Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 XIV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012



   

«Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isto? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres realizados por suas mãos? Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?”.E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados da redondeza, ensinando. » (Mc. 6,1-6).

 

 


 

 

 

Jesus voltava para Nazaré, a cidade de onde havia dado início ao seu ministério; voltava para o mesmo lugar, a sinagoga, onde outrora havia anunciado que o “reinado de Deus” não era mais apenas um sonho antigo, mas estava acontecendo de verdade. Naquela ocasião, comentando o texto de Isaías da liturgia do dia, Jesus havia proclamado que a esperança tão longamente vaticinada pelos profetas estava mais perto do que se poderia imaginar. Naquela ocasião a reação dos ouvintes foi tão dura que Jesus foi rejeitado, expulso da Sinagoga e correu o risco de ser morto com a morte dos infames: ser precipitado de um rochedo. Agora Jesus estava voltando no mesmo ambiente após um período de anúncio e milagres realizados em outras regiões da Galileia. Jesus estava mais uma vez junto dos seus. Contudo, antes Dele a sua fama O havia já precedido.

 

Como todo sábado o Senhor foi à Sinagoga, o lugar do encontro com Deus e com a comunidade religiosa da sua cidade. Era costume, após as cerimônias e ritos próprios do sábado, que se realizassem momentos de reflexão e ensino das Escrituras numa sala própria, adjacente àquela do culto. Desta vez Jesus não comentou os textos litúrgicos como havia feito em antecedência, mesmo assim as suas palavras continuaram marcando profundamente os ouvintes não tanto pela ciência Bíblica, quanto pela sabedoria que transparecia; não precisava interpretar as Escrituras, elas falavam por si próprias na pessoa de Jesus, o Verbo de Deus vivo. A sabedoria não é algo que se conquista com técnicas de estudo, é simplesmente a vida vista pelo lado mais autêntico, o mesmo lado que a Escritura mostra; é o mundo visto com a visão de Deus. A sabedoria apenas acontece na vida de um homem que vive com Deus, como bem diz o Salmista: «é o justo que profere palavras de sabedoria» (Sal.37,30). A sabedoria começa a existir quando o tempo e a referência a valores absolutos nos permitem identificar e distinguir o que é essencial e o que é relativo. É por isso que a sabedoria é sempre associada, na Escritura, ao “coração de Deus”, é o que está dentro Dele.

 

Ora, o que escandalizou os ouvintes de Jesus foi justamente perceber isso; o Senhor falava uma linguagem diferente, os seus lábios pareciam expor o coração de Deus ao mundo dos ouvintes. Mas, como poderia um carpinteiro ter tanta sabedoria, tanta intimidade com o coração de Deus?

 

Como é atual essa situação que Jesus viveu! Quem sabe se junto com tantos conhecimentos tivéssemos também um pouco mais de sabedoria! Sim, um pouco mais de  sabedoria poderia ainda encantar o homem projetando-o além das metas que a ciência, e o conhecimento humano propõem.

 

Muitos conheciam as Escrituras na Sinagoga, mas poucos falavam com sabedoria, ela parecia ter desaparecido com o desaparecimento dos profetas em Israel e a substituição das palavras deles com ritos e cultos...

 

Essa era a situação. Todos haviam percebido algo diferente em Jesus, mas então... O trecho que estamos lendo parece deixar transparecer uma pergunta de fundo: porque não acreditaram mesmo que o coração deles tivesse intuído uma verdade superior a tudo o que conheciam? E ainda, o que é a “não-fé” que Jesus viu? Qual perverso mecanismo se desencadeia em nós quando impedimos a Deus de fazer para nós aquilo que Ele gostaria de fazer?

 

Talvez nunca achemos resposta, como não a encontraram os Evangelistas que nos transmitiram esse drama que recorre no interior de muitas pessoas, mas creio que seja importante percorrer o caminho que Marcos nos sugere. O conflito é evidente no íntimo daquelas pessoas, um conflito que não conseguem resolver com a humildade e manifestam em tom de agressão. Sim, pois nenhum homem era chamado com o nome da “mãe”; mesmo que o pai tivesse falecido o comum era chamar Jesus “filho de José”. Dizer  “filho de Maria” significava por em dúvida a paternidade de José, mesmo que ele tivesse já assumido legalmente a paternidade de Jesus. Significava jogar “lama” sobre a honra da mulher, Maria e do seu filho.

 

Poderemos arriscar uma hipótese daquilo que aconteceu no coração dos Nazarenos? Será possível encontrar para nós uma atitude que permita a Jesus de fazer para nós aquilo que Ele tanto deseja, a ponto de dar a sua vida, passo a passo? Com qual inimigo precisamos nos defrontar para deixar ao Senhor de ser o nosso Redentor e não cairmos na ilusão de sermos redentores de nós mesmos?

 

Talvez possamos encontrar auxilio num episódio narrado no Segundo livro de Reis (cap.5). Um comandante do exercito Sírio, Naamã era leproso. Uma menina lhe disse que um homem, Eliseu, poderia curá-lo. Naamã foi até a Samaria. Mas grande foi a sua decepção quando o Profeta lhe disse apenas: «vai lavar-te no rio Jordão». A reação indignada de Naamã está descrita nestes temos: «…Eu pensava que ele sairia a ter comigo, pôr-se-ia de pé, invocaria o nome do Senhor, seu Deus, moveria a mão sobre o lugar da lepra e restauraria o leproso…».

 

Pois aqui está a diferença entre a “pedra de construção” e a “pedra de tropeço” (em grego eskandalon  “escandalo”). A mesma situação pode tornar-se ocasião de construir um relacionamento com Jesus ou uma dificuldade.

 

“Eu pensava…”, disse o comandante; de modo semelhante fizeram os habitantes de Nazaré, os quais já haviam criado em si uma imagem de Jesus, inclusive pela fama das curas realizadas em Cafarnaum, não muito longe de Nazaré. A fama, o preconceito, são imagens que criamos na nossa mente e que a conduzem, a influenciam a tal ponto que em nós pode nascer a presunção de entender como Deus irá agir. Tudo isto dificulta a compreensão plena de uma realidade que se apresente pelo que é, não por aquilo que imaginamos que precise ser. É assim que acabamos vendo, acabamos percebendo apenas uma parte, aquela que coincide com a nossa expectativa. Outros aspectos passam simplesmente despercebidos, desconsiderados porque as coisas não aconteceram como nós havíamos imaginado. Para Naamã era muito pouco dizer: «vai lavar-te»! A simplicidade das coisas de Deus nos deixa sempre atordoados, precisamos de coisas complexas, articuladas, difíceis para serem realizadas, sim, porque assim temos a certeza de que “fizemos algo difícil que nos mereceu a recompensa”.

 

Mas não é assim com Deus, a gratuidade é sem dúvida um sentimento bem mais difícil do que a conquista, cava bem mais fundo para nos dizer quem somos e até que ponto nos deixamos envolver. A conquista implica recompensa, é algo que podemos prever; a gratuidade somente se justifica com o amor que age em plena liberdade e, deixar-se amar é realmente algo novo. Não é obvio! Isso é que nos questiona lá no fundo de nós mesmos. Às vezes, aquilo que tanto buscamos está perto demais para que possamos acreditar que seja real, mas de fato é assim, e é isto que nos deixa confusos. Tal sensação dominou a simplicidade do coração daquelas pessoas. Eles conheciam a Jesus, sabiam tudo dele, a profissão, o parentesco, conheciam a inteira família. Tudo isto é figura do conhecimento que às vezes temos de Jesus: é real, verdadeiro, mas parcial, e isto infelizmente, o esquecemos com freqüência. Às vezes precisamos de um Deus demais diferente para dizermos que é Deus, e quando Ele escolhe a nossa limitação, quando Ele não rejeita o que nós somos mas se faz perto de nós, isto parece estranho e inverossímil. Os Nazarenos O rejeitaram justamente porque viram Jesus e não viram o mistério; viram o que lhes era possível ver, o que conheciam, mas não conseguiram transpor a própria experiência a qual, como uma armadilha, os prendeu àquilo que haviam visto. Bem, a fé implica necessariamente nesta capacidade de se libertar daquilo que já sabemos e conhecemos, a fim de que nos seja oferecido um mundo novo, desconhecido, aberto àquele infinito que já sentimos dentro de nós.

 

O limite nos faz sentir medo e, contemporaneamente, segurança; a fé nos projeta além do imaginado; não nos dá segurança, mas tira todo medo. Não é crendice tola, é atitude escolhida, é capacidade de arriscar por algo que está além do mundo que se consegue “conhecer”: é humildade aberta ao infinito.

 

O Evangelista descreve a sensação dos Nazarenos usando uma expressão não simples quanto ao seu significado e à história que traz consigo. Ele diz: «ficavam admirados ». A raiz do verbo indica um sentimento de medo diante de algo muito diferente do esperado. É uma reação que se encontra muitas vezes nos Evangelhos; é própria de quem sabe de estar diante de algo que está acima de quanto a mente pode imaginar. É um sentimento próprio do homem religioso, é o “temor de Deus”. Deste modo Marcos nos assegura a boa disposição religiosa dos Nazarenos, mas contemporaneamente a errônea decisão tomada diante deste sentimento. A maravilha diante do divino ou do desconhecido não é fé; é um simples reconhecimento –o que já por si próprio é positivo. Fé é ainda algo a mais, algo que Jesus não conseguiu ver. É uma decisão de se deixar envolver por aquilo que ainda não se conhece com a certeza de que será conhecido por um caminho diferente. Este mesmo sentimento, por exemplo, o encontramos em Maria quando, tendo perdido Jesus, O questiona: «Filho, porque nos fizeste isto?» (Lc. 2,48). Ora, a fé e a não fé, são originados pelo mesmo fato,ou seja de estar diante de algo não imaginado. É o modo como nos posicionamos diante do imprevisto que faz a diferença. Principalmente se o “imprevisto” nasce do modo de agir de Deus.

 

Os Nazarenos pretendiam reduzir o agir de Deus aos próprios critérios; Maria, -nos diz o Evangelista- «guardava tudo isto em seu coração» mesmo não compreendendo. A fé sabe que tudo tem sentido, simplesmente espera, “guardando”, como coisa preciosa, fatos que não dá para entender imediatamente, mas que possuem uma lógica, um sentido; situações e palavras conservadas cuidadosamente sabendo que o sentido será dado a conhecer como um dom e não como uma conquista. Fé é decisão de aderir, simplesmente aderir por confiar no amor Daquele que escolheu se fazer tão perto de nós a ponto de deixar-nos confusos.

 

A fé permite a Jesus de ser para nós o que sempre desejou ser, irmão, amigo, salvador. Laconicamente, o Evangelista nos diz: «Jesus não pôde», deixando transparecer a tristeza de Alguém cuja alegria é dar. «Jesus não pôde» por respeito, porque nunca Deus esmagou a liberdade do homem com o Seu poder, sim porque a fé é liberdade e nasce da liberdade.

 

 

Um bom domingo,
Pe. Carlo

 

 


Postado em: 06/07/2012 as 08:42:46





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil