Evangelho Comentado por Pe. Carlo Battistoni - Centro Bíblico Regnum Dei

 XXVI Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012



   

«Disse-lhe João: “Mestre, vimos um tal expulsar demônios em teu nome, alguém que não nos segue, e quisemos impedi-lo porque não era dos nossos.” Jesus disse-lhes: “Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em meu nome e vá logo dizer mal de mim. Quem não é contra nós é por nós. De fato, seja quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.” “E se alguém escandalizar um destes pequeninos que creem em mim, melhor seria para ele atarem-lhe ao pescoço uma dessas mós que são giradas pelos jumentos, e lançarem-no ao mar. Se a tua mão é para ti ocasião de queda, corta-a; mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena, para o fogo que não se apaga, Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o; mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena, E se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o; mais vale entrares com um só no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e o fogo não se apaga.»  (Mc. 9,38-43.45.47-48)

 


 

Marcos continua a descrição do esforço educativo de Jesus o qual, como um bom preceptor, prezava pela formação dos seus sabendo que, à partir deles, o Evangelho poderia alcançar todos os homens. Longe da multidão e das suas necessidades Jesus se encontrava a sós com os seus. Poucos versículos antes do nosso trecho, é possível constatar que Jesus estava em «casa»; era a casa de Pedro. A familiaridade que transparece da expressão “em casa” se entende perfeitamente porque por detrás do Evangelista Marcos se vê o próprio Pedro que  aos cristãos de Roma pouco antes de ser morto. Aquela casa de um homem, Pedro havia se transformado na  “casa” do pequeno grupo, o lugar onde Jesus se sentia em família com os seus. Podemos supor que Jesus e os apóstolos estivessem fazendo uma revisão e um balanço das atividades, das andanças, da vida vivida até então. Obviamente o fato de que Pedro, em sua pregação tenha feito questão de recordar o fato narrado hoje, nos faz entender que as mesmas dificuldades apontadas no texto de hoje eram aquelas que os cristãos viviam no início de sua experiência de Igreja. Pedro, então lhes propunha como ponto de referência o ensinamento recebido do Mestre.

 

Vejamos uma destas dificuldades, aquela relativa à questão posta pelo Apóstolo João: «vimos.... e proibimos porque não era dos nossos».

 

Desde o início da vida pública de Jesus e mais tarde na vida das primeiras comunidades cristãs, o verificarem-se de fatos extraordinários que acompanhavam a pregação atraia as atenções de todos. Com todas as ressalvas possíveis que levam em consideração o estilo de linguagem, o gênero literário etc., todavia não há como negar que algo muito estranho acontecia toda vez que o «nome de Jesus» era anunciado. Milagres, curas, fatos inexplicáveis compunham o quadro dentro do qual o “nome de Jesus” era proposto às pessoas. 

 

Dentre todos os prodígios, com certeza os mais emblemáticos eram os exorcismos. O que significavam? Como lidar com estes? Se para nós isto muitas vezes não passa de uma simples curiosidade ou busca de extravagâncias, para o mundo antigo o peso era bem diferente, principalmente se levarmos em consideração que o universo antigo era povoado de demônios (daimonion -daimonion- significa “força desconhecida”, incontrolável). Se tratava de seres intermediários que se contrapunham ao homem principalmente quando ele quisesse modificar o “círculo da vida”; sim, porque a história era concebida como um ciclo que não podia ser modificado. Mudar as coisas poderia significar comprometer o ritmos das estações, da história, da natureza, da cultura. Por um lado  a estabilidade e o fixismo garantiam a segurança, por outro aprisionavam o homem. Quem rompesse o ciclo das coisas era suspeito de ter parte com os demônios (o que alguns pensavam do próprio Jesus devido ao seu modo “escandaloso de agir”, por exemplo pelo fato de ter mulheres no seu grupo, de não manter-se à distância com leprosos, etc.). Uma comparação (mesmo que superficial) com os textos das mitologias Mesopotâmicas mostra claramente como o homem antigo Médio Oriental se percebesse como recluso dentro de um esquema cíclico que nunca poderia ser modificado, pena a destruição não somente do individuo, mas de seu inteiro clã. O instrumento privilegiado que os demônios tinham para sufocar qualquer tentativa humana de romper o ciclo, era a doença, em maior ou menor intensidade.

 

Era algo semelhante àquela prisão que alguns hoje chamam “karma”, “fato”, “destino” etc. A convicção pessimista de Qoelet: «Uma geração vai e uma vem, mas a terra é sempre a mesma. O que foi é o que há de ser; o que se fez, isso se tornará a fazer; nada há de novo debaixo do sol. Aquilo que é torto não se pode endireitar; e o que falta não se pode calcular...» (Ecl. 1,4s) era a convicção do inteiro mundo Médio Oriental antigo.

 

Dadas estas premissas, é fácil compreender a libertação que Jesus operava quando intervinha na vida de uma pessoa; Ele a libertava não apenas de uma doença mas, dando-lhe a possibilidade de “romper os limites”, lhe indicava como o homem é estruturalmente uma pessoa  livre, capaz de não sujeitar-se a pressupostas “forças” que o controlam. Ora esse primeiro passo em direção da liberdade começa com a escolha de “confiar”, de “crer”, de caminhar na fé. A fé dá ao homem a certeza de que não é escravo de nenhum sistema cultural, religioso, econômico, prejudicial... Tomamos por exemplo, Abrão; o mundo dele girava em torno do ritmo de tribos nômades que há centenas de anos percorriam sempre o mesmo caminho; sem mais nem menos Deus lhe propôs de “romper o ciclo”. Ele aderiu ao desafio, bem sabendo que o seu ato subvertia todos os princípios que até então regiam a sua vida e a de seu clã. O mesmo se deu com grandes personagens da fé: Moisés, Oseias, Zacarias (aceitando de dar ao filho um nome que não existia em sua linhagem, ele decidia simbolicamente de “romper o círculo”), Maria, Pedro e assim por diante. Deus sempre dá a possibilidade de colocarmo-nos como pessoas livres diante da história. Deus sempre projeta aquele que confia Nele além de seus imaginados horizontes e, assim fazendo, lhe permite de construir a sua história como autor. A fé, que é confiança amorosa, afugenta o medo daquilo que é absolutamente novo, supera os demônios que aprisionam o espírito humano. A confiança em Deus permite ao homem de viver uma das coisas de que mais gosta: o risco, ou seja, o sentimento através do qual ele se descobre sempre superior a si mesmo e capaz de superar a si mesmo. Ora isso pode ser realizado por dois caminhos: ou pela arrogante autossuficiência, ou pela dócil atitude de adesão ao Senhor, que está sempre um passo à frente e sabe aonde vai a história.

 

Era esse poder que Jesus entregava aos discípulos, o poder de propor a fé, dispersando os demônios do medo e da prisão dos limites. Contudo tratava-se de um poder dado não como prerrogativa particular, mas como dom feito a uma comunidade, pois é ali que o fiel pode viver o caminho de libertação. 

 

Para podermos entender a colocação de João a Jesus: «Mestre, vimos um tal expulsar demônios em teu nome, alguém que não nos segue, e quisemos impedi-lo porque não era dos nossos», permito-me transcrever um episódio narrado em Atos doa Apóstolos: «Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, e os espíritos malignos se retiravam. Alguns judeus, exorcistas ambulantes, tentaram invocar o nome do Senhor Jesus sobre possessos de espíritos malignos, dizendo: “Esconjuro-vos por Jesus, a quem Paulo prega”. Os que faziam isto eram sete filhos de um judeu chamado Ceva, sumo sacerdote. Mas o espírito maligno lhes respondeu: “Conheço a Jesus e sei quem é Paulo; mas vós, quem sois?” E o possesso do espírito maligno saltou sobre eles, subjugando a todos, e, de tal modo prevaleceu contra eles, que, desnudos e feridos, fugiram daquela casa.» (At. 19,11s). Trata-se aqui de um exorcismo realizado como um ato ocasional; a sua ineficácia é evidente porque os exorcistas são “ambulantes” isto é, não ligados a um caminho de fé realizado dentro de uma comunidade; tratava-se de cristãos oriundos do judaísmo que faziam de sua fé um conjunto de fatos sensacionalistas e chamativos. É clara, nas entrelinhas desta narração, a condenação do texto por qualquer suposto exorcismo realizado prescindindo da comunidade de fé e como presumido “carisma” pessoal. Na mesma linha ainda hoje se mantém o magistério da Igreja (Cfr. Instrução sobre os exorcismos de 25/09/85).

 

O verdadeiro grande exorcismo é realizado quando se pronuncia o “nome de Jesus” no sentido que a história da nossa fé ensina e não como uma fórmula mágica à qual é dado um sentido fideísta. Qual é este sentido? A Escritura usa frequentemente a expressão “nome de Jesus” para indicar a entrega de uma pessoa a Deus através da união a Seu Filho. Nele, o fiel que foi consignado, recebe um nome novo, uma personalidade nova, a personalidade que o Espírito de Jesus forma no batizado numa progressiva e livre adesão a Jesus. Invocar o “nome de Jesus” sobre alguém significa pedir ao Senhor que este “alguém” seja enriquecido pela Sua presença, significa entregar confiantemente a pessoa ao Senhor, sabendo que Ele fará do fiel um homem novo, feliz, realizado.

 

Isso nunca acontece como por um passe de mágica. A expressão “nome de Jesus”, entre os cristãos substituía uma outra bem nota no Antigo Testamento: “nome de Jahvé”. Quando Deus quis definir a si mesmo diante de Moisés, Ele o fez utilizando este nome: Jahvé (Ex.3). Ora, este nome trai sua origem do verbo “ser”, mas numa forma futura, que mais ou menos pode ser traduzida assim: “eu serei” -subentendendo- “junto com você” ou “para você”. Em todo caso indica uma descoberta progressiva do “Nome”, isto é, da identidade de Deus. Sendo assim, como para conhecer o nome de Deus é necessário o tempo da viagem no deserto, assim o “nome” de Jesus pode ser conhecido caminhando com Ele.

 

Com certeza, a missão de afugentar todo medo, todo demônio é parte essencial da missão que Jesus sentia ter recebido do Pai e que entregou aos seus. Contudo, pela pergunta de João nota-se que dentro das comunidades, assim como no primeiro grupo, esta participação especial ao ministério de Jesus corria o risco de transformar-se em vaidosa prerrogativa. Note-se que a primeira coisa que os discípulos relataram a Jesus depois que Ele os havia enviado a anunciar o Reino foi: «Senhor, até os demônios se submetiam...» (Lc. 10,17). Era algo que estava assumindo mais o sabor de um triunfo pessoal ou grupal do que de serviço ao projeto de Deus. Temos que confessar que o limite entre as duas coisas é sempre muito sutil e é tão fácil ainda hoje, para nós, misturar uma com outra coisa. Foi por causa disso que, naquela ocasião, Jesus respondeu aos discípulos que se gloriavam que “até os demônios se submetiam”: «Não vos alegreis por causa disso». Sim, este tipo de alegria pode induzir em atitudes pouco condizentes com o serviço a Deus.

 

Jesus censurou a atitude de João, bem mais interessado em preservar a exclusividade do poder de fato recebido, do que se preocupar com o objetivo maior de Jesus, o qual levava em consideração o calibre dos males que afligem o homem e o poder penetrante deste mal, que deve se combatido em todo lado, em todo momento. Não importa por quem. Isso é uma questão secundária.

 

Antes de se preocupar com qualquer introvertida visão do caminho da fé, é preciso ver as grandes necessidades que afligem o homem, sentir o seu sofrimento e fazer o que for possível para colaborar no mesmo projeto que Jesus tem. Quando isso ocorrer, mesmo que por caminhos nem sempre ortodoxos, nem sempre os mais corretos, contanto que este “alguém” sinta o que Jesus sente e procure agir como Jesus agia, de algum modo O encontrará porque o Bem une, o mal separa e isola até morrer.

 

 

No trecho que acabamos de ler, o  Evangelista, colhe um momento no qual protagonista é João, o discípulo que Jesus mantinha sempre a seu lado. Sentindo-se objeto de uma atenção especial, o discípulo interpretou a sua posição (e a dos outros onze) como um privilégio. Ora, não há nada de errado nisto, pelo contrário, todavia o limite entre sentir-se privilegiados e sentir-se uma “elite” é muito frágil e difícil de ser identificado.

 

É difícil dizer até que ponto o fato de sentirmo-nos amados de um amor especial, atento, único, não nos transforme em pessoas que se interpretam como mais “elevadas”. Isto acontece porque acabamos com o adaptar a nossa maneira de pensar ao modelo social proposto; segundo este, tudo procede segundo o esquema do mito da “causa-efeito”. Mito que, embora tenha fundamentação quanto ao âmbito da ciência no entanto, quando usado em outros campos, provoca grandes limitações à liberdade dos relacionamentos humanos, a ponto que não é mister constatar a grande dificuldade que temos quanto à gratuidade. Ou seja, para a maioria de nós é dificílimo pensar que algo nos seja dado gratuitamente: sempre suspeitamos que haja uma “motivação escondida”, uma finalidade recôndita etc. e aplicamos o mesmo processo às coisas de Deus. Em prática, a tentação é sempre a de chegar a esta conclusão: se estou mais perto de Jesus é porque sou melhor de outro; esquecendo assim que não há uma motivação deste tipo no agir de Deus, o qual ama porque o amor constitui a sua essência. Não existe nenhum “porque”, nenhuma causa...

 

A atitude de João reflete quanto é fácil considerar-se uma elite: «não era dos nossos».  É uma tentação muito comum que hoje ressurge com grande veemência em movimentos ou grupos fundamentalistas, intransigentes, cada vez mais integralistas. Quando aprisionamos a ação livre e soberana do Espírito reduzimos Deus aos nossos limites. Jesus se mostrou sempre contrário a todas as tendências que quisessem limitar, restringir a ação de Deus. «...E vos dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Não vades nem os sigais» (Lc. 17,21). Não creio que as atitudes de quantos apontam a si mesmos como os detentores de verdade, os que são mais puros, mais autênticos etc. correspondam às atitudes de Jesus. Nesses casos há uma boa dose de presunção e isto é exatamente o oposto da expressão que Jesus usa para indicar aqueles que acolhem seu ensinamento, seus gestos, suas atitudes: os “pequenos”.

 

O autêntico relacionamento com Jesus então não é estabelecido por pertencer ou não a um determinado grupo com determinadas características, se comportar numa maneira ou outra. È algo que vai além disso e afunda suas raízes no grau de consagração a Jesus que se estabelece em nosso coração. Quando Deus ocupa o centro de nossa vida, quando as nossas decisões são tomadas tendo como prioridade a vontade de Deus e levando em consideração Sua palavra, então Ele coloca seu “nome” sobre nós. O único “nome de Jesus” pronunciado sobre nós faz cair as barreiras das diferenças, sim porque, de fato o centro é Deus e não os nossos pequenos, privado, até mesquinhos interesses. A verdadeira unidade se faz quando se é capazes de prescindir dos particularismos, das opiniões privadas, da presunção de possuir a verdade em todos os seus aspectos  encontrar-se no único Jesus assim como Ele é. Quando há a autenticidade no coração, quando não existe malícia, quando alguém está aberto, mesmo se eventualmente tenha passado por um caminho errado ou pelo menos, tortuoso, todavia sempre haverá um encontro. Jesus ousa dizer que: «não é possível que alguém que tenha cumprido um milagre em meu nome fale mal de mi», e isto é compreensível porque já no íntimo daquela pessoa, a vontade de pertencer a Jesus e agir como Ele, deu uma identidade nova, instaurou relações novas, consagrou.

 

            À medida em que Jesus estará verdadeiramente no centro de nossa vida, não precisaremos mais perder tempo e forças para demonstrar nada a ninguém, não precisaremos mais de sofismas que dividem; pelo contrário, a diversidade na única experiência encherá nosso coração de alegria.

 


Postado em: 26/09/2012 as 08:43:30





Leia também


01 de agosto de 2014   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


20 de julho de 2014   -   XVI Domingo do Tempo Comum


06 de julho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


22 de junho de 2014   -   XII Domingo do Tempo Comum


01 de junho de 2014   -   Ascenção do Senhor


18 de maio de 2014   -   V Domingo de Páscoa


00 de de 0000   -   II Domingo da Quaresma


02 de março de 2013   -   VIII Domingo do Tempo Comum


23 de fevereiro de 2014   -   VII Domingo do Tempo Comum


09 de fevereiro de 2014   -   V Domingo do Tempo Comum


02 de fevereiro de 2014   -   Festa da Apresentação do Senhor


22 de dezembro de 2013   -   IV Domingo do Advento


08 de dezembro de 2013   -   Festa da Imaculada Conceição de Maria


01 de dezembro de 2013   -   I Domingo do Advento


17 de novembro de 2013   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


10 de novembro de 2013   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


03 de novembro de 2013   -   Festa de Todos os Santos


27 de outubro de 2013   -   XXX Domingo do Tempo Comum


20 de outubro de 2013   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


13 de outubro de 2013   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


06 de outubro de 2013   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


29 de setembro de 2013   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


22 de setembro de 2013   -   XXV Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2013   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


01 de setembro de 2013   -   XXII Domingo do Tempo Comum


25 de agosto de 2013   -   XXI Domingo do Tempo Comum


18 de agosto de 2013   -   Assunção de Nossa Senhora


11 de agosto de 2013   -   XIX Domingo do Tempo Comum


00 de de 0000   -   XIX Domingo do Tempo Comum


04 de agosto de 2013   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


28 de julho de 2013   -   XVII Domingo do Tempo Comum


21 de julho de 2013   -   XVI Domingo do Tempo Comum


14 de julho de 2013   -   XV Domingo do Tempo Comum


30 de junho de 2013   -   São Pedro e São Paulo


23 de junho de 2013   -   XII Domingo do Tempo Comum


16 de junho de 2013   -   XI Domingo do Tempo Comum


09 de junho de 2013   -   X Domingo do Tempo Comum


02 de junho de 2013   -   IX Domingo do Tempo Comum


19 de maio de 2013   -   Domingo de Pentecostes


12 de maio de 2013   -   Solenidade da Ascensão


05 de maio de 2013   -   VI Domingo de Páscoa


28 de abril de 2013   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2013   -   IV Domingo de Páscoa


07 de abril de 2013   -   II Domingo de Páscoa


24 de março de 2013   -   Domingo de Ramos


17 de março de 2013   -   V Domingo de Quaresma


10 de março de 2013   -   IV Domingo de Quaresma


03 de março de 2013   -   III Domingo de Quaresma


24 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


23 de fevereiro de 2013   -   II Domingo de Quaresma


17 de fevereiro de 2013   -   I Domingo de Quaresma


10 de fevereiro de 2013   -   V Domingo do Tempo Comum


03 de fevereiro de 2013   -   IV Domingo do Tempo Comum


27 de janeiro de 2013   -   III Domingo do Tempo Comum


20 de janeiro de 2013   -   II Domingo do Tempo Comum


13 de janeiro de 2013   -   Festa do Batismo do Senhor


30 de dezembro de 2012   -   Festa da Sagrada Família


23 de dezembro de 2012   -   IV Domingo do Advento


16 de dezembro de 2012   -   III Domingo do Advento


09 de dezembro de 2012   -   II Domingo do Advento


02 de dezembro de 2012   -   I Domingo do Advento


25 de novembro de 2012   -   Festa de Cristo Rei


18 de novembro de 2012   -   XXXIII Domingo de Tempo Comum


11 de novembro de 2012   -   XXXII Domingo de Tempo Comum


04 de novembro de 2012   -   Festa de todos os Santos


28 de outubro de 2012   -   XXX Domingo de Tempo Comum


21 de outubro de 2012   -   XXIX Domingo de Tempo Comum


14 de outubro de 2012   -   XXVIII Domingo de Tempo Comum


07 de outubro de 2012   -   XXVII Domingo de Tempo Comum


30 de setembro de 2012   -   XXVI Domingo de Tempo Comum


23 de setembro de 2012   -   XXV Domingo de Tempo Comum


16 de setembro de 2012   -   XXIV Domingo de Tempo Comum


09 de setembro de 2012   -   XXIII Domingo de Tempo Comum


02 de setembro de 2012   -   XXII Domingo do Tempo Comum


26 de agosto de 2012   -   XXI Domingo do Tempo Comum


19 de agosto de 2012   -   Assunção de Maria ao Céu


12 de agosto de 2012   -   XIX Domingo do Tempo Comum


05 de agosto de 2012   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


29 de julho de 2012   -   XVII Domingo do Tempo Comum


22 de julho de 2012   -   XVI Domingo do Tempo Comum


15 de julho de 2012   -   XV Domingo do Tempo Comum


08 de julho de 2012   -   XIV Domingo do Tempo Comum


01 de julho de 2012   -   São Pedro e São Paulo


24 de junho de 2012   -   Nascimento de João Batista


17 de junho de 2012   -   XI Domingo do Tempo Comum


10 de junho de 2012   -   X Domingo do Tempo Comum


07 de junho de 2012   -   Corpus Christi‏


03 de junho de 2012   -   Festa da Santíssima Trindade


27 de maio de 2012   -   Domingo de Pentecostes


20 de maio de 2012   -   Ascensão de Nosso Senhor


13 de maio de 2012   -   VI Domingo de Páscoa


06 de maio de 2012   -   V Domingo de Páscoa


29 de abril de 2012   -   IV Domingo de Páscoa


22 de abril de 2012   -   III Domingo de Páscoa


15 de abril de 2012   -   II Domingo de Páscoa


08 de abril de 2012   -   Domingo de Páscoa


01 de abril de 2012   -   Domingo de Ramos


25 de março de 2011   -   V Domingo da Quaresma


18 de março de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


11 de março de 2012   -   III Domingo da Quaresma


04 de março de 2012   -   II Domingo da Quaresma


26 de fevereiro de 2012   -   I Domingo de Quaresma


19 de fevereiro de 2012   -   VII Domingo do Tempo Comum


12 de fevereiro de 2012   -   VI Domingo do Tempo Comum


05 de fevereiro de 2012   -   V Domingo do Tempo Comum


29 de janeiro de 2012   -   IV Domingo do Tempo Comum


22 de janeiro de 2012   -   III Domingo do Tempo Comum


15 de janeiro de 2011   -   II Domingo do Tempo Comum


25 de dezembro de 2011   -   Natal do Senhor


18 de dezembro de 2011   -   IV Domingo do Advento


11 de dezembro de 2011   -   III Domingo do Advento


04 de dezembro de 2011   -   II Domingo de Advento


27 de novembro de 2011   -   I Domingo do Advento


20 de novembro de 2011   -   Festa de Cristo Rei


13 de novembro de 2011   -   XXXIII Domingo do Tempo Comum


30 de outubro de 2011   -   XXXI Domingo do Tempo Comum


23 de outubro de 2011   -   XXX Domingo do Tempo Comum


16 de outubro de 2011   -   XXIX Domingo do Tempo Comum


09 de outubro de 2011   -   XXVIII Domingo do Tempo Comum


02 de outubro de 2011   -   XXVII Domingo do Tempo Comum


25 de setembro de 2011   -   XXVI Domingo do Tempo Comum


15 de setembro de 2011   -   XXV Domingo do Tempo Comum


11 de setembro de 2011   -   XXIV Domingo do Tempo Comum


04 de setembro de 2011   -   XXIII Domingo do Tempo Comum


28 de agosto de 2011   -   XXII Domingo do Tempo Comum


21 de agosto de 2011   -   Assunção de Nossa Senhora


14 de agosto de 2011   -   20° Domingo do Tempo Comum


07 de agosto de 2011   -   XIX Domingo de Tempo Comum


31 de julho de 2011   -   XVIII Domingo do Tempo Comum


24 de julho de 2011   -   XVII Domingo do Tempo Comum


17 de julho de 2011   -   XVI Domingo do Tempo Comum


10 de julho de 2011   -   XV Domingo do Tempo Comum


03 de julho de 2011   -   São Pedro e São Paulo


26 de junho de 2011   -   XIII Domingo do Tempo Comum


19 de junho de 2011   -   FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE


12 de junho de 2011   -   Domingo de Pentecostes


05 de junho de 2011   -   Ascensão do Senhor


29 de maio de 2011   -   VI Domingo de Páscoa


22 de maio de 2011   -   V Domingo de Páscoa


15 de maio de 2011   -   IV Domingo de Páscoa


08 de maio de 2001   -   III Domingo de Páscoa


01 de maio de 2011   -   II Domingo de Páscoa


24 de abril de 2011   -   PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO


17 de abril de 2011   -   Domingo de Ramos


10 de abril de 2011   -   V Domingo de Quaresma


03 de abril de 2011   -   IV Domingo da Quaresma


27 de março de 2011   -   III Domingo da Quaresma


20 de março de 2011   -   II Domingo da Quaresma


13 de março de 2011   -   I DOMINGO DE QUARESMA


06 de março de 2011   -   IX Domingo tempo comum


27 de fevereiro de 2011   -   VIII Domingo do Tempo Comum


20 de fevereiro de 2011   -   VII Domingo do Tempo Comum


13 de fevereiro de 2011   -   VI Domingo do Tempo Comum


06 de fevereiro de 2011   -   V DOMINGO DO TEMPO COMUM


30 de janeiro de 2011   -   IV DOMINGO DO TEMPO COMUM


23 de janeiro de 2011   -   III DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de janeiro de 2011   -   II DOMINGO DO TEMPO COMUM


09 de janeiro de 2011   -   BATISMO DO SENHOR


02 de janeiro de 2011   -   EPIFANIA DE NOSSO SENHOR


25 de dezembro de 2010   -   Natal do Senhor


19 de dezembro de 2010   -   IV DOMINGO DE ADVENTO


12 de dezembro de 2010   -   III DOMINGO DE ADVENTO


05 de dezembro de 2010   -   II DOMINGO DE ADVENTO


28 de novembro de 2010   -   I DOMINGO DE ADVENTO


21 de novembro de 2010   -   FESTA DE CRISTO REI


07 de novembro de 2010   -   XXXII Domingo do Tempo Comum


31 de outubro de 2010   -   XXXI Domingo do Tempo Comum





Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil