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012



   

    «Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor nem dono das ovelhas, quando vê o lobo se aproximar, abandona as ovelhas e foge, enquanto o lobo as arrebata e as dispersa. E isto porque é mercenário, e não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Conheço minhas ovelhas e minhas ovelhas me conhecem, como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a vida pelas minhas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas, mas não estão neste cercado, é preciso trazê-las também. Elas ouvirão minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor. Se o pai me ama é porque dou minha vida para retomá-la de novo. Ninguém tira a vida de mim; mas eu a dou por minha própria vontade. Tenho poder de entregá-la e poder de a retomar. Este é o mandamento que recebi de meu Pai”. » (Jo. 10,11-18)

 


 

            Entre as imagens preferidas do Oriente Médio com certeza se sobressai a imagem do pastor. É uma figura querida, amada. É o símbolo da fidelidade àquilo que é pouco; um “pequeno rebanho” é suficiente para se ter um pastor e, a ele pouco importa o número de ovelha; ele é pastor de uma como de cem ovelhas, pois estas só precisam de um único ponto de referência. Dois pastores, num rebanho, são obsoletos, pois a inteira grei se move sempre olhando para um só ponto de referência, no caso, o pastor. Entende-se então o respeito que se tinha pela imagem do pastor em seu sentido originário, o mais singelo. Contudo, à medida que o sistema social e econômico de Israel ia mudando e a dimensão do lucro ia sufocando a economia doméstica que tanto valorizava o pastor, a sua figura ficou desbotada, empobrecida. Desvaneceu a poesia e os valores ligados a esta imagem. Foi assim que o pastor acabou se transformando em simples empregado, que não tinha interesse nem ligação alguma com o rebanho. Na época de Jesus os pastores eram contados entre os pecadores; eram considerados suspeitos, pois fraudavam quanto ao leite, à pele e ao peso da lã que deviam ao patrão do rebanho. Além disso, eram muito pouco religiosos e acusados de imoralidade. Mas não era assim no início. Entre as figuras de linguagem mais expressivas para indicar o quanto Deus ama o seu povo, a mais antiga a encontramos no livro de Gênese. Jacó, antes de morrer deixa uma benção para cada um dos patriarcas das tribos de Israel; a José e à sua tribo garante a benção que virá «pelo Pastor, pela Pedra de Israel, o qual te ajudará.  Virá pelo Todo-poderoso, o qual te abençoará com bênçãos dos altos céus» (Gen. 49,24-25). Aqui, Deus é “rocha” e “pastor”; isto é, firmeza e fiel cuidado. Israel é o rebanho, o qual não sobreviveria sem o seu pastor.

 

Por outro lado, lemos a veemência com a qual o profeta Ezequiel investe contra os falsos pastores, isto é, contra aqueles que aproveitam da fragilidade natural da ovelha para própria vantagem. Não creio que seja inoportuno ler uma parte do trecho com o qual o Profeta expressa toda a decepção e a mágoa de Deus, o qual vê a sórdida malícia daqueles que se aproveitam dos mais frágeis: «Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não deveriam os pastores apascentar as ovelhas? Vós vos nutris de leite, matais as ovelhas goradas, vos revestis de sua lã; mas não apascentais as ovelhas. A fraca não fortalecestes, a doente não curastes, … mas dominais sobre elas com rigor e dureza. Assim, se perderam, por não haver pastor e se tornaram pasto para todas as feras do campo» (Ez. 34,2-4). Na ocasião deste oráculo, Ezequiel não deixou triunfar a decepção quanto ao operado dos pastores e, em nome de Deus, assim continuou: «Eu mesmo tomarei conta das minhas ovelhas… suscitarei um pastor que as apascentará». Ora, nos surpreende a coincidência: Jahvé diz que ele mesmo cuidará do seu rebanho, por outro lado diz que ele suscitará um pastor. Assim, o “Pastor” e Jahvé parecem coincidir. Pois bem, levando em consideração esse pressuposto no entendimento do oráculo de Ezequiel, podemos perceber imediatamente o impacto das palavras de Jesus quando, então, se define «o Pastor». Estamos diante de um dos mais antigos e profundos momentos da auto-revelação de Jesus; apontando a si mesmo como o Pastor de Israel, o Pastor do novo Israel representado pelos Doze, Ele se declara “Deus-enquanto-apascenta”. Declara a si mesmo como sendo o mesmo Jahvé de quem falava o Profeta.

 

Como os fariseus não considerariam isto uma blasfêmia? E temos mais.

 

Para compreender melhor o peso da afirmação de Jesus e não parar num moralismo simplório sobre o comportamento (pois não é somente disso que Jesus fala, não é este o núcleo do trecho), creio que possamos aproveitar de um outro conceito que o mundo da época associava ao pastor.

 

Em escritos e baixo relevos dos Assírios e na Babilônia, a figura do Pastor é associada àquela do Rei Justo, do rei que, por sua justiça, irá instaurar um reino que durará; um reino destinado a não cair como todos os outros reinos injustos. O Pastor é então rei de um reino que não tem ocaso, um reino de justiça. Creio que precise aqui uma pequena observação. Quando nós falamos de “justiça” entendemos geralmente o processo retributivo, pelo qual cada um recebe o que lhe é devido. É fundamentalmente essa a imagem da “justiça” segundo a cultura grega a latina, fato pelo qual a Deusa da Justiça (Diké) é representada de olhos vendados, para indicar que ela não olha para ninguém e assim pode ser imparcial. Pois é, mas esse conceito de justiça existe sim, mas  não é o principal na Escritura. Na Bíblia a justiça é “Deus que faz jus, que honra a palavra dada”. Mas Ele pode fazer isso apenas, como nos diz o Evangelho de hoje, porque «conhece uma a uma as suas ovelhas». Para Deus, para Jesus, cada um de nós é diferente, único, e não pode ser tratado de modo indefinido, anônimo. De cada ovelha o verdadeiro pastor conhece até o balido! Eis quem somos nós para Jesus. Não somos um aglomerado de pessoas que O seguem.

 

Lembro como fiquei feliz um dia em que escutei de uma pessoa que estava em busca de fé esta expressão: “Então eu significo algo para Deus! Eu existo para Ele!” e ali começou a sua fé.

 

Jesus é um Pastor portador de uma nova lógica, de um novo critério de vida. Um Pastor que cuida de cada uma das ovelhas e mais ainda daquelas que parecem não esperar nada mais da vida... o Pastor carrega em si a possibilidade de que as esperanças dos mais frágeis sejam realizadas. É um rei de esperança na certeza do êxito.

 

Ao declarar-se “o Pastor”, Jesus está indicando que Ele é o portador desta esperança que os frágeis carregam dentro de si apenas como um sonho; contudo, Nele  e com Ele o sonho é o início de uma realização possível porque Ele dá a sua vida para o bem das ovelhas. Esta lógica de amor sem fim é a realidade que permanecerá para sempre.

 

O Pastor de Israel instaura dando a sua vida um reino onde a ovelha mais fraca tem o seu lugar; onde alguém se importa com ela; onde à lógica da exploração se pode responder com a lógica do cuidado amoroso. O amor é doação: «o bom pastor dá a sua vida». Isto é o que distingue e fundamenta o reinado de Jesus de qualquer outra tentativa de reinado.

 

É a força atraente do amor que sabe dar.

 

Permito-me apontar mais um aspecto que nos é sugerido por este trecho tão rico.

 

Porque Jesus se define «bom»?

 

Certamente precisamos levar em consideração a diferença que o Senhor aponta entre o mercenário e o pastor; mas creio que seja coisa bem escassa se esgotarmos o seu significado nesta questão ética e moral tão obvia. Pois bem, para entender melhor podemos recorrer aos costumes dos antigos pastores nômades de Israel.

 

Hoje, a nossa maneira de criar ovelhas é “industrializada”, o rebanho é “confinado” para dar mais lucro. Para isso temos à disposição uma área plantada com forragens: é um campo do qual as ovelhas não saem. O tempo, o adubo e a chuva fazem crescer o pasto mas as ovelhas ficam lá, presas. Não era assim no ambiente de Jesus nem dos seus antepassados. Imaginemos um grupo de pessoas de então, um clã que vive do seu rebanho e com o seu rebanho, dia após dia. A vida dos dois corre ao uníssono. Mas ali, diferentemente das nossas regiões, não chove com tanta frequência; o pastor não pode ficar “esperando a chuva”; agir desse modo significa morte certa para todo o clã e para o rebanho. O pastor, o bom pastor, deve saber reconhecer quando e onde choverá; deve saber reconhecer com antecedência suficiente para desmontar o acampamento, organizar o clã e o rebanho para empreender a nova viagem rumo à chuva, à vida.

 

O bom pastor sabe “quando” e “onde” ir. Sente.

 

Ele “sabe” e por isso pode conduzir rumo a uma meta de vida.

 

É assim que Jesus interpreta a si mesmo e se oferece aos homens, os quais podem decidir se confiar ou não Nele. Levantar todo um acampamento era um risco; significava abandonar uma área com um mínimo de garantia para se expor empreendendo mais um outro caminho. Quem faria isso? No entanto o bom pastor sabia que aquela aparente segurança de um acampamento montado, bem estabelecido, seguro, aos poucos se transformaria em morte certa!

 

Era preciso abandoná-la antes mesmo que esgotasse todos os seus recursos.

 

Assim age Jesus conosco quando nos pede de deixar aquilo que para nós é já algo satisfatório, que nos basta, que parece “estar bem assim”. Jesus sabe que isto esgota-se aos poucos, sem que o percebamos de uma vez e se transforma em morte do nosso espírito, o qual é incansavelmente atraído para o infinito, que é Deus. Jesus solicita e acompanha como Bom Pastor a busca insaciável do nosso coração que deseja o amor acima de qualquer outra coisa. Ele sabe que para termos o Seu amor em nós precisamos necessariamente acolher o risco de levantar o acampamento e o Espírito do Senhor nos ajuda a desmontar uma a uma todas as nossas tendas...

 

Jesus é o bom pastor que não deseja a derrota de suas ovelhas, não deseja que fiquem sem a água da vida simplesmente porque ninguém as empurrou rumo a novos pastos.

 

Não cério que possamos encontrar na Escritura uma descrição mais significativa deste belíssimo diálogo entre o pastor e a ovelha como no Sal. 23 «O Senhor é o meu pastor: mesmo que eu passe por um vale árido, sombrio, porque temerei? O Senhor está comigo!».  Do quê mais eu preciso? Se Ele me ama a ponto da dar a sua vida, porque temer quando não enxergo o que Ele vê...?

 

Que a imagem do Bom Pastor reforce em cada um de nós a coragem de aderir, sem colocar condições, certos de que o Bom Pastor sabe “onde” e “quando”… 

 

 

Deus te abençoe,

Pe. Carlo

centrobiblicord@yahoo.com.br


Postado em: 24/04/2012 as 19:33:45





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil