Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 V Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012



   

«Eu sou a videira verdadeira e o meu Pai é o agricultor. Todo o ramo que em mim não dá fruto Ele o corta e poda todo o que dá fruto, para que produza mais. Vós já estais limpos por causa da palavra que vos tenho anunciado. Permanecei em mim, como eu em vós. Como um ramo, se não permanecer na videira, não poderá dar fruto por si mesmo, assim também vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu nele, produz muito fruto, porque, sem mim, nada podeis fazer. Se alguém não permanece em mim, será lançado fora como o ramo e secará. Será como os ramos secos que são juntados, atirados ao fogo e queimados. Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem também em vós, então, pedi o que quiserdes e vos será concedido. Meu Pai é glorificado nisto: em que produzais muito fruto e sejais meus discípulos.» (Jo. 15,1-8)

 


 

            As imagens da videira e dos ramos, do agricultor e do seu trabalho, das uvas e sua abundância ressoam, nos lábios de Jesus, como emblema de um dos últimos ensinamentos que Ele quis deixar à sua comunidade durante a última ceia. Trata-se de um simbolismo cheio de significado e o contexto da Última Ceia nos permitirá entender melhor o sentido profundo das palavras de Jesus.

 

            Vejamos antes os pressupostos culturais.

 

Nos usos do Médio Oriente, inclusive entre os hebreus, a última refeição representava o momento mais importante da relação entre um pai e seus filhos, entre a família que o pai estava prestes a deixar e a descendência que daria continuidade à família. Era nesse momento, quando um pai julgava que estava prestes a chegar a sua última hora, que entregava toda a responsabilidade própria de um “Abá” ao filho primogênito. Esse recebia a tríplice incumbência de proteger a família, garantir que não faltasse nada a ninguém, e providenciar a continuidade da mesma. Para tanto ele recebia todo o patrimônio da família; não, porém, como sua posse pessoal, mas como patrimônio comum para o bem comum. Um exemplo evidente se encontra em Gen. 27: Isaac sabia que estavam terminando os seus dias e que precisava deixar a sua herança ao primogênito. Para que isso tivesse efeito público e legal fez um gesto ritual, ou seja uma “última refeição” com o filho Esaú. O ato de partilhar o alimento, o último alimento, trazia um duplo sentido. O primeiro era de caráter definitório, no sentido de que estabelecia definitivamente o estado de fato do ponto da morte; indicava, por exemplo, que aquela situação -bens, relações...- devia ser mantida assim como estava, porque correspondia à vontade do pai. Por segundo, a última refeição tinha também uma perspectiva perpetuante, isto é: projetava a situação fixada naquele momento, para um futuro a vir, com o intento de ligar o passado com o amanhã. Esse ato era simbolicamente representado pela comida “do pai” (leia-se: “tudo o que havia dado  sustento ao dia-dia do pai”) que passava na vida e no sangue do filho. Tal ligação entre presente, passado e futuro era essencial para os antigos e, logo, é importante para que nós possamos entender o sentido do gesto de Jesus.

 

Como Isaac, Jesus também sabia que seus dias estavam contados e precisava deixar aos seus a sua “herança”, uma “herança” que ligaria o passado com o futuro dos discípulos. Assim como para um ancião oriental entregar aos filhos a sua herança significava entregar-lhes sua vida, Jesus se colocava diante dos seus discípulos e lhes entregava o que era mais valioso pala Ele, o que havia dado sentido à sua existência. O que Ele entregou para os discípulos foi a nós que Ele entregou! Saibamos então receber como um dom precioso o que Jesus quer nos dizer hoje, com os sentimentos de quem está ouvindo aquele último, acalorado apelo de Jesus que visa a vida e a felicidade do homem.

 

A imagem da videira foi então usada por Jesus a fim de definir e perpetuar sua herança nos discípulos. Porque esta imagem? Qual o conteúdo ao qual remetia?

 

O Antigo Testamento usava a imagem da videira para indicar o povo de Israel: «Trouxeste uma videira do Egito» (Sal. 80,8) e para simbolizar a atenta relação de Deus com o seu povo. Profetas como Isaías (5,7s), Ezequiel (15,1s) e Oseias (10,1s) haviam usado a figura da videira e da vinha para indicar por um lado Israel e, por outro, o trabalho paciente e cuidadoso de Deus para com seu povo. A videira e a vinha eram a imagem da esperança de Deus, o qual “plantou” um projeto de salvação, de felicidade, no “deserto” da vida dos homens. Era a imagem de um Deus que cuida desse projeto com carinho; Ele regou, cercou a sua vinha a fim de que pudesse ser oferecido a todos o seu fruto que consiste na alegria de viver, o «vinho que alegra o coração» (Sal. 104,12).

 

Contudo, as opções que Israel fez ao longo da sua história, não facilitaram o projeto de Deus. A presunção, o poder, as estruturas antepostas ao valor do homem, o moralismo dos bem-pensantes etc. haviam ofuscado o que, ao contrário, deveria transparecer, ou seja, a felicidade de estar com Deus e a alegria que possui aquele que confia na Sua palavra.  Diante disso, Jesus se apresentava então como a videira: a videira “verdadeira”, como o Pai a deseja. A videira autêntica plantada por Deus na existência dos homens para que todos possam beber do Seu “fruto”. Jesus é a videira cujo fruto, cujo “vinho” indica a possibilidade de uma real felicidade para o homem que busca o sentido da sua existência. Disse: «Eu sou a videira» que com certeza dará o fruto: a alegria e a fraternidade que o vinho simboliza, o aspecto agradável da vida que tanto nos falta ainda hoje. Cabe, contudo recordar um aspecto muito importante, o aspecto “sacrifical” da vida de Jesus, tão fortemente expresso na última ceia. A imagem do vinho dado a beber é fascinante para um hebreu que chamava o vinho: «sangue da videira» (cfr. Gen. 49,11).

 

Creio que seja obsoleto qualquer comentário que pretenda explicar o sentimento de Jesus quando se identifica com a videira!

 

Na Mesopotâmia a videira era chamada “Erva da vida”. Também a “árvore cósmica” da qual provém a vida é representada nos baixo relevos da época como uma videira. Ainda hoje, nos mercados das ruelas orientais são vendidas folhas de videira para preparar alimentos; esse uso não é somente um gosto culinário, mas nasce de um sentido religioso. Sendo assim, entende-se melhor a motivação pela qual Jesus acrescentou que Ele é a videira «verdadeira», aquela que tem condições “verdadeiras”, reais, de proporcionar a vida assim como o homem a desejou desde sempre.

 

É, logo, uma oferta de vida que nasce da entrega de Sua própria vida, como uma herança “verdadeira”. Não podemos esquecer que o contexto da última ceia é também um contexto de Eucaristia, de alimento que dá a vida.

 

Ora, o fruto, que Jesus garante a todos os homens, tem o Senhor como origem, com certeza, mas não alcança a humanidade inteira prescindindo dos sarmentos. Não se dá uma videira sem os seus ramos, pois nenhum cacho de uva nasce diretamente do tronco. E, já que o Pai não quis intervir no mundo prescindindo da participação do homem, assim como não quis entrar diretamente na história humana sem o consentimento generoso de uma Mulher que se oferecia em nome de todos os homens, analogamente Jesus não quis mudar o estilo da história da salvação.

 

Estamos aqui no auge da narração simbólica de Jesus que pode ser resumida nestes termos: para que o fruto que Ele pode oferecer alcance todos e cada um dos homens, o Senhor não quer prescindir dos seus discípulos. A eles caberá a grande responsabilidade de transformar em “fruto” a força da vida e a alegria que Jesus tem para oferecer. A eles caberá a incumbência de visibilizar e tornar acessível a todos os que o quiserem, o vinho que tem o gosto da fraternidade. Assim como o sarmento é a extensão da vida que está em Jesus, o discípulo é o lugar onde todos podem encontrar a alegria que a alma esmorecida deseja.

 

Em que consiste, então a “vida” que está em Jesus e que Ele quis deixar como a “herança” a ser perpetuada?

 

            A “vida” que deu sentido à existência de Jesus se encontra na força de acreditar que o amor do Pai triunfa sempre; triunfa sobre as angustias, as injustiças, a reclusão na qual precipita o coração do homem que não encontra o sentido do existir etc. É a força de confiar não obstante tudo. A força de amar não obstante tudo. A força de ver a beleza profunda que está no homem não obstante tudo... É a liberdade de dar a própria vida para isso, «Pois quem der a vida por minha causa, esse a guardará» (Lc. 9,24).

 

            É esta a vida que, em Jesus, já superou a morte do coração da alma, é a mesma que também em nós triunfará,  porque o Pai não decepciona... nunca! O discípulo traz consigo esta mesma Vida porque, ouvindo a Palavra, acreditando como Jesus acreditou, seu coração se configura progressivamente ao coração do Senhor; seus atos manifestam o agir de Jesus, seu semblante demonstra a felicidade existencial mesmo no sofrimento. «Não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim» escrevia Paulo aos Gálatas (2,20). Como Paulo, cada um de nós é portador de algo que se pode perceber, mas não definir, porque nos transcende: é portador do fruto da presença de Cristo que age nele, assim como a videira age nos sarmentos.

 

A figura indica que há uma relação entre a videira os ramos; diz-nos também que corre uma seiva entre estes. Provavelmente na época de Jesus não se sabia o porquê nem como a seiva chegasse aos ramos; hoje sabemos que isso acontece por capilaridade e isto também é significativo: se a seiva chega é somente porque os canais são sutis como “cabelos” (a palavra capilaridade vem do latim: “capillus” que significa “cabelo”), se fossem maiores não conseguiria. Bem no fundo é com estas características que se reconhece a presença de Cristo que age nos discípulos, sutilmente, imperceptivelmente. Esta dinâmica nos ajuda a compreender também a insistência de Jesus o qual recomenda, usando sete vezes a mesma expressão, que o discípulo “permaneça”, que fique, que acredite que o resultado virá, mesmo se de imediato isto não pareça. As coisas de Deus não acontecem de repente, por canais largos demais, mas sutis, diminutos, discretos. De fato as coisas de Deus não acontecem de repente, por canais largos demais, mas sutis, diminutos, discretos. Se o discípulo não permanecer, se quiser ver imediatamente o resultado, se desistir procurando outro caminho que aparenta dar resultado mais imediato, então será somente um pâmpano, ou seja, um ramo sem frutos, só cheio de folhas. Um bom agricultor sabe muito bem reconhecer um sarmento de um pâmpano. Sabe reconhecer o ramo que dará fruto e aquele que não o dará. Ora, é um fato esquisito, mas o segundo geralmente se apresenta com mais vigor, é mais verde do que o primeiro... todavia é estéril. Mesmo que as aparências digam o contrário para um ignorante, o agricultor experto sabe que a aparência não corresponde à substância do ramo e por isto precisa que seja retirado. Deste modo, em relação ao pâmpano, Jesus retoma a pergunta retórica de Ezequiel: «Toma-se dele (do pâmpano) madeira para fazer alguma obra? Ou toma-se dele alguma estaca, para que se lhe pendure algum objeto? Eis que é lançado no fogo, para ser consumido» (Ez. 15,3-4). Este pâmpano somente engana o ingênuo; não consegue dar resposta suficiente à alma do homem que procura a felicidade, o “vinho” de que ele precisa para viver.

 

Para que possamos entregar às pessoas os frutos da videira, os autênticos frutos que podem saciar a sede de felicidade, permitamos ao Agricultor que pode, que retire, que corte em nós o que engana e não produz; não resistamos à sua mão amorosa e sábia. Este é amor-sacrifício, análogo ao sangue de Jesus que nos disse naquela ocasião: «fazei isto…».

 

 

 

 


Postado em: 03/05/2012 as 08:31:22





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil