Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 XVII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012



   

            «Depois destas coisas, atravessou Jesus o mar da Galileia, que é o de Tiberíades. Seguia-o numerosa multidão, porque tinham visto os sinais que ele fazia na cura dos enfermos. Então, subiu Jesus ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos. Ora, a Páscoa, festa dos judeus, estava próxima. Então, Jesus, erguendo os olhos e vendo que grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pães para lhes dar a comer? Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que estava para fazer. Respondeu-lhe Filipe: Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu pedaço. Um de seus discípulos, chamado André, irmão de Simão Pedro, informou a Jesus: “ Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas isto que é para tanta gente?”. Disse Jesus: “Fazei o povo assentar-se”; pois havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. E, quando já estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. Assim, pois, o fizeram e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que haviam comido. Vendo, pois, os homens o sinal que Jesus fizera, disseram: “ Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo”.  Jesus, vendo que estavam para vir com o intuito de arrebatá-lo para o proclamarem rei, retirou-se novamente, sozinho, para o monte» (Jo. 6,1-15).

 


 

            No domingo passado o Evangelho nos propôs o olhar atento e carinhoso de  Jesus para com as pessoas que, sedentas de respostas significativas para suas vidas, O procuravam, ansiosas, como “Ovelhas sem pastor”. A liturgia de hoje encontra a continuação do episódio pela narração que nos provêm do evangelista João. Ele nos apresenta o episódio inserido dentro de um contexto maior e, assim, colheu a ocasião para dar-lhe um significado ligado à Páscoa de Jesus em contraposição à Páscoa dos Judeus.

 

Não é suficiente nem honestamente respeitoso do texto ler a “multiplicação dos pães” simplesmente como um episódio de cunho exemplar, isto é, como demonstração de que uma partilha resolve os problemas dos homens uma vez que, assim fazendo, se tornam capazes de repartir o que têm. Este tipo de visão que circulava alguns anos atrás é sem dúvida ceia de preconceitos que forçam o texto para fundamentar coisas que o texto não diz.

 

Vamos tentar ler a partir de outro prisma, talvez o Evangelho nos diga algo a mais, inclusive sobre o conceito de justiça, - já que tem sido frequente o uso desta leitura para reivindicar a justa repartição dos bens e a colaboração mútua para realizar uma sociedade como Jesus a queria.  Jesus é mais do que um sociólogo idealista. Precisamos ainda salientar que o interesse de João é fundamentalmente ligado à dimensão religiosa, de modo especial aos ritos, isso porque João não era apenas um simples pescador, mas era muito bem ligado ao ambiente do Templo em Jerusalém e era muito considerado pessoalmente  pelo Sumo Sacerdote a ponto de ter acesso livre ao seu Palácio (Jo. 18,15).

 

O fato se desenvolveu «do outro lado do lago da Galileia», isto é, ainda mais longe do alcance da religiosidade oficial de Israel que era praticada na Judeia; ali a influência do judaísmo ortodoxo era bem mais branda do que na própria Galileia. Afinal, era quase um território estrangeiro, à margem da vida religiosa feita de ritos, normas morais e tradições, na qual os “judeus” achavam de poder realizar a vontade de Jhavé. Foi nesse lugar que Jesus se encontrou com pessoas com as quais desejava celebrar a “sua páscoa”, uma Páscoa bem diferente da «páscoa dos judeus», feita mais de rituais do que de verdadeiro sentido religioso com o qual se deveria renovar a consagração a Deus, reaprender a ouvir. Jesus desejou celebrar a sua páscoa num lugar povoado somente por quem está verdadeiramente em busca de Deus, à escuta de sua palavra. Ali, no lugar tão afastado estavam apenas queles que estavam dispostos a segui-Lo, por onde Ele fosse, pessoas movidas unicamente pelo desejo de estar com Ele, embeber-se de sua presença, receber Dele a cura de sua enfermidade.

 

Com essa introdução que é mais de caráter catequético do que logístico, a Evangelista nos sugere, qual é a verdadeira maneira de nos encontrarmos com Jesus: os ritos, as tradições, são importantes, mas não são suficientes. Essas não têm o poder de realizar um verdadeiro “encontro”.

 

Mas existe sim um caminho pelo qual podemos nos encontrar realmente com o Senhor, esse caminho se chama “desejo”. Sim, o homem é feito de “desejo”, propulsão que na Escritura era chamada pelos antigos hebreus com a expressão: “espírito de Deus” (nefeš) ou seja, a força vital que vem de Deus e que nos move sempre além... além de tudo o que temos ao alcance. É exatamente esse “desejo” de infinito que a Escritura chama: “vida”. De fato, quando não desejamos mais, começamos a morrer e quando desejamos alguma coisa que não dá felicidade definitiva também escolhemos “morrer na frustração, no arrependimento sem volta” (essa expressão traduz aquela frase tão usada por Jesus: «ranger de dentes»). Jesus escolheu celebrar a “sua páscoa” com as pessoas que desejam Ele! Todos nós desejamos e somos dispostos a perder algo apenas por aquilo que de fato é muito importante para nós, e não é somente uma das muitas coisas que fazem parte de nossa vida. Jesus quer ser isso para nós! Poderíamos até imaginar que o Evangelista nos pergunte: quanto você está desejando Jesus?

 

Os protagonistas do episódio são: Jesus, a multidão e os discípulos. O núcleo da leitura se descobre na tensão entre estas três realidades e suas relações. Vamos acompanhar os fatos.

 

A multidão é grande; seguindo uma simbologia própria, o número é de «cinco mil homens». Os hebreus usavam frequentemente os números como símbolos; aqui também João usa o número “cinco” que recordava os “cinco livros da Lei de Moisés”; esse número é multiplicado por “mil” que significa um número incalculável. O que queria dizer com isso? Ele queria indicar o grande número de pessoas que estavam debaixo da Lei, achando de encontrar nela o caminho para Deus; mas era um meio antigo demais para permitir ainda que o homem tivesse um encontro autêntico com Deus. Não se chega ao coração de Deus seguindo preceitos que dão a sensação de serem “justos” e de estar “quites” com Ele uma vez que se tenha cumprido tudo o que está escrito.  Na verdade Ele, Jesus, é a verdadeira palavra que Deus quer dizer aos homens e o tempo das “normas” e “regras” já terminou. Quando Jesus chamava as pessoas nunca dizia: “siga o que digo”, dizia sempre “siga-Me”, essa é a grande diferença!

 

Obviamente é evidente a contraposição com a escassez de recursos à disposição: «cinco pães de cevada». A cevada era o alimento principal dos pobres, mas aqui a anotação que os pães eram de “cevada” também se liga à relação com o Antigo Testamento; o alimento não era de “trigo” (símbolo messiânico da abundância e da fidelidade de Deus) mas apenas “cevada”. Ora todos sabemos que para chegar ao núcleo do trigo é suficiente apenas tirar a primeira casquinha que cobre o grão; mas o núcleo da cevada é bem mais difícil de ser alcançado, é bem mais laborioso porque está envolvido por mais uma casca dura... Isso é a Lei, se pode chegar sim a um núcleo, mas é muito mais difícil chegar a Deus pela cevada que trazemos conosco do que com o pão de trigo que Jesus nos dá!

 

A exigência da multidão é enormemente superior às condições à disposição. É nessa situação que o discípulo de Jesus vive. Contudo, mesmo assim, ele é chamado a dar uma resposta, a tomar uma posição perante o que se têm diante dos olhos. Se tivermos o coração compassivo como o de Jesus (como ouvimos no Evangelho do domingo passado), não será difícil perceber que o mundo está de fato ansioso de significados, de respostas que não se limitam a seguir padrões impostos pela ideologia dominante. O homem precisa mais do que soluções imediatistas, de fugas... Ver o mundo com o olhar de Jesus é sentir seus gemidos escondidos atrás de um correr desenfreado que rouba o tempo, as relações, o gosto de estar como outro. A multidão anônima representa tudo isso.

 

Diante da situação, Jesus perguntou a Felipe: «O que vamos fazer?», ou seja: “Qual é a tua posição perante o que vês?”. Jesus estava colocando diante do olhos de Felipe as palavras do Salmo com as quais eles estavam costumados a rezar; palavras que recordavam os questionamentos de outrora, dos seus pais: «poderá o Senhor preparar uma mesa no deserto? Poderá dar mesmo pão para seu povo?» (Sal. 78,19). É esse desafio que Jesus colocava diante dos discípulos. O Evangelista é muito claro quanto à intenção de Jesus: «Dizia isto apenas para sondá-lo, porque bem sabia o que ia fazer». Jesus queria que eles mesmos dessem a resposta que os pais não puderam dar. Note-se que, na teologia rabínica, somente os “eleitos” poderiam participar do “pão que não é feito por mãos humanas” e isto se verificou –sempre segundo a teologia rabínica- somente logo depois da saída do Egito. Portanto se esperava que algo semelhante acontecesse mais uma vez, como sinal de que Deus realizaria a consagração definitiva de seu povo.

 

É obvio, então, o ensinamento principal que prepara o gesto da multiplicação dos pães: os discípulos não somente estão entre os “eleitos”, mas levarão esta certeza a todas as multidões que estão “como ovelhas sem pastor”. Eles terão a incumbência de mostrar a predileção de Deus para quem está perdido mas está em busca. A estes, os discípulos darão o “pão não feito por mãos de homem”, o pão dos “eleitos”. Eles, a Igreja de Jesus, são os enviados para distribuir o único alimento que sacia a fome, o alimento que vem de Jesus, bem diferente do pão de cevada quo os homens carregam.

 

Antes que se realize o gesto, assistimos a um momento de tensão que, como todas as coisas grandiosas de Deus, sempre prepara as “maravilhas” que Ele realiza. A tensão se entende bem fazendo uso também da narração dos outros Evangelistas. A tensão se coloca entre Jesus, os discípulos e a resposta que eles podem dar. Notamos três diferentes atitudes.

 

Uma atitude é representada por Felipe: é a posição de quem se coloca diante de um problema com a mentalidade pragmatista: «duzentos denários não são suficientes» (200 denários era quase o valor de um ano de trabalho). Esta não é uma resposta para Jesus, as coisas de Deus não podem ser avaliadas com critérios humanos.

 

Outra atitude nos é relatada pelo Evangelista Mateus o qual, porém não menciona o nome do discípulo que disse: «despede, pois, as multidões para que, indo pelas aldeias, comprem para si o que comer.» (Mt. 14,15); é a atitude de quem quer se livrar de um problema. Também essa atitude não condiz com o discípulo de Jesus, não condiz com a maneira com qual Deus age.

 

Resta a terceira atitude, a menos lógica, a menos oportuna, aquela que sem dúvida nem sequer vale a pena apresentar como alternativa. André se lança, mas logo imediatamente retrai a sua proposta por ser tão insignificante «...mas isto que é para tanta gente?”». Dá para perceber quase um sentimento de vergonha por ter pensado nos «cinco pães de cevada e dois peixinhos». Sim, pode ser isso, podemos nos sentir inseguros, envergonhados, até ridículos... mas é bem isto que Deus aceita: o homem que, mesmo consciente da sua limitação, da sua insuficiência diante da enorme dificuldade, o homem que não pensa somente com a sua lógica nem se “livra do problema”, mas o entrega a Deus, mesmo sem conseguir sequer imaginar uma solução. Um homem que entrega a Deus a própria insuficiência, uma insuficiência, porém, que nasce de um coração que tem “compaixão”, que sente o problema do outro, da multidão. E Jesus dá ao homem aquilo que o homem deseja, não dá outra coisa a não ser o que o homem deseja. Dá o que Ele sabe fazer: uma “pão não feito por mãos humanas”, e «tanto quanto o desejar», com superabundância.

 

Que Deus te abençoe,

Pe. Carlo Battistoni

 

centrobiblicord@yahoo.com.br


Postado em: 26/07/2012 as 17:11:03





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil